VÍDEO: Treta entre Mercedes e Red Bull na F1 ganha novo capítulo após bronca de Hamilton; entenda a asa flexível

Imagens dos carros da Red Bull mostravam asa traseira flexionando em alta velocidade, antes de voltar à posição no final das retas

VÍDEO: Treta entre Mercedes e Red Bull na F1 ganha novo capítulo após bronca de Hamilton; entenda a asa flexível

Depois dos comentários feitos pelo piloto da Mercedes Lewis Hamilton durante o GP da Espanha da Fórmula 1 de que a Red Bull usava um design de asa traseira "flexível" para aumentar a velocidade nas retas, a FIA decidiu introduzir novos testes de flexibilidade antes do GP da França.

Leia também:

As imagens dos carros da escuderia austríaca mostravam a asa traseira flexionando em alta velocidade, antes de voltar à posição no final das retas. Depois da questão levantada pelo piloto da Mercedes na Espanha, Christian Horner deixou claro que o design da asa havia sido liberado pela FIA. No entanto, a federação decidiu introduzir novos testes de flexibilidade a partir do dia 15 de junho.

As asas flexíveis são áreas complicadas do carro para a fiscalização e a questão tem sido campo de batalha constante por mais de vinte anos na categoria máxima do automobilismo. 

Neste vídeo, a repórter Nayara Coelho (@nayaracoelhom) fala sobre a asa flexível, o mais novo foco da batalha entre Mercedes e Red Bull.

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #104 – Mercedes x Red Bull já pode ser considerada uma das maiores rivalidades da F1?

 

compartilhar
comentários
F1: Entenda qual é a principal dificuldade de Ricciardo na adaptação à McLaren

Artigo anterior

F1: Entenda qual é a principal dificuldade de Ricciardo na adaptação à McLaren

Próximo artigo

F1 - Wolff: “15 funcionários e uma fábrica não serão suficientes” para Red Bull ser competitiva

F1 - Wolff: “15 funcionários e uma fábrica não serão suficientes” para Red Bull ser competitiva
Carregar comentários