Chefe: Honda nem sempre esteve à altura de Márquez em 2018

Alberto Puig fala que piloto espanhol por vezes fez mais do que deveria com equipamento que lhe foi dado

Chefe: Honda nem sempre esteve à altura de Márquez em 2018

Marc Márquez chegou ao GP do Japão, em Motegi, na semana passada com sua primeira oportunidade de conquistar o quinto título da categoria principal, o que confirmou com sua oitava vitória do ano após Andrea Dovizioso cair na penúltima volta.

Ex-piloto das 500cc, Alberto Puig, substituto de Livio Suppo como chefe de equipe da Repsol Honda antes da temporada de 2018, elogiou a capacidade de Márquez de compensar as deficiências da sua moto, admitindo que por vezes a RC213V não esteve à altura de seu talento.

"Eu já sabia que ele era um campeão, alguém muito rápido e com uma enorme capacidade de se adaptar a qualquer tipo de circunstância e a qualquer tipo de moto", disse Puig ao Motorsport.com.

"Do meu ponto de vista pessoal, ele é alguém que presta atenção, escuta e aceita conselhos mesmo sendo um campeão mundial. Isso é muito raro em um campeão de seu nível.”

"Ele está sempre em constante evolução. Ele se adapta muito bem a todos os tipos de circunstâncias e especialmente à moto que tem. Muitas pessoas não levam isso em conta, mas o fato de um piloto ganhar corridas não significa que sua moto é a melhor."

"Às vezes você tem que acrescentar que falta moto, e Marc é quem tem a melhor habilidade para balancear isso. Outros não sabem como fazer isso. Ele não reclama nunca. E já passamos por momentos em que, honestamente, a Honda não estava no nível que um campeão como ele merece.”

"Mas ele superou esses momentos sem reclamar e nós agradecemos muito."

Podium: race winner Marc Marquez, Repsol Honda Team

Podium: race winner Marc Marquez, Repsol Honda Team

Photo by: Gold and Goose / LAT Images

Márquez aceitar Lorenzo não foi nenhum choque

Jorge Lorenzo disse recentemente ao Motorsport.com que tinha de ser "grato" a Márquez por não bloquear sua mudança para a Honda em 2019, com o atual piloto da Ducati substituindo Dani Pedrosa na próxima temporada.

Alberto Puig disse que não ficou surpreso com a atitude de Márquez em relação à situação e que o piloto de 25 anos não teve preferência quanto a quem dividiria a garagem com ele.

"No fim do dia ele é um campeão", disse Puig. "Lorenzo e Valentino Rossi foram companheiros de equipe por muitos anos na Yamaha. Além disso, Wayne Rainey e Eddie Lawson dividiram um box, assim como Rainey e John Kocinski, e Wayne Gardner e Freddie Spencer.”

"Marc é um profissional e sabe que os melhores times só permitem os melhores pilotos. Ele está focado em seu trabalho e está ciente de que vai lutar contra os melhores: Lorenzo e o resto, não importa a moto.”

"O raciocínio dele é muito prático: 'o que você está me dizendo? Faça o que você precisa fazer, e eu vou tentar o meu melhor para vencer'. Ele não pensa muito sobre isso."

Jorge Lorenzo, Ducati Team, Marc Marquez, Repsol Honda Team

Jorge Lorenzo, Ducati Team, Marc Marquez, Repsol Honda Team

Photo by: Gold and Goose / LAT Images

compartilhar
comentários
Top 10 MotoGP: Japão 2018
Artigo anterior

Top 10 MotoGP: Japão 2018

Próximo artigo

Jones substitui Bautista na Angel Nieto e volta à MotoGP

Jones substitui Bautista na Angel Nieto e volta à MotoGP
Carregar comentários