Fórmula 1
06 mai
Próximo evento em
64 dias
20 mai
Próximo evento em
78 dias
R
GP do Azerbaijão
03 jun
Próximo evento em
92 dias
10 jun
Próximo evento em
99 dias
24 jun
Próximo evento em
113 dias
R
GP da Áustria
01 jul
Próximo evento em
120 dias
R
GP da Grã-Bretanha
15 jul
Próximo evento em
134 dias
29 jul
Próximo evento em
148 dias
R
GP da Bélgica
26 ago
Próximo evento em
176 dias
02 set
Próximo evento em
183 dias
09 set
Próximo evento em
190 dias
23 set
Próximo evento em
204 dias
R
GP de Singapura
30 set
Próximo evento em
211 dias
07 out
Próximo evento em
218 dias
21 out
Próximo evento em
232 dias
28 out
Próximo evento em
239 dias
R
GP da Arábia Saudita
03 dez
Próximo evento em
275 dias
R
GP de Abu Dhabi
12 dez
Próximo evento em
284 dias

Carey: Alteração nas condições em empréstimo de R$15 bi deve ajudar F1 a navegar por crise

Com a alteração feita pela Liberty Media, a F1 terá um respiro financeiro até o final de 2021

compartilhar
comentários
Carey: Alteração nas condições em empréstimo de R$15 bi deve ajudar F1 a navegar por crise

A pandemia da Covid-19 causou dificuldades financeiras em todas as áreas, incluindo o esporte. A Fórmula 1, apesar de ter dinheiro para sobreviver em um primeiro momento, temia pelo futuro devido à falta de duas de suas fontes: as taxas pagas pelas organizações dos GPs e a compra de direitos de transmissão. Mas a F1 recebeu uma boa ajuda da Liberty Media para passar por esse momento.

A empresa, que é a atual dona da categoria, deu à F1 um respiro financeiro que deve durar até o final de 2021. A Liberty alterou as condições necessárias para um empréstimo de 2,9 bilhões de dólares (cerca de R$15,9 bilhões). Segundo o CEO da F1, Chase Carey, a mudança ajudará a empresa a superar a crise da Covid.

Leia também:

O empréstimo e uma linha de crédito de 500 milhões de dólares (R$2,7 bilhões) que a F1 possui são regidos por um pacto no qual os credores especificam a alavancagem possível, ou a proporção da dívida total em relação ao lucro, na qual a F1 é obrigada a operar.

Normalmente, esse número não seria um problema, pois os lucros anuais da F1 sempre foram suficientes para manter essa proporção bem abaixo do limite exigido. No entanto, com os lucros de 2020 gravemente atingidos pela crise e a precipitação possivelmente se estendendo até 2021, a F1 corria o risco de violar este pacto.

A Liberty abordou esse risco de violação negociando uma emenda, que especifica que "sujeito ao cumprimento pela F1 de certas condições adicionais, o covenant financeiro de alavancagem líquida não será aplicável até 01 de janeiro de 2022".

Em outras palavras, as condições originais da aliança foram suspensas até o final de 2021, ajudando a F1 a passar por dois anos potencialmente difíceis.

Carey disse que a mudança será um grande impulso para a categoria: "Essa nova flexibilidade em nossas cláusulas restritivas, juntamente com um forte balanço e ampla liquidez, nos permitirá enfrentar esse momento difícil", observou.

Raio-X de Hamilton: veja a metamorfose e as histórias inéditas do maior piloto da F1 na atualidade

PODCAST: F1 pronta para volta! Sérgio Sette Câmara explica como será protocolo detalhado

 

Ecclestone se defende de críticas após fala polêmica sobre racismo: "Não tenho culpa se sou branco"

Artigo anterior

Ecclestone se defende de críticas após fala polêmica sobre racismo: "Não tenho culpa se sou branco"

Próximo artigo

Irmãos Fittipaldi detalham volta à ativa no 'novo normal' de F1 e F3

Irmãos Fittipaldi detalham volta à ativa no 'novo normal' de F1 e F3
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Adam Cooper