Prost defende que F1 se mantenha "mais tradicional" e pede redução no calendário: "23 corridas é demais"

Tetracampeão acredita que calendário atual é muito exaustivo e se colocou completamente contra a ideia de grid invertido

Prost defende que F1 se mantenha "mais tradicional" e pede redução no calendário: "23 corridas é demais"
Carregar reprodutor de áudio

A Fórmula 1 se encaminha para a maior temporada de sua história em 2022, com 23 GPs programados, enquanto pensa em outras novidades que podem entrar em vigor nos próximos anos. Mas o tetracampeão Alain Prost acredita que a principal categoria do automobilismo mundial deveria se manter mais no lado tradicional, além de pensar em reduzir o número de corridas.

Desde a chegada da Liberty Media no comando da F1, em 2017, o calendário da categoria vem se expandindo, com um projeto original de aumentar o número de provas por ano para 25 mas, segundo o atual CEO da F1, Stefano Domenicali, o novo teto é de 23, o total deste ano.

Leia também:

Mesmo assim, a F1 insiste em manter um modelo que foi muito criticado por pilotos e chefes de equipe recentemente: as rodadas triplas. Em 2022 serão duas, incluindo uma formada por Rússia, Singapura e Japão, que promete ser particularmente exaustiva para o paddock devido às longas viagens e fuso horários diferentes.

Recentemente, o Motorsport.com publicou o alarmante relato de um mecânico de uma das equipes da F1 falando sobre como a expansão do calendário vem pesando, enquanto o salário permanece estagnado há anos.

Prost, que hoje atua como diretor não-executivo da Alpine, comentou sobre o inchaço do calendário em entrevista ao podcast In the Fast Lane, produzido pela organização do GP da Austrália.

"23 corridas é demais. É muito difícil para as equipes, as pessoas que viajam, mecânicos, engenheiros, chefes de equipe. Tem que continuar sendo algo excepcional".

"Lembro da primeira vez em que tivemos uma rodada tripla e como eu estava perdendo um pouco do interesse de certa forma, porque as corridas estavam muito próximas. É preciso haver um equilíbrio entre o número de corridas, número de fãs e, obviamente, o dinheiro que pode ser gerado".

"Se você conseguir mais sucesso e trazer mais patrocinadores, talvez possamos ter menos corridas. Mas parece que não é esse caminho que estamos seguindo".

Além do aumento do calendário, Prost falou ainda sobre outras mudanças que a F1 vivenciou nos últimos anos. Enquanto o Professor é favorável à série da Netflix Drive to Survive, ele não concorda com outras propostas que já foram discutidas recentemente.

"Sou completamente contra a ideia do grid invertido, com certeza. A Fórmula 1 não pode aceitar isso, mesmo para a sprint. Não é porque Lewis [Hamilton] fez um trabalho fantástico saindo de último [na sprint do Brasil] que devemos achar que será o mesmo sempre com todos os pilotos".

"As coisas não acontecem assim. Sou mais da tradição, e a Fórmula 1 tem que seguir sendo como era. Devo reconhecer que cada vez temos mais fãs jovens, graças à série da Netflix e que atraímos o público jovem, o que é fantástico".

"Obviamente eles gostam desse tipo de corrida que vimos, a sprint e a corrida de Lewis no Brasil, mas a Fórmula 1 precisa se manter mais tradicional".

MARI BECKER analisa EVOLUÇÃO de VERSTAPPEN e PRESSÃO em HAMILTON, e fala de como ambos saem maiores

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #156 – Mariana Becker traz bastidores de Verstappen x Hamilton na F1 2021

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
Brad Pitt pode estrelar filme sobre F1 com participação de Hamilton, diz site
Artigo anterior

Brad Pitt pode estrelar filme sobre F1 com participação de Hamilton, diz site

Próximo artigo

F1: Red Bull vive imbróglio com ex-chefe de aerodinâmica; entenda

F1: Red Bull vive imbróglio com ex-chefe de aerodinâmica; entenda