Fórmula 1
R
GP da Austrália
12 mar
-
15 mar
Próximo evento em
45 dias
19 mar
-
22 mar
Próximo evento em
52 dias
02 abr
-
05 abr
Próximo evento em
66 dias
16 abr
-
19 abr
Próximo evento em
80 dias
30 abr
-
03 mai
Próximo evento em
94 dias
07 mai
-
10 mai
Próximo evento em
101 dias
21 mai
-
24 mai
Próximo evento em
115 dias
R
GP do Azerbaijão
04 jun
-
07 jun
Próximo evento em
129 dias
11 jun
-
14 jun
Próximo evento em
136 dias
25 jun
-
28 jun
Próximo evento em
150 dias
R
GP da Áustria
02 jul
-
05 jul
Próximo evento em
157 dias
R
GP da Grã-Bretanha
16 jul
-
19 jul
Próximo evento em
171 dias
30 jul
-
02 ago
Próximo evento em
185 dias
R
GP da Bélgica
27 ago
-
30 ago
Próximo evento em
213 dias
03 set
-
06 set
Próximo evento em
220 dias
R
GP de Singapura
17 set
-
20 set
Próximo evento em
234 dias
24 set
-
27 set
Próximo evento em
241 dias
08 out
-
11 out
Próximo evento em
255 dias
R
GP dos Estados Unidos
22 out
-
25 out
Próximo evento em
269 dias
29 out
-
01 nov
Próximo evento em
276 dias
12 nov
-
15 nov
Próximo evento em
290 dias
R
GP de Abu Dhabi
26 nov
-
29 nov
Próximo evento em
304 dias

Autor de livro diz que Senna foi maior que Schumacher e mais explosivo que Alonso

compartilhar
comentários
Autor de livro diz que Senna foi maior que Schumacher e mais explosivo que Alonso
24 de abr de 2019 15:03

"Se tivesse competido com todos, teria sido melhor que eles. Chegou ao seu limite pessoal e ainda o superou", disse o jornalista

O dia 1º de maio de 2019 marca 25 anos da morte de Ayrton Senna, ídolo brasileiro e tricampeão mundial de Fórmula 1. Falecido em 1994 após trágico acidente no GP de San Marino, em Imola, a mística por trás do piloto ainda desperta interesse de fãs e jornalistas por todo mundo. A mais recente manifestação de seu legado surge em 'Senna: Histórias desconhecidas 25 anos mais tarde", feito pelos jornalistas José María Rubio, espanhol, e Lemyr Martins, brasileiro.

Em entrevista ao El Confidencial, da Espanha, Rubio, que há décadas cobre a categoria máxima do automobilismo mundial, comparou Senna com outros grandes nomes da F1. Em especial Michael Schumacher, maior campeão com sete títulos, e Fernando Alonso, bicampeão que recentemente se retirou do campeonato, mas ainda é tido por muitos como o melhor piloto do mundo na atualidade.

Leia também:


"Senna? Coloco-o como número 1 pelo conjunto de sua personalidade. Por títulos, Schumacher tem sete, Vettel quatro, mas a Alemanha não tem nenhum carisma. Fernando tem dois campeonatos e muitos fãs na Espanha, mas mesmo com seu valor midiático e seus seguidores, não marcou época como Ayrton. Senna tinha milhões de seguidores fieis por trás dele. Para mim, não houve outro igual. Não é o que tem mais títulos, mas é o número 1", disse Rubio.

"Ele tinha um plus. Quando todos alcançavam o mesmo tempo, ele dava um passo a mais que os outros. Ele constantemente excedeu seus próprios limites. Se tivesse competido com todos, teria sido melhor que eles. Chegou ao seu limite pessoal e ainda o superou".

Segundo o jornalista, que participará de seu 610º GP da F1 na próxima etapa, em Baku, Senna era ainda "mais explosivo" que Alonso, cuja complicada personalidade é apontada como a razão para seus insucessos recentes. "Fernando nunca teve um carro como a McLaren de 1988 (foto abaixo). O caráter esportivo de Alonso foi mais de espreitar. Atacar, mas também se defender como em Imola com Schumacher. Ele teve que ser mais astuto", ponderou.

Ayrton Senna, McLaren MP4/4

Ayrton Senna, McLaren MP4/4

Photo by: Sutton Images

"Ayrton era explosivo. Ele tinha o melhor carro, mas não ficava satisfeito em tirar dois décimos. Ele tinha que tirar dois segundos do seu companheiro de equipe, que era Alain Prost. Há pouco a comparar (entre Alonso e Senna) porque um foi mais astuto, mais raposo e com uma visão global que os outros não tiveram".

"Com Senna era volta a volta: a próxima tinha que ser melhor que a anterior, absolutamente sempre assim. Era também outra era de pistas, pneus, consumo, não havia parâmetros como agora. Mas quando ele precisava de um tempo em treino classificatório e tinha apenas uma volta, boom, ele conseguia em apenas em uma volta", lembrou.

A poucos dias do aniversário de morte do brasileiro, o jornalista comenta a percepção que os pilotos atuais têm de Senna: "Todos gostariam de ser como ele. Quando você tem um ídolo, é porque você quer ser como ele. Hamilton ganhou cinco campeonatos, mas ele gostaria de ser o personagem de Senna. É por isso que não há ninguém como ele. 

Questionado sobre o grau de relevância que Senna teria se não tivesse morrido, Rubio respondeu: "O mito seria o mesmo sem morrer. As pessoas o seguiriam fielmente e ele teria o mesmo carisma aos 59 anos de idade. No paddock, seria como uma procissão atrás dele. O mito é feito quando se morre, mas acho que ele teria permanecido o mesmo, independentemente dos três ou sete títulos que ele teria vencido".

Lewis Hamilton homenageia Ayrton Senna levantando capacete do brasileiro

Lewis Hamilton homenageia Ayrton Senna levantando capacete do brasileiro

Photo by: Sutton Images

Próximo artigo
Problemas de Giovinazzi são culpa da equipe, diz chefe

Artigo anterior

Problemas de Giovinazzi são culpa da equipe, diz chefe

Próximo artigo

Alonso segurava Schumacher em grande duelo em Imola há 14 anos

Alonso segurava Schumacher em grande duelo em Imola há 14 anos
Carregar comentários