F1: Oito voltas ao mundo, quem rodou mais sem trocar e outras informações; os números impressionantes dos pneus em 2023

Confira os dados fornecidos pela Pirelli, fornecedora de pneus da F1, sobre a temporada deste ano

A team member of the Haas F1 Team hugs the tyres

A team member of the Haas F1 Team hugs the tyres

Andy Hone / Motorsport Images

Ao todo, os pneus Pirelli de Fórmula 1 rodaram quase oito vezes ao redor da circunferência da Terra ao longo dos 22 GPs que compuseram a temporada de 2023. Especificamente, 307.925,8 quilômetros foram percorridos em 60.473 voltas pelos 6.847 jogos de pneus que foram guiados durante pelo menos uma volta por pilotos das 10 equipes que disputaram o Mundial deste ano.

Leia também:

A esmagadora maioria dessa distância foi percorrida com pneus slick: apenas 6,31% desses quilômetros foram percorridos com o Intermediário ou Full Wet. O principal protagonista (sem surpresa, já que foi escolhido para todas as corridas) foi o C3: utilizado durante 105.499 quilômetros, o que representa mais de um terço da distância total percorrida (36,57%). O C4 foi o segundo composto mais utilizado, com 27,43% do total, seguido por C2 (15,41%) e C5 (13,55%). O composto menos utilizado foi o C1, com 5,73% da distância total.

Os 3.800 quilômetros percorridos durante os finais de semana de GPs com pneus protótipos também precisam ser somados ao total: em Barcelona, Suzuka e Cidade do México.

A perna mais longa do ano foi completada por Oscar Piastri, da McLaren, no GP da Arábia Saudita. Apenas em sua segunda participação numa corrida de F1, o australiano foi forçado a parar no final da primeira volta para trocar a asa dianteira danificada após contato com Pierre Gasly. Ao mesmo tempo, ele colocou um jogo de pneus C2 que guiou até a bandeirada: uma distância total de 302,5 quilômetros.

Com isso, Piastri foi dois quilômetros além de Esteban Ocon, que usou um único jogo de pneus C3 por 300,5 quilômetros em Baku depois de largar com eles no pit lane, antes de fazer seu pit stop obrigatório na penúltima das 51 voltas programadas.

O circuito de rua do Azerbaijão também foi palco do trecho mais longo do ano com o composto mais macio: Valtteri Bottas completou toda a distância da corrida sprint na tarde de sábado (17 voltas, o equivalente a 102 quilômetros) com um jogo de pneus C5. Bottas também detém o recorde de maior distância no composto mais duro; precisamente 32 voltas (equivalentes a 188,4 quilômetros) em Silverstone. A passagem mais longa no C4 foi completada por outro piloto da Alfa Romeo: Guanyu Zhou, que o utilizou durante 212,7 quilômetros em Singapura.

Durante a temporada de 2023, houve três formatos diferentes de fim de semana com regras específicas relativas ao uso de pneus. Um total de 14 corridas adotaram o cronograma clássico de fim de semana de três sessões de treinos livres, classificação e corrida, enquanto também houve seis finais de semana de Sprint – com apenas um treino livre na sexta-feira, seguido pela classificação da corrida, Sprint Shootout e corrida de Sprint no sábado antes do GP de domingo. Por fim, o formato ATA (Alternative Tyre Allocation) foi testado em duas ocasiões, com o objetivo de procurar maneiras de gerir a utilização dos pneus de forma mais eficiente.

Cerca de mil conjuntos de slicks para as 22 provas nunca foram usados, enquanto outros 732 foram conduzidos apenas por uma a três voltas. Quanto aos pneus para piso molhado extremo, a Pirelli adotou uma metodologia “strip and fit” este ano; permitindo que pneus que foram montados, mas nunca utilizados, fossem transportados para outros eventos. Isso ajudará as equipes a melhorar a gestão dos pneus, visto que em 2023, por exemplo, 1.304 jogos de pneus intermédios e de chuva nunca completaram uma volta.

O GP da Holanda foi a corrida com mais trocas de pneus este ano (contando tanto os pits stops “de verdade” quanto as trocas de pneus sob bandeira vermelha). Como o tempo continuava a mudar, com chuva intermitente, foram realizadas 82 trocas de pneus no total, utilizando todos os tipos: os três compostos slick, intermediários e de chuva extrema foram vistos no asfalto em vários pontos.

Por outro lado, a corrida com menos trocas de pneus foi Miami, onde todos os 20 pilotos realizaram apenas o pit stop obrigatório de acordo com as regras. O número total de trocas de pneus durante o ano (considerando também as corridas sprint) foi de 871.

Austin provou ser a corrida mais quente do ano em termos de temperatura ambiente, com 34,7 graus centígrados no sábado durante a corrida Sprint e 32,8 graus durante o GP de domingo. Zandvoort foi o mais fresco, com temperatura média de 15,1 graus. Em termos de temperatura do asfalto, Hungaroring foi a corrida mais quente do ano com 53,6 graus, enquanto a mais fria foi Las Vegas com 18,5 graus.

DRUGOVICH e BORTOLETO na mesma equipe de F1? Brasileiros falam sobre 2024 e ALÉM na ASTON e MCLAREN

Podcast #261 - Show de Casagrande, ascensão de Massa e o futuro da Stock

 

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

 

Be part of Motorsport community

Join the conversation
Artigo anterior F1: Ferrari é a primeira a ligar motor de 2026 e vive clima otimista para 2024
Próximo artigo Conheça a Ferrari que gerou guerra interna na equipe, quebrava, mas revolucionou a F1

Top Comments

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Sign up for free

  • Get quick access to your favorite articles

  • Manage alerts on breaking news and favorite drivers

  • Make your voice heard with article commenting.

Motorsport prime

Discover premium content
Assinar

Edição

Brasil