Fórmula 1
24 out
-
27 out
Evento encerrado
01 nov
-
03 nov
Evento encerrado
14 nov
-
17 nov
Evento encerrado
28 nov
-
01 dez
Evento encerrado

Relembre a carreira de Sergio Marchionne

compartilhar
comentários
Relembre a carreira de Sergio Marchionne
Por:
25 de jul de 2018 15:35

Fundamental na união entre Fiat e Chrysler, Marchionne trouxe mais prestígio à marca Ferrari e devolveu a equipe de Maranello ao topo do grid da Fórmula 1

Nascido em Chietti, na Itália, 66 anos atrás, Sergio Marchionne morreu na manhã desta quarta-feira em Zurique, deixando um vazio tangível em empresas onde nos últimos anos deu tudo para devolver o esplendor do passado.

Neste caso, o vácuo não fornece uma referência puramente física, mas também e acima de tudo do ponto de vista das decisões, por vezes, até mesmo impopulares, que, no entanto, têm permitido à Fiat subir novamente e evitar um abismo que parecia a quase um passo, um epílogo quase inevitável.

Leia também:

É quase a palavra mais apropriada, porque Marchionne conseguiu ressuscitar uma das empresas mais importantes da Itália e levá-la de volta ao topo. Não é coincidência que John Elkann tenha se lembrado desses dias em uma frase curta e significativa: "Um líder esclarecido, um ponto de referência incomparável".

Sob sua liderança, a Fiat se recuperou de um período terrível, foi internacionalizada através da fusão com a Chrysler.

Aqui relembramos as etapas de sua carreira que o levou primeiro à Fiat e depois à presidência da Ferrari a partir de setembro de 2014.

A Fiat de volta ao topo

Marchionne tornou-se gerente geral da Fiat em junho de 2004, depois de fazer parte do conselho de diretores da empresa e ganhar a estima de Umberto Agnelli. Nos dois anos seguintes, obteve a mesma posição na Fiat Auto e na CNH Global.

O primeiro grande sucesso de Marchionne chegou pouco depois da compensação de 2 bilhões de dólares que a General Motors teve que pagar para a Fiat (então em profunda crise) por não ter exercido a opção de comprar a empresa italiana.

A aquisição do Grupo Chrysler

Depois veio o relançamento do modelo 500, em 2007 e, dois anos mais tarde, a Fiat, graças a Marchionne, começou gradualmente a assumir o controle do Grupo Chrysler. Marchionne também se tornou o diretor administrativo da Chrysler e, um ano depois, entrou para o conselho administrativo da Exor, a holding financeira da família Agnelli.

As operações da Marchionne devolveram benefícios para a Chrysler no primeiro trimestre de 2011 e também permitiram que ela renegociasse sua dívida com o governo dos EUA.

FCA nasce e Marchionne se torna presidente da Ferrari

Em 2011, a Fiat abandonou a Confindustria (Confederação Geral da Indústria Italiana), evitando assim qualquer restrição na negociação com os trabalhadores e deixando os sindicatos de lado. Três anos depois, a Fiat adquiriu completamente o Grupo Chrysler, um passo importante, porque foi o início da FCA (Fiat Chrysler Automobiles), uma empresa holandesa com sede em Londres, com ações nas bolsas de Wall Street e Milão.

Em outubro de 2014, Marchionne assumiu o lugar de Luca Cordero di Montezemolo e tornou-se presidente da Ferrari, separando assim a empresa de Maranello da FCA e anunciando que o grupo automotivo seria listado na bolsa de valores. O projeto foi concluído em 2016, com a Ferrari se tornando uma empresa holandesa e se separando da FCA.

No último lançamento público de sua carreira, em 26 de junho em Roma, para entregar um Jeep para os Carabinieri, Marchionne anunciou que a FCA havia quitado todas as dívidas. No entanto, será seu sucessor, Mike Manley, que apresentará essa importante conquista.

Com Marchionne, Ferrari volta a lutar no topo da F1

De outubro de 2014 até hoje, Marchionne também revolucionou a Ferrari, tanto do ponto de vista automotivo quanto esportivo. A gestão esportiva sofreu e está passando por mudanças profundas, que permitiram ao time lutar lado a lado com a Mercedes pelos campeonatos mundiais, principalmente nesta temporada.

Marchionne tornou-se, dia após dia, apaixonado por corridas e pela Ferrari. Um dos seus desejos mais visíveis foi ver a marca novamente no topo do mundo, a que desde 2014 se tornou uma das suas criaturas, dando forma a cada mês e uma nova identidade à equipe italiana, mais imaginação e coragem para diminuir a vantagem das Flechas de Prata.

O ex-presidente não pôde ver seu trabalho finalizado, pelo menos em Maranello, mas a equipe está em plena corrida para poder cumprir seu desejo.

Próximo artigo
F1 fará exibição no centro de Milão antes do GP da Itália

Artigo anterior

F1 fará exibição no centro de Milão antes do GP da Itália

Próximo artigo

Villeneuve: “Hamilton confunde Fórmula 1 com Hollywood"

Villeneuve: “Hamilton confunde Fórmula 1 com Hollywood"
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Giacomo Rauli