Fórmula 1
25 mar
Próximo evento em
59 dias
06 mai
Próximo evento em
101 dias
20 mai
Próximo evento em
115 dias
R
GP do Azerbaijão
03 jun
Próximo evento em
129 dias
10 jun
Próximo evento em
136 dias
24 jun
Próximo evento em
150 dias
R
GP da Áustria
01 jul
Próximo evento em
157 dias
R
GP da Grã-Bretanha
15 jul
Próximo evento em
171 dias
29 jul
Próximo evento em
185 dias
R
GP da Bélgica
26 ago
Próximo evento em
213 dias
02 set
Próximo evento em
220 dias
09 set
Próximo evento em
227 dias
23 set
Próximo evento em
241 dias
R
GP de Singapura
30 set
Próximo evento em
248 dias
07 out
Próximo evento em
255 dias
21 out
Próximo evento em
269 dias
28 out
Próximo evento em
276 dias
05 nov
Próximo evento em
284 dias
R
GP da Austrália
18 nov
Próximo evento em
297 dias
R
GP da Arábia Saudita
03 dez
Próximo evento em
312 dias
R
GP de Abu Dhabi
12 dez
Próximo evento em
321 dias
Análise técnica de Giorgio Piola
Assunto

Análise técnica de Giorgio Piola

Análise técnica: Por que o conceito de chassi duplo da Lotus foi proibido na F1

compartilhar
comentários
Análise técnica: Por que o conceito de chassi duplo da Lotus foi proibido na F1
Por:

Colin Chapman desfrutou de enorme sucesso ao longo das décadas de 1960 e 1970 com sua equipe Lotus, buscando maximizar a vantagem obtida ao ser o primeiro a introduzir e desenvolver carros que aproveitavam o efeito de solo

O efeito solo é um termo genérico usado para descrever o princípio aerodinâmico aplicado aos carros projetados na Fórmula 1 durante os anos 1960 e 1970.

Os projetos, também conhecidos como 'carros de asas', incluíam grandes túneis Venturi alojados sob os sidepods que atingiam a traseira do carro.

Leia também:

Para tirar o máximo proveito, a Lotus também foi pioneira em uma solução de saia, que foi colocada na borda dos sidepods (áreas que ficam em ambos os lados do carro) e próxima à superfície da pista. Isso melhorava o fluxo, reduzindo a saída de ar, resultando em muito mais downforce.

Como vimos, saias cada vez mais complexas chegaram quando as equipes desenvolveram a solução e reprojetaram seus carros para obter mais desempenho.

Lotus 79 1978 ground effect comparison

Lotus 79 1978 ground effect comparison

Photo by: Giorgio Piola

Esta ilustração do Lotus 79 (utilizados nas temporadas de 1978 e 1979) mostra o esforço da equipe para criar um corpo o mais estreito para ter túneis Venturi mais amplos e mais longos..

Lotus 80 bottom

Lotus 80 bottom

Photo by: Giorgio Piola

O Lotus 80 (também utilizado na temporada de 1979) com seus túneis Venturi ainda mais longos.

Lotus 79 and Lotus 80 comparsion

Lotus 79 and Lotus 80 comparsion

Photo by: Giorgio Piola

Uma comparação do Lotus 79 e 80 mostra o quanto o conceito foi desenvolvido pela Lotus.

Arrows A2 1979

Arrows A2 1979

Photo by: Giorgio Piola

Na Arrows chegaram a tentar inclinar seu motor para aumentar a largura de seus túneis Venturi.

No entanto, no final dos anos 1970, com a velocidade subindo e a segurança diminuindo, a categoria interveio e gradualmente regulamentou a proibição das saias.

Colin Chapman, que não queria deixar de lado o conhecimento que sua equipe havia adquirido, começou a encontrar maneiras de contornar a proibição.

A Lotus já havia trabalhado em um carro que utilizava o conceito de chassi duplo - o Lotus 86. Mas, com as saias como uma opção viável, nunca foi colocada em serviço, pois não era tão eficaz quanto a sua única peça de chassi.

No entanto, a proibição de saia e a introdução de uma altura mínima mudaram isso, e a Lotus trabalhou mais uma vez com o conceito de chassi duplo. Desta vez com um falso monocoque de carbono, tendo visto o potencial no design de John Barnard quando o MP4/1 (modelo da McLaren do início dos anos 1980) foi lançado.

Com pouco tempo, a Lotus foi forçada a criar sua própria versão internamente.

Embora provavelmente melhor do que equivalente em alumínio, o monocoque apresentou técnicas totalmente diferentes das de Barnard em sua construção.

Lotus 88 1981 twin chassis concept

Lotus 88 1981 twin chassis concept

Photo by: Giorgio Piola

A ideia do conceito de chassi duplo era ter dois corpos suspensos, o corpo interno responsável pelas forças mecânicas exercidas no carro e o exterior cuidando das forças aerodinâmicas.

Pense então no corpo externo como flutuante. À medida que a velocidade aumentava, ele era sugado para a pista e a força exercida sobre o chassi interno.

Para impedir o uso de tais projetos, os reguladores citaram no livro de regras que: 'as partes aerodinâmicas devem permanecer imóveis em relação à parte suspensa do carro'.

O texto específico foi adaptado para se adequar às regulamentações vigentes ao longo dos anos, mas ainda pode ser encontrado no artigo 1.4 dos regulamentos técnicos.

Chapman ficou indignado com a decisão e fez várias tentativas de competir no '88. Mas, com forte oposição a cada momento, ele acabou sendo forçado a abandonar o design e executar um convencional.

Confira as curiosidades do efeito solo na F1

1970 - Chaparral 2J-Chevrolet

1970 - Chaparral 2J-Chevrolet
1/17

Foto de: LAT Images

A tecnologia foi primordialmente explorada pela equipe Chaparral, que utilizou o modelo 2J no campeonato norte americano de protótipos, o Can-Am. No entanto, mesmo sem ter conquistado nenhuma vitória, a novidade foi banida da categoria.

1978 - Lotus

1978 - Lotus
2/17

Foto de: Rainer W. Schlegelmilch

A equipe chegou a experimentar o efeito solo em 1977, mas foi no ano seguinte que implementou a tecnologia em definitivo. O time venceu oito corridas naquele ano e conquistou o mundial de construtores e o mundial de pilotos com Mario Andretti.

1978 - Lotus

1978 - Lotus
3/17

Foto de: LAT Images

Andretti venceu seis provas e somou 64 pontos, 13 a mais que seu companheiro de equipe, Ronnie Peterson. A Lotus só não venceu todas as etapas do mundial porque seu carro tinha problema de confiabilidade, algo comum na antiga F1.

Colin Chapman: o criador, mas nem tanto

Colin Chapman: o criador, mas nem tanto
4/17

Foto de: Sutton Motorsport Images

Colin Chapman, o projetista chefe e proprietário da Lotus, colhe até hoje os louros pelo sucesso do efeito solo na F1. No entanto, apesar de ser o idealizador do carro vencedor, os responsáveis por trazer o efeito solo para a equipe foram Tony Rudd e Peter Wright, que já tinham tentado algo similar na BRM no final dos anos 60.

1978 - Brabham BT46B Alfa Romeo

1978 - Brabham BT46B Alfa Romeo
5/17

Foto de: LAT Images

Além da Lotus, outras equipes de várias categorias já estavam perseguindo ideias semelhantes desde o começo da década de 70. A Brabham foi quem mais se aproximou de bater a Lotus em 1978.

1978 - Brabham BT46B

1978 - Brabham BT46B
6/17

Foto de: Sutton Motorsport Images

Niki Lauda venceu a etapa da Suécia da F1 com um carro que usava um ventilador para "chupar" o ar debaixo do carro e forçar o efeito solo. No entanto, a tecnologia do time foi banida antes do fim da temporada.

1978 - Jody Scheckter, Ferrari 312T4

1978 - Jody Scheckter, Ferrari 312T4
7/17

Foto de: LAT Images

Apesar de não usar o efeito solo em 1978, a equipe italiana foi vice-campeã em 1978, graças à confiabilidade do carro que venceu todas as vezes que a Lotus teve problemas. Em 1979, a Ferrari reuniu o que tinha de melhor do carro do ano anterior com uma versão própria do efeito solo, e com isso dominou o campeonato. Jody Scheckter venceu e Gilles Villeneuve foi vice.

1980 - Williams FW07B Ford Cosworth

1980 - Williams FW07B Ford Cosworth
8/17

Foto de: LAT Images

A Williams resolveu dois problemas do efeito solo e faturou a temporada de 1980 com Alan Jones. A equipe conseguiu reduzir os custos da solução e fazer com que as peças se ajustassem às curvas, evitando a perda do efeito fora das retas.

1980 - Nelson Piquet, Brabham BT49-Ford Cosworth

1980 - Nelson Piquet, Brabham BT49-Ford Cosworth
9/17

Foto de: LAT Images

Nelson Piquet venceu suas primeiras corridas a bordo de uma Brabham naquele mesmo ano e fez frente à Alan Jones no campeonato mundial.

1980 - Brabham BT49

1980 - Brabham BT49
10/17

Foto de: Sutton Motorsport Images

O brasileiro triunfou três vezes na temporada e chegou a liderar o campeonato.

1980 - Nelson Piquet (Brabham) e Alan Jones (Williams)

1980 - Nelson Piquet (Brabham) e Alan Jones (Williams)
11/17

Foto de: Jean-Philippe Legrand

No entanto, a falta de confiabilidade do carro acabou impedindo Piquet de pontuar nas duas últimas etapas, enquanto Jones vencia as provas e superava o brasileiro, sagrando-se campeão mundial.

1981 - Nelson Piquet, Brabham BT49C

1981 - Nelson Piquet, Brabham BT49C
12/17

Foto de: LAT Images

O ano foi um dos mais disputados da história da categoria, com sete pilotos de seis equipes diferentes vencendo corridas.

1981 - Nelson Piquet, Brabham

1981 - Nelson Piquet, Brabham
13/17

Foto de: Sutton Motorsport Images

Nelson Piquet brilhou no carro da Brabham, que era capaz de se ajustar às curvas para manter o efeito solo e vencer a concorrência. O brasileiro conquistava ali o primeiro título mundial de sua galeria.

1982 - Keke Rosberg, Williams FW08

1982 - Keke Rosberg, Williams FW08
14/17

Foto de: Sutton Motorsport Images

No último ano do efeito solo na categoria, Rosberg se valeu da regularidade para ser campeão mundial.

1982 - Keke Rosberg, Williams

1982 - Keke Rosberg, Williams
15/17

Foto de: Williams F1

Naquele ano, 11 pilotos diferentes venceram corridas, mas o finlandês, que venceu apenas uma, chegou mais vezes nos pontos do que todos os rivais e levou o caneco.

1982 - Excesso de acidentes pôs fim ao efeito solo

1982 - Excesso de acidentes pôs fim ao efeito solo
16/17

Foto de: LAT Images

Os acidentes se tornaram frequentes com o avanço do efeito solo, pois bastava o carro tocar no chão para o efeito ser totalmente cancelado, fazendo com que os pilotos perdessem o controle do carro. Dois dos acidentes foram fatais. Na imagem acima, o acidente que tirou a vida de Gilles Villeneuve.

1982 - Excesso de acidentes pôs fim ao efeito solo

1982 - Excesso de acidentes pôs fim ao efeito solo
17/17

Foto de: LAT Images

O último acidente fatal daquele ano foi o de Riccardo Paletti, no Canadá. Logo em seguida, a FIA decidiu eliminar totalmente o efeito solo. Depois do acidente de Paletti, as próximas mortes durante em um fim de semana de GP foram as de Ratzenberger e Senna em Imola, 12 anos depois.

VÍDEO: Barrichello relembra em detalhes o dia em que Senna socou Irvine na F1

PODCAST: Há vida feliz fora da Fórmula 1?

 

 

Projeto Pitlane, das equipes da F1, recebe 20 mil pedidos de respiradores e ventiladores para ajudar no combate à Covid-19

Artigo anterior

Projeto Pitlane, das equipes da F1, recebe 20 mil pedidos de respiradores e ventiladores para ajudar no combate à Covid-19

Próximo artigo

Entenda a ideia da Ferrari que moldou o conceito dos carros atuais da F1

Entenda a ideia da Ferrari que moldou o conceito dos carros atuais da F1
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Matt Somerfield