F1: Alonso ficou "triste" com saída da Honda, apesar de anos de tensão com McLaren

Bicampeão revelou que, mesmo após anos complicados na McLaren, ainda tem um bom relacionamento com o chefe de operações da Honda, Masashi Yamamoto

F1: Alonso ficou "triste" com saída da Honda, apesar de anos de tensão com McLaren

Fernando Alonso diz que é "triste" ver a saída da Honda da Fórmula 1 logo após conquistar o título de pilotos com Max Verstappen e a Red Bull. Mesmo que tenha vivido momentos tensos com a montadora em seus anos de McLaren, o bicampeão reconhece o papel da marca na categoria, além de revelar que ainda tem bom relacionamento com nomes importantes da Honda.

A montadora anunciou em outubro de 2020 que deixaria a F1 após a temporada 2021, com a Red Bull assumindo a propriedade intelectual para produzir seus próprios motores através da Red Bull Powertrains, passando a fornecer unidades de potência para si própria e a AlphaTauri.

Leia também:

Enquanto a Honda irá ajudar a Red Bull neste primeiro ano, o diretor de operações da marca na F1, Masashi Yamamoto, disse anteriormente que o desenvolvimento será "totalmente controlado pela Red Bull de acordo com o pedido da própria".

A Honda iniciou a passagem mais recente na F1, a quarta em sua história, com uma parceria complicada com a McLaren que durou três anos, sendo encerrada no final de 2017 devido à uma falta de resultados e um relacionamento cada vez mais complicado.

Nos primeiros anos, a Honda sofreu particularmente com o desenvolvimento do MGU-H e como casar o conceito de motor com as necessidades específicas de design da McLaren, enquanto a comunicação entre as partes também provou ser uma barreira.

Em 2018, a McLaren passou a usar motores Renault, trocando para os Mercedes no ano passado, enquanto a Honda forneceu inicialmente motores para a Toro Rosso antes de fechar com a Red Bull para 2019.

O bicampeão Alonso, que correu pela McLaren nos três anos de Honda, fez pouco para colaborar com o relacionamento, notoriamente chamando a unidade de potência de "motor de GP2" durante o GP do Japão de 2015, na casa da montadora.

Fernando Alonso, Alpine F1

Fernando Alonso, Alpine F1

Photo by: Jerry Andre / Motorsport Images

Mas agora que a Honda deixará o esporte, Alonso diz que está feliz em ver a montadora vencendo, e que está triste em vê-la de saída do esporte.

"Obviamente, quando eles deixaram a McLaren, acho que não estavam em ponto de sonhar com um título de F1. Mas eles fizeram um ótimo trabalho, trouxeram as pessoas certas", disse Alonso ao Motorsport.com.

"Acho que eles mudaram o gerenciamento, introduziram uma nova filosofia e fizeram o trabalho, por isso estou feliz por eles. E estou triste por vê-los saindo agora. Mas, com sorte, eles voltarão".

Alonso disse que apesar da tensão causada pelos anos da parceria McLaren - Honda, agora ele tem um bom relacionamento com Yamamoto e disse que imediatamente após o título de Max Verstappen em Abu Dhabi ele foi conversar com o chefe da Honda.

"Estive falando com Yamamoto nesses três, quatro últimos GPs, porque tenho um bom relacionamento com ele. Ele foi o cara que me permitiu testar a moto da MotoGP e ainda nos damos bem. Ele foi o primeiro cara que parabenizei após a conquista de Max, então estou feliz por eles".

DEBATE: Você DEMITIRIA MICHAEL MASI da direção de provas da F1?

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #157: Editor da Band, Fred Sabino fala de sucesso da F1 e dá destaques de 2021

Ouça agora mesmo

 

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
Ex-chefão da F1 diz que faltam pilotos como Raikkonen nos dias atuais: "São muito robóticos"
Artigo anterior

Ex-chefão da F1 diz que faltam pilotos como Raikkonen nos dias atuais: "São muito robóticos"

Próximo artigo

Jornal alemão garante Porsche e Audi na F1 em 2026 - também com equipes próprias

Jornal alemão garante Porsche e Audi na F1 em 2026 - também com equipes próprias
Carregar comentários