Fórmula 1 GP de São Paulo

Os números por trás do retorno de Daniel Ricciardo à F1

Daniel Ricciardo pressionou Sergio Pérez no México com um desempenho impressionante pela AlphaTauri – mas será que ele conseguirá continuar em boa forma e reivindicar a vaga na Red Bull?

A scenic view of Interlagos

As chances de Daniel Ricciardo substituir Sergio Pérez na Red Bull no próximo ano aumentaram depois do GP do México no fim de semana passado – e as próximas três corridas podem ser cruciais para dois dos pilotos mais populares do paddock.

O impressionante quarto lugar de Ricciardo na classificação o colocou à frente de Pérez no grid mexicano com a AlphaTauri – o carro irmão supostamente de menor desempenho da Red Bull – e a batida e abandono de Pérez na primeira volta foram um contraste marcante com o sétimo lugar de Ricciardo.

Foi uma reviravolta surpreendente, melhorando significativamente o desempenho anterior da AlphaTauri nesta temporada, e aconteceu apenas duas corridas depois de Ricciardo retornar ao grid pela segunda vez nesta temporada, após sua batida nos treinos em Zandvoort.

No Brasil, Ricciardo tem mais duas chances de entregar e fará questão de continuar em boa forma já no Sprint. É um tiro no escuro, mas suas chances de pódio são de 250/1, um resultado entre os seis primeiros de 16/1 e pontos de 3/1 , enquanto as chances de pontos para ambos os AlphaTauris são de 22/1.

Retorno pouco inspirador

Ricciardo foi dispensado pela McLaren no ano passado, mas retornou depois de apenas 11 corridas na temporada. Resgatado da aposentadoria com um papel de reserva na Red Bull, seu desempenho nos testes no meio da temporada, juntamente com o fraco desempenho de Nyck de Vries na AlphaTauri, lhe valeram a aprovação.

No entanto, Ricciardo não teve um impacto imediato no seu regresso na Hungria – ele estabeleceu um tempo apenas 0s013 mais rápido que o companheiro de equipe Yuki Tsunoda na classificação e embora isso tenha sido suficiente para levá-lo ao Q2, ele foi eliminado na sessão seguinte e largou em 13º.

Na corrida, o australiano caiu para último depois de ser atingido por Zhou Guanyu e depois acertar Esteban Ocon 'pelas costas'. Ele se recuperou para terminar na mesma posição em que largou, enquanto Tsunoda subiu duas posições, de 17º para 15º.

Daniel Ricciardo, AlphaTauri AT04

Photo by: Red Bull Content Pool

Daniel Ricciardo, AlphaTauri AT04

Em sua segunda corrida de volta, em Spa, Ricciardo foi 'nocauteado' em um Q1 chuvoso, enquanto Tsunoda se classificou em 11º. Ricciardo foi 10º na sprint, mas na corrida principal Tsunoda terminou em 10º, enquanto seu companheiro de equipe sofreu danos no carro e só conseguiu terminar em 16º.

O segundo retorno

Ricciardo ficou afastado das pistas devido a uma batida no terceiro treino livre do GP da Holanda e só voltou nos EUA, cinco corridas depois. Ele chegou ao Q2, mas se classificou em 16º e ficou quase três décimos atrás de Tsunoda, que novamente se classificou em 11º.

Depois de terminar em 12º lugar na Sprint – duas posições à frente de Tsunoda – Ricciardo terminou em último na corrida principal, uma volta atrás dos líderes, enquanto Tsunoda subiu para o top 10, garantiu o oitavo lugar e estabeleceu a volta mais rápida.  Tudo estava se preparando para ser o fim de uma carreira.

Mas então algo aconteceu no México. Numa pista que sempre foi a favorita de Ricciardo, o australiano estabeleceu o oitavo e sexto tempos mais rápidos nas sessões de sexta-feira e foi nono no terceiro treino livre. Encorajador, mas não espetacular. Depois veio a classificação.

Ricciardo foi terceiro no Q1, pouco mais de um quarto de segundo atrás de Verstappen, depois perdeu um segundo de seu tempo no final do Q3 para terminar em quarto lugar geral, menos de dois décimos mais lento que o pole position Charles Leclerc e a um décimo da Red Bull de Verstappen.

O que tornou Ricciardo rápido?

Foi uma grande mudança de um fim de semana para o outro, mas na verdade levou muito tempo para ser feito. Enquanto Ricciardo curava a mão quebrada, AlphaTauri introduziu uma atualização aerodinâmica em Singapura, mas todo o seu potencial ainda não havia sido desbloqueado.

Indo para o México, a equipe só se classificou entre os dez primeiros em quatro eventos, tendo um oitavo lugar como melhor posição, e embora Ricciardo tenha descoberto uma maneira de extrair mais desempenho nos EUA, o formato de corrida Sprint não lhe deu tempo para desenvolver totalmente a oportunidade.

A chave para tudo isso foi mudar sua configuração para lhe dar mais confiança na entrada em curva, permitindo que tivesse mais velocidade em cada curva – e as três sessões de treinos livres no México deram a ele a flexibilidade e tempo para desenvolver esta novo abordagem.

Daniel Ricciardo, AlphaTauri AT04.

Photo by: Red Bull Content Pool

Daniel Ricciardo, AlphaTauri AT04.

Ele já havia mudado seu acerto antes da primeira sessão do fim de semana, tornando o carro mais estável nas curvas, com uma traseira mais solta que ainda era administrável. Ele então ajustou o acerto para se adequar ao seu estilo de pilotagem e à pista e ficou cada vez melhor.

Isso pode continuar?

O México é um circuito peculiar. Sua altitude elevada de 2.285 m pode alterar o desempenho aerodinâmico, o que pode torná-la imprevisível – e embora São Paulo seja a segunda pista mais alta do calendário, é muito mais baixa, com apenas 800 m, então os efeitos são bem menores.

Isso pode reduzir os benefícios relativos que a AlphaTauri teve sobre os outros carros no México, mas se Ricciardo realmente encontrou uma nova direção, isso deve, pelo menos, levá-lo mais longe na hierarquia, mesmo que não seja a alturas tão elevadas como as vistas no último fim de semana.

Ricciardo vive de boas vibrações e está entusiasmado com suas experiências na corrida do México. Ele estava lutando com as duas Mercedes em um AlphaTauri e deve ter adorado isso. Se ele conseguir aproveitar essa positividade, estará em alta – mas também poderá seguir o caminho oposto.

A Mercedes é a segunda favorita para o Brasil, no entanto, as chances de ambos os carros subirem ao pódio é de 9/2 e de ambos ficarem entre os seis primeiros estão em 4/7. As chances de uma AlphaTauri ser o primeiro carro a abandonar entretanto, são de 7/1.

O México exige uma boa gestão dos pneus e o Brasil também é difícil, com degradação média e altas temperaturas. A Pirelli levou pneus C3, C4 e C5 para o México, enquanto o Brasil será C2, C3 e C4, então Ricciardo precisará ajustar sua técnica para desbloquear o mesmo desempenho.

O ponto chave, porém, é que Ricciardo agora tem um carro consistente e bem equilibrado que lhe permite adaptá-lo ao seu estilo de pilotagem. Ele precisou de algumas corridas para que isso acontecesse, mas agora que encontrou o caminho, os seus resultados dependerão simplesmente da adequação da pista.

Daniel Ricciardo, AlphaTauri AT04

Photo by: Sam Bloxham / Motorsport Images

Daniel Ricciardo, AlphaTauri AT04

Enquanto isso, a má forma contínua de Pérez se reflete em suas chances de 20/1 para vencer a sprint – apesar de ele estar no carro mais rápido do grid. É de 9/4 para ambas as Red Bulls subirem ao pódio – e Pérez precisa fazer isso acontecer para defender seu lugar.

A oportunidade de Ricciardo de reivindicar a Red Bull está se abrindo e, embora ele possa não alcançar as alturas do México novamente, se ele puder levar a AlphaTauri a lugares onde não esteve até agora neste ano, ele poderá deixar a Red Bull com uma dor de cabeça nas férias.

Acompanhe a ação

Para acompanhar a ação, onde quer que você esteja, o F1 Live Tracker da bet365 é um bom lugar para ir – cobrindo todas as informações que você possa precisar, desde todas as sessões de treinos, passando pela classificação, sprints e a corrida em si.

Ele permite que os usuários acompanhem a posição de cada piloto desde o grid de largada até o final, ao vivo durante toda a corrida, com informações atuais da tabela de classificação, a última volta mais rápida, os tempos atuais da volta, o número de pitstops por piloto, as configurações atuais dos pneus e as diferenças dos pilotos.

Para facilitar a atualização, uma linha do tempo detalha todas as atualizações importantes da corrida – incluindo todas as principais ultrapassagens e incidentes – e também permite que dois pilotos sejam comparados frente a frente na corrida, destacando-os no rastreador.

Além disso, todas as atualizações do safety car, bandeiras vermelhas e amarelas são cobertas, enquanto as informações da pista, como temperaturas, umidade e possibilidade de chuva, permitem acompanhar possíveis mudanças e desafios e prever com mais facilidade o que pode acontecer.

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1 AO VIVO: Acompanhe a classificação para a corrida sprint do GP de São Paulo em Interlagos em Tempo Real
Próximo artigo F1: Norris bate Verstappen pela pole da corrida sprint de Interlagos

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil