Ex-novatas começam segundo ano ainda na rabeira

compartilhar
comentários
Ex-novatas começam segundo ano ainda na rabeira
Por:

Lotus e Virgin conseguiram completar a prova com um carro cada entre os classificados, mas ainda estão bem atrás das rivais

Kovalainen abandonou com um vazamento de água no radiador

A segunda temporada dos times que estrearam em 2010 começou com a promessa de que ao menos a Lotus estaria mais próxima dos rivais. Apesar do rendimento ser melhor que no início do ano de estreia, tanto o time de Jarno Trulli e Heikki Kovalainen quanto a Virgin de Timo Glock e Jerome d’Ambrosio têm muito trabalho pela frente.

Para se ter uma ideia, a volta mais rápida de Trulli ficou a 3s6 de Massa, dono da melhor marca do dia, enquanto d’Ambrosio foi 5s5 mais lento.

O italiano e o belga foram os dois últimos colocados da prova, em 15º e 16º, respectivamente – Glock também cruzou a linha de chegada, mas, como estava nove voltas atrás, arrastando-se com problemas mecânicos, não foi classificado. Já Kovalainen abandonou com um vazamento de água no radiador.

Foi o quadro de um final de semana recheado de problemas para a Lotus. “Nossa velocidade na corrida foi muito mais representativa do ritmo que tivemos nos testes, então nosso objetivo para a Malásia é ter certeza de que manteremos o mesmo nível por todo o final de semana”, frisou o diretor técnico Mike Gascoyne, por meio da assessoria de imprensa da equipe.

Trulli também destacou que, apesar dos problemas enfrentados na Austrália, foi bom completar a prova. O mesmo não pôde ser dito de Kovalainen, que abandonou após 19 voltas.

“Até o abandono estava feliz com minha performance. Estava conseguindo acompanhar Alguersuari e Perez. Acho que foi um final de semana mais difícil do que esperávamos, mas agora temos tempo para analisar os dados, descobrir por que o ritmo não era tão bom quanto o esperado e trabalhar na confiabilidade antes de chegar na Malásia.”

O estreante da Virgin, d’Ambrosio, ficou feliz em completar a prova. “Me senti confortável com o carro, ainda que pudesse ter sido um pouco mais rápido no final da corrida”.

Seu companheiro, Timo Glock, sofreu por grande parte da prova as consequências de um pitstop desastrado: a roda ficou solta e o alemão teve que parar novamente. No processo, acabou danificando o carro. “Foi um pouco frustrante, mas ao menos demonstramos boa confiabilidade.”

Oitavo, Buemi comemora melhora da Toro Rosso

Artigo anterior

Oitavo, Buemi comemora melhora da Toro Rosso

Próximo artigo

Quantidade de pit stops similar à era do reabastecimento

Quantidade de pit stops similar à era do reabastecimento
Carregar comentários