F1: Hamilton cobra “ações reais" contra racismo e que parem de dar plataforma às “vozes mais velhas”

Piloto falou pela primeira vez à imprensa após repercussão de entrevista de Nelson Piquet

F1: Hamilton cobra “ações reais" contra racismo e que parem de dar plataforma às “vozes mais velhas”
Carregar reprodutor de áudio

Lewis Hamilton pediu à comunidade da Fórmula 1 que tome “uma ação real” e pare de dar plataforma a “vozes mais velhas”, depois das declarações de Nelson Piquet.

Em entrevista realizada no ano passado, o tricampeão mundial usou um termo racista, resultando em condenação da comunidade da F1 e banimento do paddock.

Leia também:

Piquet pediu desculpas a Hamilton, mas negou que seu comentário tivesse qualquer intenção racial e contestou a maneira como foi traduzido.

Hamilton compareceu na coletiva de imprensa da FIA nesta quinta-feira antes do GP da Grã-Bretanha deste fim de semana, falando publicamente pela primeira vez sobre o assunto, e agradeceu o apoio que recebeu.

“Eu tenho sido alvo de racismo e críticas, além dessa negatividade e narrativas arcaicas por muito, muito tempo e tons de discriminação”, disse Hamilton. “Então não há nada realmente novo para mim.

“Eu realmente não sei por que continuamos a dar uma plataforma a essas vozes mais velhas. Porque eles estão falando sobre nosso esporte, e estamos procurando ir a algum lugar completamente diferente e não representa quem somos como esporte agora e para onde planejamos ir.

“Queremos crescer nos EUA e em outros países, na África do Sul, e precisamos olhar para o futuro e dar aos jovens uma plataforma que seja mais representativa.

“Não se trata apenas de um indivíduo, não se trata apenas do uso desse termo. É um quadro maior.”

Tanto a FIA quanto a F1 emitiram declarações condenando os comentários de Piquet, uma postura ecoada por várias equipes em uma demonstração de solidariedade a Hamilton.

Photographers and Lewis Hamilton, Mercedes-AMG

Photographers and Lewis Hamilton, Mercedes-AMG

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

Mas Hamilton disse que a “reação instintiva” de condenar o racismo “não foi suficiente”, acrescentando: “agora trata-se de ação real. Nós temos que realmente começar a atuar.

“Isso volta para a F1, para a mídia, não devemos dar a essas pessoas uma plataforma. Essas vozes antigas, sejam subconscientes ou conscientemente, não concordam que pessoas como eu deveriam estar em um esporte como esse, se as mulheres deveriam estar aqui.

“Discriminação não é algo que devemos projetar e promover, e dar uma plataforma para criar e dividir as pessoas.

“Nas últimas semanas, não acho que tenha havido um dia em que alguém do esporte, que não tenha sido relevante por décadas, tente dizer coisas negativas e começar a me derrubar.

“Mas ainda estou aqui e continuo firme.”

Desde a última corrida no Canadá, Hamilton também enfrentou críticas de Sir Jackie Stewart, que questionou se o piloto da Mercedes deveria continuar na categoria, e de Bernie Ecclestone.

Hamilton enfatizou a necessidade de responsabilidade de equipes e empresas na F1 para “tomar uma posição” e focar na inclusão no futuro, agindo por meio de esquemas para melhorar a diversidade dentro da categoria.

“Está tudo bem no grid, falando sobre inclusão”, disse Hamilton. “Mas serão apenas palavras vazias se não estivermos realmente agindo.

“Este é um negócio em crescimento. As equipes estão ganhando mais dinheiro do que nunca e continuarão a crescer com isso. Não tenho conhecimento de todos os outros fundos que foram investidos em D&I [diversidade e inclusão]. Aposto que não é tanto quanto já investimos e planejamos investir.

“Estive em ligações com todas as equipes de F1 que concordaram em fazer parte desta carta da F1 e ainda não assinaram, e ainda não está em andamento.

“Não podemos mais amplificar essas vozes que estão apenas criando essa divisão por aí.”

Primeiros resultados de iniciativa

A Ignite Partnership anunciou suas primeiras doações como parte do esforço de Hamilton para aumentar a diversidade e a inclusão no automobilismo.

A iniciativa foi lançada em julho passado pelo piloto e a Mercedes e é coordenada por sua fundação, a Mission 44.

Os primeiros destinatários são a Motorsport UK e a Royal Academy of Engineering, que receberão mais de £ 500.000 de um total inicial de £ 5 milhões de financiamento inicial.

Hamilton deixou claro que as primeiras doações são apenas o início de um programa de longo prazo.

"Estou muito orgulhoso de ver a Ignite anunciando nossas duas primeiras concessões hoje", disse ele. “Houve muito trabalho nos bastidores desde o lançamento e estou muito satisfeito que a Mercedes e eu possamos continuar demonstrando nosso compromisso em criar uma indústria mais diversificada dessa maneira.

"Escolhemos esses subsídios porque eles se concentram em apoiar indivíduos de dois grupos demográficos cruciais e sub-representados, movendo-nos em direção ao nosso objetivo de aumentar o número de mulheres e talentos negros no esporte.

"Os eventos desta semana nos mostraram por que continua a haver uma necessidade urgente de pressionar por uma melhor representação em nossa indústria.

“Mais do que nunca, devemos nos concentrar em como podemos usar a ação para mudar o automobilismo para melhor e este é um próximo passo empolgante”.

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #184 - Felipe Kieling, da Band, revela como foi substituir Mariana Becker na cobertura da F1

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

 

 

compartilhar
F1: Equipes ganham oportunidade extra para corrigir problemas de confiabilidade
Artigo anterior

F1: Equipes ganham oportunidade extra para corrigir problemas de confiabilidade

Próximo artigo

F1 - Verstappen se junta a Hamilton em polêmica com Piquet: "Essas palavras não podem ser usadas"

F1 - Verstappen se junta a Hamilton em polêmica com Piquet: "Essas palavras não podem ser usadas"