Rahal vence por 8 milésimos; Kanaan é 3º e Castroneves, 5º

Prova no oval do Texas que havia sido adiada por causa das chuvas é completada 76 dias depois; Graham Rahal supera Hinchcliffe por bico do carro e brasileiros vão bem e chegam no top 5

Rahal vence por 8 milésimos; Kanaan é 3º e Castroneves, 5º

Quase três meses depois, finalmente a prova da Indy no oval do Texas foi concluída. A corrida original, marcada para 11 de junho, primeiramente foi adiada para o dia seguinte por causa das chuvas. No domingo, 12 de junho, foram dadas 71 voltas até que tempestades voltassem a cair sobre o oval em Fort Worth e a adiassem de vez.

E depois de 76 dias valeu toda a espera. Em um final sensacional, Graham Rahal venceu, superando James Hinchcliffe por 8 milésimos após a realização das 177 voltas que faltavam.

Os brasileiros foram muito bem. Tony Kanaan lutou pela vitória até o final e chegou em terceiro, a 0s09 do vencedor, enquanto Helio Castroneves superou uma batida, perdeu muitas voltas, voltou para a prova  e finalizou em quinto.

Quem também se deu bem foi o francês Simon Pagenaud. Após ver Will Power encostar na classificação e ficar a apenas 20 pontos, o líder terminou à frente do rival, em quarto, e abriu vantagem na tabela já que Will Power foi apenas o oitavo.  Agora Pagenaud tem 529 pontos contra 501 de Power. Kanaan subiu para a terceira posição, com 416, um ponto à frente de Castroneves.

Faltam só duas etapas para o fim da temporada, em Watkins Glen (4/9) e Sonoma (18/9). 

A CORRIDA

Inicialmente, a prova em Forth Worth era a nona etapa da temporada. Com o adiamento, passou a ser a antepenúltima. Apenas 20 carros estavam na pista neste sábado já que Josef Newgarden e Conor Daly não puderam alinhar pois haviam sofrido forte acidente em junho e estavam fora da prova do Texas no momento em que ela foi cancelada.

Logo na relargada,  James Hinchcliffe, da equipe Schmidt Peterson, saiu na frente, seguido de Ryan Hunter-Reay e de Mikhail Aleshin. As primeiras 10 voltas foram sensacionais, com os oito primeiros colocados andando lado a lado. Inicialmente, Hinchcliffe e Hunter-Reay travaram duelo na frente, dando pinta de que o piloto da equipe Andretti iria repetir a performance do trioval de Pocono, na semana passada. Mas logo Hunter-Reay foi perdendo rendimento e caindo no pelotão.

Helio Castroneves, que saiu em sétimo, e Tony Kanaan, que relargou em 16º, começaram muito bem. Helinho passou a brigar entre os três primeiros e Tony subiu para a sétima colocação.

Perto da volta 100, Hinchcliffe e Castroneves eram os dois únicos que lutavam pela liderança. A dupla chegou a abrir 7s de vantagem sobre Will Power, Rahal, Ed Carpenter, Kanaan e Dixon, que vinham a seguir. Enquanto isso, o líder do campeonato, Simon Pagenaud, lutava para escalar o pelotão após relargar na 15º posição.

Sem bandeiras amarelas, a prova seguia em ritmo fortíssimo. Tanto que na volta 199, Hinchcliffe colou uma volta em Montoya, que era o décimo colocado.

Mas de ausentes, as bandeiras amarelas começaram a pipocar na parte final da prova. Na volta 213, Scott Dixon bateu no muro após toque com Ed Carpenter. O pelotão aproveitou e foi para o pit. Com isso, a prova ficou totalmente aberta para a última parte com a relargada na volta 220.

Assim que a bandeira verde tremulou, Hinchcliffe e Ed Carpenter seguiam na frente, com Castroneves, Rahal e Kanaan na mesma volta dos líderes. Porém, com muitos retardatários juntos dos ponteiros, a briga pela ponta ficou tumultuada.

O resultado foi que logo depois, na volta 224, novo acidente, desta vez envolvendo Castroneves e Ed Carpenter, que perdeu a traseira de seu carro e foi tocado por Helinho. O brasileiro ainda voltou para a pista mesmo com muitas voltas de atraso. Com a posterior sequência de bandeiras amarelas, a equipe Penske foi colocando o brasileiro novamente na prova e ele voltou a brigar pela vitória no final.  

A bandeira amarela ficou até a volta 230. E quando foi dada a relargada, faltando apenas 18 voltas, a ordem era Hinchcliffe, Kanaan, Rahal. Mas Tony Kanaan apertou na segunda colocação e estava lado a lado com Hinchcliffe quando nova bandeira amarela interrompeu a prova na volta 233.

Aleshin rodou e foi colhido por Jack Hawksworth, que vinha logo atrás. Hawksworth saiu do carro mancando e precisou do apoio dos comissários.        

A hora da verdade começou na volta 240. Faltando oito para o final, a última relargada foi sensacional com Hinchcliffe, Kanaan, Pagenaud e Castroneves lutando pela vitória. A 5 voltas do fim, os quatro primeiros dividiam as curvas lado a lado. Parecia mais turfe do que corrida de carro. As últimas voltas foram cabeça a cabeça. Tony deu pinta de que iria ganhar, mas faltando duas voltas Rahal foi para cima, passou o brasileiro e venceu por 8 milésimos, para frustração total de Hinchcliffe, que liderou quase de ponta a ponta e perdeu por um bico.   

 

 

compartilhar
comentários
Com poucas mudanças, Indy anuncia calendário de 2017
Artigo anterior

Com poucas mudanças, Indy anuncia calendário de 2017

Próximo artigo

Brasil pode entrar em maior 'seca' de vitórias na Indy

Brasil pode entrar em maior 'seca' de vitórias na Indy
Carregar comentários