Regras de 2019 da F1 não a transformarão, mas irão melhora-la

compartilhar
comentários
Regras de 2019 da F1 não a transformarão, mas irão melhora-la
11 de jan de 2019 11:40

Ex-diretor técnico da Williams diz que mudanças eram necessárias para não piorar disputas de posição

Pat Symonds não espera que as novas mudanças aerodinâmicas da Fórmula 1 promovam uma mudança muito grande na qualidade das corridas em 2019.

Falando na Autosport International, o ex-diretor técnico da Williams disse que o grupo técnico da categoria está adotando uma abordagem cuidadosa em relação à grande mudança de 2021.

"Ficou óbvio que poderíamos fazer algo para 2019 na simplificação das asas dianteiras", explicou Symonds.

“Isso é puramente para melhorar o fluxo de ar e permitir que os carros atrás do carro líder tenham bom desempenho. Nunca vai ser perfeito, e você não pode mudar as leis da física, mas fizemos grandes melhorias. Com relação ao que estamos fazendo para 2021, é muito pequeno."

Symonds enfatizou que as mudanças aerodinâmicas para 2019 impedirão qualquer declínio adicional na qualidade das disputas.

"A Fórmula 1 se desenvolve em um ritmo alarmante, é implacável", disse Symonds.

“Então, se não tivéssemos feito nada, os carros de 2019 teriam sido ainda mais difíceis de seguir do que os carros de 2018. O que fizemos foi recuperar um pouco, melhoramos onde estávamos em 2018. Não espere uma mudança de transformação, mas acredite que se não tivesse acontecido isso só teria piorado. Pelo menos o que fizemos é manter o que já tínhamos, e suspeito que as coisas melhorarão um pouco. ”

Os chefes de equipe de F1 citaram temores sobre o aumento dos custos devido ao desenvolvimento das novas asas dianteiras, mas Symonds insistiu que as mudanças acabarão por ajudar a limitar os gastos a longo prazo.

"É muito difícil colocar números sobre esse tipo de coisa", disse ele.

“O fato é que as asas da frente estavam ficando incrivelmente complexas, um número enorme de peças. Não apenas as peças que você via no carro em si, mas também todas as ferramentas associadas a elas, milhares de componentes.”

“Assim, o produto acabado será, na verdade, um produto mais barato, porque tem menos partes nele. Isso é um fato."

Perguntado se o número de produção sugerido de 15 milhões de euros do chefe da Red Bull, Helmut Marko, é realista, Symonds respondeu: “eu acho que é uma figura ligeiramente falsa”.

“Se a Red Bull estava planejando reutilizar sua asa dianteira, então sim, eles tornaram obsoletas as velhas asas dianteiras, o que custa dinheiro. Mas a Red Bull não é o tipo de time que reutilizaria uma asa dianteira de qualquer maneira.”

“Você pode ir para a primeira corrida talvez com algumas peças que eram do ano anterior, mas quando você começa a correr, tudo é novo.”

"Eu suspeito que se você olhar para a asa ao longo do ano, o projeto final sobre os componentes da asa dianteira será menor e a quantidade de dinheiro que eles gastam em pesquisa será exatamente a mesma."

Next article
Brundle: as coisas não estavam certas na Ferrari com Arrivabene

Previous article

Brundle: as coisas não estavam certas na Ferrari com Arrivabene

Next article

McLaren promete “dar tempo” a aprendizado de Norris

McLaren promete “dar tempo” a aprendizado de Norris
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Be first to get
breaking news