Pirelli diz que reduzir downforce não é solução para aumentar segurança na F1

compartilhar
comentários
Pirelli diz que reduzir downforce não é solução para aumentar segurança na F1
Por:

Mario Isola afirma que não "discorda" na medida adotada pela FIA, mas que efeito maior será no desempenho

O chefe da Pirelli na Fórmula 1, Mario Isola, diz que o plano da FIA de reduzir os níveis de pressão aerodinâmica dos carros em 2021 para ajudar a empresa de pneus é mais por uma questão de desempenho do que de segurança.

Leia também:

A Pirelli é obrigada a fornecer os mesmos pneus que foram usados ​​em 2019 para as temporadas de 2020 e 2021. Com o desenvolvimento dos carros, a pressão aerodinâmica (downforce) e, portanto, os níveis de carga acabam, inevitavelmente, aumentando.

Para controlar esses níveis, foi acordado no início deste ano que para controlar o downforce, o regulamento dos assoalhos foi revisado ​​para a próxima temporada.

No entanto, após os problemas de estouros de pneus em Silverstone, a FIA prometeu uma redução adicional no downforce para 2021, com ajustes em algumas áreas. Os detalhes serão discutidos pelos diretores técnicos das equipe em uma reunião do grupo de trabalho técnico da FIA na próxima sexta-feira.

Isola acolheu as mudanças prometidas, mas enfatizou que o a redução na pressão aerodinâmica não deve ser considerada uma medida de segurança, já que a Pirelli sempre pode aumentar as pressões internas dos pneus para compensar as altas cargas de downforce. O problema é que pressões mais altas criam outros problemas que impactam a corrida, como foi visto na segunda corrida em Silverstone.

“A FIA decidiu fazer isso”, disse Isola sobre a mudança. “E não posso dizer que discorde. Mas não quero que a mensagem seja que é por razões de segurança, porque podemos usar o pressão para compensar o nível de pressão".

“Obviamente, se considerarmos que de agora até o final de 2021 a capacidade das equipes em desenvolver os carros é enorme. Podemos terminar no final de 2021 com um nível de carga realmente muito alto. E, portanto, somos obrigados a aumentar a pressão a ponto de termos novamente degradação, superaquecimento ou bolhas em um nível que não queremos, então é a coisa certa a fazer no próximo ano”.

Pneu furado de Lewis Hamilton no GP da Grã-Bretanha

Pneu furado de Lewis Hamilton no GP da Grã-Bretanha

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

Isola destacou que as pressões mais elevadas impostas para o GP do 70º Aniversário em Silverstone ajudaram a garantir que as falhas dos pneus não se repetissem.

“Para mim não é uma questão de segurança. Se aumentarmos a pressão, podemos compensar o nível de carga, o nível de estresse que você coloca nos pneus. Fizemos isso para Silverstone na segunda corrida. Ok, é difícil comparar, porque na segunda corrida não tivemos pilotos usando os mesmos pneus por 37-38 voltas".

“Mas de acordo com a análise que fizemos nos pneus após a segunda corrida em Silverstone, tudo funcionou bem. Portanto, a pressão obviamente está desempenhando um papel importante nesta equação. E com a pressão a gente consegue suportar a construção. Você tem forças verticais e laterais que agem nos pneus, e podemos estabelecer uma pressão mínima que é diferente para cada circuito e é calculada de acordo com o nível de energia que está indo para os pneus”.

Embora não tenha havido falhas na segunda corrida de Silverstone, as pressões mais altas e a alta temperatura da pista criaram problemas que afetaram as equipes, particularmente a Mercedes.

Isola acrescentou: “Também está claro que aumentar a pressão significa que você tem efeitos colaterais como, por exemplo, degradação ou superaquecimento, porque o composto é mais estressado e, portanto, você tem esses efeitos colaterais, em alguns casos pode ser também bolhas".

“Os pilotos não querem isso, e nós também não queremos. Então se a ideia é limitar o downforce passo a passo no sentido de reduzir o downforce para o ano que vem, eles estão ajudando a situação, estão ajudando os pneus, porque podemos usar uma pressão menor".

“E considerando que estamos usando o mesmo produto desde o ano passado e que esse produto tem que ser usado neste e no próximo ano, isso está claramente ajudando no comportamento dos pneus, reduzindo o superaquecimento, diminuindo a degradação e dando a possibilidade dos pilotos acelerarem um pouco mais. ”

A Pirelli ainda espera poder modificar a construção dos pneus atuais para 2021 e está planejando realizar testes de protótipo nas sessões de TL2 no final da temporada.

VÍDEO: Veja a verdade sobre o início da treta de Nelson Piquet e imprensa

PODCAST: O que resta para Massa no automobilismo após sair se sua equipe na F-E?

 

Verstappen: nove corridas em 11 semanas é o "limite" para a F1

Artigo anterior

Verstappen: nove corridas em 11 semanas é o "limite" para a F1

Próximo artigo

Vandoorne se diz "pronto" para ser de reserva de três equipes na F1

Vandoorne se diz "pronto" para ser de reserva de três equipes na F1
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Adam Cooper