F1: Ecclestone afirma que Schumacher "corria sozinho" e compara Hamilton com Senna e Piquet

Ex-chefão da F1 falou sobre os números de Hamilton e como ele quebra o estereótipo de piloto criado por campeões do passado

F1: Ecclestone afirma que Schumacher "corria sozinho" e compara Hamilton com Senna e Piquet
Carregar reprodutor de áudio

Neste fim de semana, Lewis Hamilton pode igualar o recorde de Michael Schumacher de 91 vitórias na Fórmula 1 caso vença o GP de Eifel, em Nurburgring. E, para o ex-chefão da categoria, Bernie Ecclestone, o hexacampeão tem uma vida mais fácil dentro do carro do que seu "concorrente" alemão.

Em 2020, o principal concorrente de Hamilton na categoria parece ser Schumacher, com a busca dos dois principais recordes que o alemão ainda possui. Além das vitórias, o britânico está a caminho de conquistar seu sétimo título mundial, o que o tornaria o segundo a obter tal distinção.

Leia também:

Ecclestone, que é o responsável pela construção da F1 como um negócio global e bilionário ao longo das últimas décadas do século XX, falou com a AFP sobre os dois pilotos, afirmando que Schumacher, que estreou na F1 em 1991, correu em uma era diferente.

"Schumacher corria mais ou menos sozinho quando estava em seu carro", disse o ex-chefão da F1 em uma entrevista feita por telefone. "Hamilton tem Deus e o mundo ajudando-o pelo rádio, falando sobre a pressão do pneu, velocidade nas curvas e mais".

"Na minha época, Alain Prost, um piloto que admiro imensamente, estava sozinho quando a corrida começava, e hoje não é mais assim".

Mas Ecclestone, que completa 90 anos em outubro, diz que não está tentando reduzir o tamanho das conquistas de Hamilton.

"Não estou falando mal de Hamilton. Não tem como dizer que ele não é bom. Esse não é o ponto. E sim o quão bom ele é comparado com outros. Ele é muito, muito talentoso, e fica entre os cinco melhores pilotos dos últimos 30 anos".

"Agora, se ele era melhor que Michael? Se Michael teria feito ainda mais com essa Mercedes na mão? Isso não tem como dizer".

Ecclestone ainda comparou Hamilton com outros dois campeões: os brasileiros Ayrton Senna e Nelson Piquet. Para o britânico, o hexacampeão foi moldado de forma diferente dos campeões de outras gerações que, segundo ele, eram mais identificáveis com o perfil de um piloto.

"Em geral, eu diria que ele não tem limites no que faz. O modo como ele se veste, se você não soubesse que Lewis era um piloto, não diria que ele é um, enquanto Nelson [Piquet] e Schumacher, você identificaria imediatamente. Eles se vestiam para o papel".

"A vida deles era apenas isso, correr, e a vida de Lewis não é a apenas as pistas, e vejo isso como um jeito mais fácil de explicar: um modo de vida diferente".

Para Ecclestone, o único piloto que ele consegue comparar Hamilton é Senna.

"Senna seria o mais parecido com Lewis dentro das gerações anteriores, devido às suas crenças religiosas, suponho, já que ele sempre se manteve firme sobre elas. Os outros, não consigo ver eles fazendo coisas do tipo".

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre F1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

Mercedes W11 (Temporada 2020)
Mercedes F1 W11 EQ Power+
Motor: Mercedes
Combustível: Petronas
Pneus: Pirelli

Pilotos:

44 - Lewis Hamilton

77 - Valtteri Bottas

Neblina cancela TLs, Ferrari se frustra e Merc dá não à RBR; veja isso e anúncio especial

PODCAST: A F1 perde força com a saída da Honda?

 

.

compartilhar
comentários
F1: Renault diz que acordo com Red Bull não impactará trabalho com Alpine
Artigo anterior

F1: Renault diz que acordo com Red Bull não impactará trabalho com Alpine

Próximo artigo

F1: Haas diz que Ilott não está na lista de pilotos considerados para 2021

F1: Haas diz que Ilott não está na lista de pilotos considerados para 2021