Whiting foi mecânico de Piquet em títulos na F1; relembre carreira

compartilhar
comentários
Whiting foi mecânico de Piquet em títulos na F1; relembre carreira
Por:
14 de mar de 2019 11:21

Britânico se dedicava desde 1977 à Fórmula 1 e foi o responsável pela adoção de várias medidas de segurança

Charlie Whiting, que infelizmente faleceu em Melbourne na véspera do GP da Austrália, foi presença constante no paddock da Fórmula 1 por mais de 40 anos.

Bastante respeitado por várias gerações de pilotos e equipes, Whiting cresceu após um início humilde como mecânico de clubes de corrida para desempenhar um papel significativo no desenvolvimento da F1 moderna através das múltiplas funções que ocupou com a FIA ao longo das décadas.

Leia também:

Além de redigir os regulamentos, Whiting era responsável por policiá-los e, inevitavelmente, sua interpretação dos desenvolvimentos técnicos ou dos incidentes na pista era frequentemente desafiada, levando a muitas situações estressantes ao longo das décadas.

Whiting decidiu que os carros seriam sua carreira na faculdade. Ele disse: “fui para a faculdade técnica e depois para o Borough Polytechnic – agora é chamado de South Bank University – e obtive várias qualificações em engenharia mecânica. Para desgosto da minha mãe, fui trabalhar numa garagem. Ela não estava muito feliz com isso”.

Sebastian Vettel, Ferrari and Charlie Whiting, FIA Delegate

Sebastian Vettel, Ferrari and Charlie Whiting, FIA Delegate

Photo by: Sutton Images

O primeiro contato de Whiting com a F1 veio quando ele trabalhou no Surtees TS16 que seu irmão chefiou para Divina Galica no campeonato Shellsport de 1976, e que a ex-esquiadora não conseguiu qualificar para o GP da Grã-Bretanha daquele ano.

Ele conseguiu seu primeiro emprego em tempo integral na F1 quando se juntou à equipe Hesketh, que estava em declínio após a era dourada de James Hunt. Ele trabalhou com pilotos como Eddie Cheever e Derek Daly, até que a equipe encerrou atividades após o GP da Bélgica de 1978.

Divina Galica, ShellSport/Whiting Surtess TS16

Divina Galica, ShellSport/Whiting Surtess TS16

Photo by: LAT Photographic

Sem emprego, Whiting logo encontrou um novo lar na equipe Brabham de Bernie Ecclestone, cujo designer Gordon Murray sempre fazia carros no limite do regulamento, tendo acabado de desenvolver o carro de ventilador, o BT46B.

"Não me lembro de quem sugeriu que eu tentasse um emprego na Brabham. Eu fui para uma entrevista com Herbie [Blash] e consegui um emprego na equipe de teste. Eu fiz um teste na Áustria, então alguém saiu e eu fui convidado para a equipe de corrida de Paul Ricard em diante.

“Naquele ano eu estava trabalhando no carro reserva, e então em 1979 eu estava trabalhando no carro da Niki Lauda, e em 1980 no de Nelson [Piquet]. Eu me tornei mecânico chefe em 1981.”

Neste cargo, Whiting supervisionaria os títulos mundiais de Piquet em 1981 e 1983. Foi uma era fabulosa para o esporte. A Brabham era uma equipe muito independente, criando truques para burlar o regulamento, como encaixar uma carroceria mais pesada para verificações de peso pós-sessão e introduzindo reabastecimento e trocas planejadas de pneus em 1982.

Em 1986, a equipe sofreu a trágica perda de Elio de Angelis em um acidente durante um teste em Paul Ricard. Isso atingiu duramente Whiting e influenciou seu foco posterior em questões de segurança.

Nelson Piquet, Brabham BMW

Nelson Piquet, Brabham BMW

Photo by: LAT Images

“Isso foi trágico, porque ele não ficou ferido. Havia apenas cerca de quatro galões de gasolina no carro, mas infelizmente ele morreu. A gasolina saiu, pegou fogo e não havia ninguém lá para apagá-lo.”

Distraído com o business da F1, Bernie Ecclestone – chefe de equipe da Brabham – vendeu o time em 1987 e no ano seguinte a equipe não participou do campeonato mundial. Em vez de se mudar para outra equipe, Whiting – que já era engenheiro-chefe – deu um passo incomum de se juntar à FIA por ideia de Ecclestone.

Whiting admitiu que, inicialmente, teve dificuldades para se adaptar a seu cargo na gerência do mundial.

“Foi muito estranho mesmo. Eu não conseguia entender isso no começo, mas me acostumei. Muitas equipes estavam bastante céticas e achavam que eu estava reunindo informações para Bernie voltar.”

“E isso aconteceu no ano seguinte. A Brabham voltou em 1989, e toda vez que eu ficava na garagem – perto de um motor por exemplo – as pessoas supunham que eu tinha voltado para trabalhar por meio período!”

Em 1994, Whiting esteve profundamente envolvido no rescaldo das mortes de Ayrton Senna e Roland Ratzenberger em Imola, bem como nos outros acidentes graves daquela temporada. Foi um momento difícil para todos os envolvidos na FIA, que tomaram reações automáticas, incluindo mudanças nos circuitos, embora na época as pistas não fossem responsabilidade de Whiting.

Charlie Whiting, FIA Delegate observes the scene of the Brendon Hartley, Scuderia Toro Rosso STR13 crash in FP3

Charlie Whiting, FIA Delegate observes the scene of the Brendon Hartley, Scuderia Toro Rosso STR13 crash in FP3

“Para ser absolutamente honesto, se olharmos para trás com uma mente racional, depois de Imola 1994, algumas coisas bastante estranhas aconteceram. As chicanes em Barcelona e no Canadá são duas que vêm à mente. Eu gostaria de pensar que isso não aconteceria nos dias de hoje.”

“Se houvesse – que o céu não permita – um acidente de impacto semelhante, digamos, então olharíamos e tentaríamos analisá-lo adequadamente. Embora Imola fosse um fim de semana muito negro para o esporte, quando você olhava para tudo isoladamente, não havia um elemento que pudesse colocar seu dedo e dizer: "ah, é isso que deu errado com a F1".

“Eu não sei o que, se houve, houve pressão política para fazer muitas mudanças, mas parecia que algumas coisas desnecessárias foram feitas. Na minha opinião pessoal, essa chicane em Barcelona era potencialmente perigosa.”

Nos anos seguintes, o papel de Whiting aumentou gradualmente. Em 1996, ele iniciou no trabalho que o tornou mundialmente conhecido, já que passou a dar as largadas da Fórmula 1. Isso foi seguido rapidamente por uma promoção para o diretor de prova e delegado de segurança, responsável pelos circuitos.

“Roland Bruynseraede, que tinha sido delegado de segurança titular e diretor de prova, deixou ou não conseguiu o emprego para 1996. Max decidiu que Roger Lane-Nott seria uma boa aposta para o papel de diretor de prova. Fomos deixados sem ninguém para iniciar as corridas, então eu me ofereci, e eu fiz isso desde então.”

“Todos concordam que Roger tentou com afinco, mas não se deu bem com a coisa toda. Em Monza, em 1996, Max me disse que não estava particularmente feliz com a maneira como as coisas estavam indo e perguntou se eu gostaria de ser diretor de prova. Eu agarrei a chance. Eu estaria mentindo se dissesse que não estava de olho naquele emprego há um tempo.”

Charlie Whiting, Jean Todt, FIA President, Charles Leclerc, Sauber F1 Team

Charlie Whiting, Jean Todt, FIA President, Charles Leclerc, Sauber F1 Team

Photo by: Steven Tee / LAT Images

Whiting ficou com o controle das corridas por mais de duas décadas e, durante a maior parte do tempo, trabalhou em estreita colaboração com seu amigo de longa data e ex-colega de Brabham, Herbie Blash, que detinha o título de vice-diretora de prova.

Seus papéis se estendiam muito além de supervisionar os fins de semana de corrida. Ele escreveu os regulamentos esportivos e técnicos e, juntamente com Sid Watkins, desempenhou um papel fundamental na pressão da FIA por segurança, que começou após as tragédias de Imola. Tudo continuou desde então.

Ele enfrentou muitos momentos difíceis, especialmente as mortes de bombeiro Paolo Gislemberti em Monza em 2000, e do fiscal de pista Graham Beveridge em Melbourne em 2001. O acidente de Suzuka em 2014 – que levou à morte de Jules Bianchi no ano seguinte – foi outro duro teste para o homem que foi responsável pela segurança.

Todos os finais de semana de GP, Whiting presidia o briefing dos pilotos da FIA, e isso – juntamente com reuniões individuais com pilotos após punições na pista – deu a ele uma visão única sobre os personagens com os quais lidou.

Charlie Whiting, FIA Race Director, Ross Brawn, Managing Director of Motorsports, FOM, on stage

Charlie Whiting, FIA Race Director, Ross Brawn, Managing Director of Motorsports, FOM, on stage

Photo by: Sam Bloxham / LAT Images

“Acho que me dou bem com a maioria deles, alguns me dou melhor que outros. Você não pode agradar a todas as pessoas o tempo todo, e isso é um fato. Tenho certeza que alguns deles acham que eu sou um idiota, mas ei, eu não posso ajudar nisso. Eu faço meu melhor.”

“É verdade que alguns são mais técnicos do que outros, definitivamente. E alguns pilotos apresentam algumas ideias muito boas. Outros não têm boas ideias! Muito honestamente, algumas das coisas que as pessoas inventam às vezes são ridículas.”

“Me pediram uma vez para estender a zebra na saída da curva 11 em Indianápolis nas duas extremidades. Já tinha 50 metros de comprimento. Eu nunca consegui entender. É muito curto ou muito longo, não pode ser os dois. Até hoje eu não entendo a lógica por trás disso. Foi um piloto muito conhecido, o que me surpreendeu ainda mais, porque ele era conhecido por sua inteligência…”

Outra parte do trabalho de Whiting era tentar manter a FIA um passo à frente dos engenheiros, cujo trabalho era encontrar brechas nos regulamentos que ele havia escrito.

“Nós discutimos em reuniões de trabalho técnico e esportivo e eles são refinados, então não é só eu escrever uma regra e publicá-la. Em geral, as equipes não tentam puxar sobre os olhos, porque sabem que se a regra não for tão robusta quanto poderia ser, mudaremos.”

“O fato é que há uma FIA e dez equipes, cada uma com uma média de 100 engenheiros fazendo o máximo para tirar o melhor proveito das regras. O difusor duplo de 2009 é um exemplo perfeito disso.”

O respeito e o carinho dos pilotos e outros desde a triste notícia de hoje mostra que Charlie fará muita falta a todos que o conheceram trabalharam com ele e eram seus amigos.

Charlie Whiting, FIA

Charlie Whiting, FIA

Photo by: Sam Bloxham / LAT Images

Próximo artigo
Confira os horários da Fórmula 1 na Austrália neste fim de semana

Artigo anterior

Confira os horários da Fórmula 1 na Austrália neste fim de semana

Próximo artigo

FOTOS: Ricciardo revela capacete para temporada de 2019

FOTOS: Ricciardo revela capacete para temporada de 2019
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Adam Cooper
Seja o primeiro a receber as últimas notícias