Série Pensamento dos líderes
Assunto

Série Pensamento dos líderes

Berger sobre futuro das corridas: "Fãs querem ver carros que sejam desafiadores"

Austríaco falou sobre as falhas de Chase Carey no comando da F1 e sobre o futuro do DTM

Faz 30 anos que Gerhard Berger foi companheiro de equipe de Ayrton Senna na McLaren na Fórmula 1 e hoje o austríaco é muito ativo no automobilismo como chefe do DTM. A categoria passou por uma grande transformação este ano, com a mudança dos regulamentos para GT3. Berger também está supervisionando um programa ambicioso para criar um carro elétrico do DTM de 1.000 cavalos de potência como uma via possível para o futuro.

Leia também:

Para esta edição do #ThinkingForward, falamos com o vencedor de 10 corridas da F1 sobre sua visão para o DTM e o que ele pensa sobre a direção da categoria em que fez nome.

Começamos com a F1, que agora é dirigida pelo ex-colega de Berger de sua época na Ferrari, Stefano Domenicali.

“Eu gosto da Fórmula 1. Ainda é altamente competitiva. Mas às vezes eu vejo que ela se perdeu um pouco”, disse Berger, que destacou os carros espetaculares da década de 1980 como a referência do que a F1 deveria ser. Quanto à administração da categoria, “Chase (Carey, ex-CEO da F1) nunca tinha realmente visto a F1 antes de entrar em seu papel. E, como americano, é muito difícil entender a verdadeira filosofia e as coisas reais por trás do nosso esporte. Por mais que eu o aprecie como dirigente, ainda não foi a escolha certa, porque você precisa de alguém que entenda este negócio, que tenha passado um tempo neste negócio e seja capaz de fazer o que Bernie fez por muitos anos. Portanto, acho que Stefano é uma escolha muito melhor nesse sentido. Mas todos nós também conhecemos essa especialidade que Bernie tinha, esse instinto de matar, essa maneira de lidar com diferentes questões. E temos que ver se Stefano poderá seguir de forma semelhante, mas acho que ele definitivamente foi a escolha certa da Liberty. E acho que ele vai ser muito bom para o esporte.”

Gerhard Berger, McLaren

Gerhard Berger, McLaren

Photo by: Motorsport Images

Enquanto Domenicali está traçando o curso para a F1, Berger está fazendo o mesmo para o DTM, uma categoria que foi abalada por saídas de fabricantes sob os regulamentos antigos e precisava de uma atualização forte. Para 2021, ele seguirá os regulamentos do GT3, mas Berger insiste que o DTM ainda representa os mesmos valores.

“O DNA do DTM não vai mudar em nada, o que está mudando é o regulamento técnico”, afirmou. “Talvez os carros pareçam ainda melhores como carros GT3 porque realmente se parecem com um Mercedes, um BMW, um Audi, que estavam faltando antes. E então, a grande coisa por muitos anos foi que deveríamos ter mais marcas e fabricantes em nossa plataforma. Estávamos sempre lidando com dois ou três fabricantes e simplesmente não era bom o suficiente para os fãs e para os participantes. Os carros parecem mais espetaculares. Os fãs verão os conceitos de carro como eles conhecem da estrada. E a única desvantagem com a qual temos que lidar é o equilíbrio de desempenho, mas tenho certeza de que vamos administrá-lo de uma maneira muito transparente e boa. E o resto é tudo igual: o mesmo formato de sprint, a mesma TV, as mesmas pistas.”

“O DTM não está relacionado a um regulamento técnico. DTM significa pilotos de corrida profissionais sentados nos carros. Então você tem o mais alto nível de pilotos, você tem as melhores equipes. Temos um formato sprint, por isso não mudamos os pilotos; a maioria das outras séries GT misturam pilotos, talvez um profissional e outro pagante.”

Gerhard Berger, ITR Chairman

Gerhard Berger, ITR Chairman

Photo by: Alexander Trienitz

Um dos maiores desafios que qualquer CEO de categoria enfrenta hoje é decidir qual será o trem de força do futuro. F1 e WRC estão apostando em motores de combustão interna híbridos e combustíveis sustentáveis, outras estão se tornando elétricas.

“Ninguém sabe ainda onde a tecnologia vai parar, mesmo em um carro de rua”, disse Berger. “Temos algumas mensagens muito claras dos políticos, mas estou surpreso com este grande passo. Decidimos ver se conseguimos montar um produto de corrida totalmente elétrico, que pudesse ser interessante aos fãs, mas paralelamente, continuamos segurando o motor de combustão, com biocombustíveis ou combustível sintético e híbrido.”

Gerhard Berger, Ferrari 412T2

Gerhard Berger, Ferrari 412T2

Photo by: Motorsport Images

É uma grande decisão. Berger é muito claro que os fãs precisam ser os únicos a decidir como querem que a categoria que amam seja ativada, mas ele é igualmente claro qual é o ponto de partida:

“Quando você sai do esporte, você perde. Porque você precisa ser um esporte que mostra pessoas, pilotos, estrelas, que conseguem lidar com situações de maneira diferente do que seres humanos normais. E eu acho que essa deve ser a força motriz, todas as outras coisas vêm depois.”

“Como piloto, não me importo de onde vem a energia; se vem de um sistema de transmissão elétrico de hidrogênio ou de um motor de combustão. Não importa. O que eu gostaria de ter como piloto, é de 1.000 cavalos ou mais, para ser desafiado. O que os fãs gostariam de ver é um carro que seja um desafio, porque senão você não é uma estrela. O que saiu foi nosso carro de teste em Hockenheim com 1200 cavalos de potência, incrivelmente rápido e espetacular. Portanto, agora vamos construir a partir deste carro de demonstração, um protótipo, com essa tecnologia muito semelhante, como já mostramos, mas com um visual diferente. E esperamos que, quando colocarmos isso em paralelo, estejamos apenas dando aos fãs a escolha. E então veremos como o mundo se desenvolve.”

Quanto ao futuro a longo prazo, Berger está otimista de que o automobilismo terá uma relevância ainda maior à medida que a indústria automobilística passa por sua maior reviravolta em um século.

“Acho que será interessante nos próximos cinco anos, muito também o que a indústria de automóveis vai encontrar como solução final. Porque no final do dia, deve haver uma conexão entre carros de rua e carros de corrida. E eu acho que talvez quando isso estiver claro, então será novamente uma grande possibilidade para o automobilismo ser a bancada de testes para essas novas tecnologias.”

Gerhard Berger, ITR Chairman with Rene Rast, Audi Sport Team Rosberg

Gerhard Berger, ITR Chairman with Rene Rast, Audi Sport Team Rosberg

Photo by: ITR eV

Parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

Max Wilson faz prévia do GP do Bahrein, fala da Band e analisa a temporada | RETA FINAL

PODCAST: Mercedes pode ter reinado derrubado após dificuldades vistas na pré-temporada?

 

compartilhar
comentários
Hamilton lamenta tiroteio no Colorado e pede maior controle no acesso de armas nos Estados Unidos

Artigo anterior

Hamilton lamenta tiroteio no Colorado e pede maior controle no acesso de armas nos Estados Unidos

Próximo artigo

Motorsport.tv lançará primeiro canal de notícias ao vivo de automobilismo do mundo

Motorsport.tv lançará primeiro canal de notícias ao vivo de automobilismo do mundo
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Geral
Autor James Allen