Fórmula 1
25 mar
Próximo evento em
55 dias
06 mai
Próximo evento em
97 dias
20 mai
Próximo evento em
111 dias
R
GP do Azerbaijão
03 jun
Próximo evento em
125 dias
10 jun
Próximo evento em
132 dias
24 jun
Próximo evento em
146 dias
R
GP da Áustria
01 jul
Próximo evento em
153 dias
R
GP da Grã-Bretanha
15 jul
Próximo evento em
167 dias
29 jul
Próximo evento em
181 dias
R
GP da Bélgica
26 ago
Próximo evento em
209 dias
02 set
Próximo evento em
216 dias
09 set
Próximo evento em
223 dias
23 set
Próximo evento em
237 dias
R
GP de Singapura
30 set
Próximo evento em
244 dias
07 out
Próximo evento em
251 dias
21 out
Próximo evento em
265 dias
28 out
Próximo evento em
272 dias
05 nov
Próximo evento em
280 dias
R
GP da Austrália
18 nov
Próximo evento em
293 dias
R
GP da Arábia Saudita
03 dez
Próximo evento em
308 dias
R
GP de Abu Dhabi
12 dez
Próximo evento em
317 dias

Aposta de Senna e chefe, que rendeu carro ao brasileiro, completa 30 anos; relembre

compartilhar
comentários
Aposta de Senna e chefe, que rendeu carro ao brasileiro, completa 30 anos; relembre

Em 9 de setembro de 1990 Senna vencia GP da Itália em Monza e ganhava o direito de ter o carro da vitória

Uma história marcante de Ayrton Senna completa 30 anos nesta quinta-feira (09). O piloto brasileiro apostou com Ron Dennis, chefe da McLaren, que, se vencesse o GP da Itália de 1990, levaria o carro daquela corrida para casa.

Ao final daquela temporada, Ron pagou a aposta de vitória histórica do brasileiro na casa da Ferrari, que tinha Alain Prost como piloto e grande rival na luta pelo título daquele ano.

E um capítulo interessante e pouco conhecido desta história é revelada hoje em vídeo publicado nas redes oficiais de Ayrton Senna: o modelo que foi dado de presente a Senna não apenas venceu o GP da Itália como também garantiu outras três vitórias para o brasileiro em 1990: Canadá, Alemanha e Bélgica, tornando o chassi de valor inestimável.

Leia também:

“Eu não sabia onde o carro estava", disse Paul Lanzante, especialista em carros históricos. "Havia rumores, mas hoje vimos o número real: sim, é o chassi 6. Foi como escavar para encontrar uma antiguidade. E teve a aposta com o Ron (Dennis), de que o Ayrton levaria o carro. Após vencer em Monza, Ron prometeu o carro, mas eles continuaram fazendo mais provas pelo resto da temporada. E no final do campeonato, pelo que eu soube, a Honda forneceu um motor totalmente novo antes que ele fosse enviado ao Ayrton”.

Ele e outros três integrantes da McLaren vieram ao GP do Brasil de 2019 com o objetivo de colocar o carro de 1988 (McLaren MP4/4) para uma exibição em Interlagos com Bruno Senna. Na segunda-feira após a corrida, eles receberam convite da família Senna para fazer uma análise do modelo McLaren MP4/5B, que fica na sede do Instituto Ayrton Senna, em São Paulo.

“O Ayrton gostava daquele chassi, que era o de número 6. Ele já havia vencido com ele na Alemanha, Canadá e Bélgica, então ele tinha o desejo de ficar com aquele carro. Vejo que ele conseguiu. Ele tinha uma visão clara do que queria e onde queria chegar. Ele tinha uma tremenda personalidade, carisma, muita energia e tinha uma aura que o distinguia dos outros pilotos”, disse Ramirez.

Sobrinha de Ayrton Senna e CEO de Senna Brands, Bianca Senna agradeceu as informações que foram passadas pela equipe McLaren à família. “É sempre incrível ver a reação das pessoas ao ver este McLaren de perto. A gente conhecia a história do carro, da vitória em Monza, da aposta, mas as revelações foram ainda mais impressionantes. É como todos disseram: é realmente uma peça de valor inestimável para todos nós, uma obra de arte”, disse Bianca. Para ver o vídeo com a história completa, clique aqui.

Primeira reunião de Ayrton Senna na Europa fez chefe de equipe dizer: "Quem ele pensa que é?"

PODCAST: Senna é o maior esportista brasileiro após a era Pelé?

 

F1: Pérez anuncia saída da Racing Point após temporada 2020 e deixa caminho livre para Vettel

Artigo anterior

F1: Pérez anuncia saída da Racing Point após temporada 2020 e deixa caminho livre para Vettel

Próximo artigo

F1: Chefe da Ferrari volta a negar 'crise' apesar de abandono duplo em Monza

F1: Chefe da Ferrari volta a negar 'crise' apesar de abandono duplo em Monza
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1