Coronavírus iguala tragédia e supera guerra como fator que mais impactou uma temporada de F1

compartilhar
comentários
Coronavírus iguala tragédia e supera guerra como fator que mais impactou uma temporada de F1

Muitos motivos já levaram ao cancelamento de provas, mas pandemia e acidente são únicos a afetarem quatro corridas em um mesmo ano

A pandemia do coronavírus forçou o cancelamento das quatro primeiras etapas da temporada 2020 da Fórmula 1, fazendo com que o Covid-19 tenha igualado a tragédia de Le Mans de 1955 como razão para o maior número de corridas canceladas em uma mesma temporada.

O primeiro cancelamento de uma prova da F1 data de 1952, quando o GP da Espanha deixou de acontecer por motivos financeiros. A falta de dinheiro é inclusive a principal causa para a não realização de provas ao longo da história, totalizando um total de 14 cancelamentos.

Leia também:

No entanto, poucas vezes a F1 sofreu tanto em uma única temporada. Em 1983, por exemplo, foram três provas canceladas, mas por motivos menos dramáticos: falta de cobertura televisiva, problemas financeiros e atrasos de organização.

Já em 1959, uma guerra entre Egito e Israel (conhecida como o Conflito de Suez) provocou a elevação nos preços de combustíveis e outros bens, levando Espanha, Holanda e Bélgica a cancelarem suas corridas.

O coronavírus, por sua vez, conseguiu superar a guerra de igualar o triste recorde de quatro provas canceladas, marca estabelecida em 1955 por conta do acidente que vitimou 83 pessoas e mais o piloto Pierre Bouillin, em Le Mans. 

GALERIA: Relembre provas adiadas ou canceladas da Fórmula 1 

Galeria
Lista

1952 - No ano do primeiro título de Ascari, o primeiro cancelamento

1952 - No ano do primeiro título de Ascari, o primeiro cancelamento
1/13

Foto de: LAT Images

O primeiro cancelamento de um GP no mundial de Fórmula 1 aconteceu no seu terceiro ano, em 1952. O GP da Espanha deveria ser a nona e última etapa do campeonato, no circuito de Pedralbes, mas acabou cancelado por questões financeiras. A situação se repetiu novamente em 1953, até que a etapa conseguiu integrar o calendário em 1954

1955 - Os impactos do acidente nas 24 Horas de Le Mans

1955 - Os impactos do acidente nas 24 Horas de Le Mans
2/13

Foto de: LAT Images

Em 1955, um desastre marcou a história do automobilismo mundial. Nas 24 Horas de Le Mans, uma batida envolvendo o piloto da Mercedes Pierre Levegh matou 83 espectadores e feriu outros 180. A repercussão do acidente foi tamanha que afetou o calendário da F1, com as etapas da França, Alemanha, Suíça e Espanha canceladas. Na Suíça, as consequências foram ainda maiores, com o esporte a motor sendo banido do país pelas autoridades, algo que foi revertido apenas em 2018, com uma etapa da Fórmula E em Zurique

1956 e 1957 - As consequências da Guerra de Suez

1956 e 1957 - As consequências da Guerra de Suez
3/13

Foto de: LAT Images

Em 1956, o mundo acompanhou o conflito armado que ficou conhecido como "Guerra de Suez", entre Israel e Egito. Com isso, o preço dos combustíveis subiu muito e as etapas da Espanha e da Holanda se tornaram inviáveis para as equipes, sendo canceladas. No ano seguinte, o conflito continuou afetando o calendário da Fórmula 1 e outras três provas tiveram que ser canceladas: além da Espanha e Holanda novamente, a etapa da Bélgica precisou ser removida da temporada pelo mesmo problema

1960 - Pela segurança dos pilotos

1960 - Pela segurança dos pilotos
4/13

Foto de: LAT Images

Naquele ano, a etapa da Alemanha seria realizada no circuito de rua de AVUS, em Berlim. Mas devido às reclamações dos pilotos sobre os perigos da pista, especialmente as curvas, que chegavam a ter uma inclinação de 40 graus, a prova foi cancelada.

1969 - Cancelamento por boicote

1969 - Cancelamento por boicote
5/13

Foto de: LAT Images

Em 1969, o GP da Bélgica foi cancelado devido ao boicote de parte dos pilotos, que exigiam mudanças para deixar a pista mais segura. O boicote veio após uma inspeção do circuito por Jackie Stewart, que, naquela época, era o piloto mais envolvido do grid no debate sobre segurança. Como os donos do circuito de Spa não cederam aos pedidos dos pilotos, a prova acabou cancelada. A etapa belga passou pela mesma situação dois anos depois, em 1971, e, depois disso, ficou de fora do calendário da Fórmula 1 até 1983, quando a pista foi reformada e encurtada.

1972 - Cancelamentos na América do Norte

1972 - Cancelamentos na América do Norte
6/13

Foto de: LAT Images

Em 1972, a F1 já tentava realizar duas etapas nos Estados Unidos, assim como a Liberty tenta atualmente. Mas o projeto do GP do Oeste dos Estados Unidos, na Califórnia, não foi concretizado. Outro GP cancelado naquele ano foi o do México. Após a morte de Pedro Rodríguez, piloto que era ídolo nacional, no ano anterior, o interesse dos mexicanos pela prova caiu consideravelmente e a etapa foi cancelada.

1981 - Efeitos da Guerra FISA-FOCA

1981 - Efeitos da Guerra FISA-FOCA
7/13

Foto de: LAT Images

No final dos anos 70 e início dos anos 80, a Fórmula 1 se viu dividida em uma disputa entre a Federação Internacional do Esporte Automobilístico (FISA) e a Associação de Construtores da Fórmula 1 (FOCA), que levou a uma situação curiosa. No GP da África do Sul de 1981, vários pilotos boicotaram a prova devido ao embate entre as instituições. O medo de que isso se repetisse na Argentina afugentou os patrocinadores, levando ao cancelamento da prova.

1983 - No ano do bi de Piquet, uma tentativa de realizar um GP em Nova York

1983 - No ano do bi de Piquet, uma tentativa de realizar um GP em Nova York
8/13

Foto de: Sutton Motorsport Images

Na temporada de 1983, a Fórmula 1 tentou organizar uma etapa em Nova York, em um circuito de rua que seria montado no bairro do Queens, mas o projeto não conseguiu ser concretizado pela categoria, nem nos dois anos seguintes. Se tivesse sido realizada, a prova em Nova York seria a terceira em território americano no mesmo ano, junto com Long Beach e Detroit

1985 - Adiamento na Bélgica

1985 - Adiamento na Bélgica
9/13

Foto de: Sutton Motorsport Images

Na temporada de 1985, o GP da Bélgica seria realizado originalmente em 02 de junho, mas após problemas com o novo asfalto do circuito, a prova precisou ser adiada, acontecendo três meses mais tarde, em 15 de setembro.

1987 - Canadá cancelado por ter muitos patrocinadores em potencial

1987 - Canadá cancelado por ter muitos patrocinadores em potencial
10/13

Foto de: Tom Haapanen

Uma das histórias mais curiosas de cancelamentos de etapas da Fórmula 1 vem do GP do Canadá de 1987. Naquele ano, a etapa foi cancelada porque os organizadores não conseguiram resolver um problema inusitado: duas cervejarias locais, Labatt e Molson, queriam ser as patrocinadoras master do evento, mas não foi possível chegar a um acordo e a prova foi cancelada.

1995 - Efeitos do terremoto na cidade de Kobe

1995 - Efeitos do terremoto na cidade de Kobe
11/13

Foto de: Sutton Motorsport Images

A etapa do Pacífico, que seria realizada no circuito de Okayama, em 16 de abril, precisou ser remarcada após o terremoto próximo à cidade de Kobe em janeiro, matando mais de 6 mil pessoas. A prova foi transferida para 22 de outubro

2003 - Cancelamento devido à guerra contra o tabagismo

2003 - Cancelamento devido à guerra contra o tabagismo
12/13

Foto de: Ferrari Media Center

O GP da Bélgica de 2003 foi cancelado devido à nova lei aprovada no país contra o tabagismo. Como muitas equipes do grid tinham patrocínio de marcas de cigarros, a etapa acabou sendo retirada do calendário. A situação foi resolvida e a F1 voltou a correr em Spa já no ano seguinte

2011 - O cancelamento mais recente

2011 - O cancelamento mais recente
13/13

Foto de: XPB Images

Em 2011, o GP do Bahrein estava marcado para ser a prova inaugural do campeonato, mas a etapa foi inicialmente adiada devido a protestos contra o governo do país. Foi sugerido uma mudança no calendário, para a corrida do Bahrein ser realizada em 30 de outubro com o GP da Índia fechando o ano em dezembro, mas as equipes recusaram e a prova no país do oriente médio acabou cancelada naquele ano
F1: Funcionário da McLaren não tem mais sintomas de coronavírus

Artigo anterior

F1: Funcionário da McLaren não tem mais sintomas de coronavírus

Próximo artigo

F1: Red Bull teria protestado contra a Mercedes na Austrália; entenda

F1: Red Bull teria protestado contra a Mercedes na Austrália; entenda
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1