Fórmula 1
R
GP de Portugal
30 abr
Próximo evento em
17 dias
06 mai
Próximo evento em
23 dias
20 mai
Próximo evento em
37 dias
R
GP do Azerbaijão
03 jun
Próximo evento em
51 dias
10 jun
Próximo evento em
58 dias
24 jun
Próximo evento em
72 dias
R
GP da Áustria
01 jul
Próximo evento em
79 dias
29 jul
Próximo evento em
107 dias
R
GP da Bélgica
26 ago
Próximo evento em
135 dias
02 set
Próximo evento em
142 dias
09 set
Próximo evento em
149 dias
23 set
Próximo evento em
163 dias
R
GP de Singapura
30 set
Próximo evento em
170 dias
07 out
Próximo evento em
177 dias
21 out
Próximo evento em
191 dias
28 out
Próximo evento em
198 dias
R
GP de Abu Dhabi
12 dez
Próximo evento em
243 dias

ANÁLISE: Entenda vários desafios que a McLaren enfrenta na F1 em 2021

Novas restrições de teste aerodinâmico oferecem um desafio extra para a equipe de Woking

ANÁLISE: Entenda vários desafios que a McLaren enfrenta na F1 em 2021

A McLaren está em uma posição complicada em 2021, já que terminar em terceiro novamente no campeonato de construtores será a meta mínima depois de 2020, e muito a se pedir dada a forte competição de escuderias como Ferrari, Aston Martin e Alpine.

Então, o que uma equipe de Fórmula 1 ressurgente como a McLaren pode alcançar em seu retorno ao poder da Mercedes em 2021?

Essa é uma das muitas perguntas intrigantes que ainda precisam ser respondidas enquanto nos direcionamos para o que promete ser uma temporada fascinante, que se desdobrará sob o primeiro limite de orçamento do esporte e com o enorme desafio das regras de 2022 surgindo no horizonte.

Sob a orientação do chefe da equipe Andreas Seidl e do diretor técnico James Key, a equipe britânica teve um progresso genuíno em todas as áreas nas últimas temporadas.

A equipe recuperou a confiança que faltava na era Honda, e os números contam a história.

Depois de um desastroso nono lugar no campeonato em 2017 - o último ano com a Honda - a McLaren obteve progressos constantes em seus três anos com a Renault, passando do sexto para o quarto, depois para o terceiro em 2020.

Outras peças do quebra-cabeça já se encaixaram. A mudança para a Mercedes elimina quaisquer dúvidas no que diz respeito ao motor e coloca a equipe em igualdade de condições com a escuderia campeã mundial, em termos de potência. 

Enquanto isso, o recém-chegado Daniel Ricciardo traz o conhecimento extra e a confiança que vem por ser um vencedor de corridas, junto com uma personalidade otimista que ajudará a manter o clima positivo que a escuderia estabeleceu com a parceria entre Lando Norris e Carlos Sainz.

O desafio para a McLaren agora é manter o ímpeto que estabeleceu - e entrar no novo mundo de 2022 na posição mais forte possível.

No entanto, é óbvio que mesmo repetir o terceiro lugar não será fácil, já que Aston Martin, Alpine e uma Ferrari reconstruída estarão presentes, como a equipe bem sabe.

"Em primeiro lugar, obviamente, foi uma grande conquista para nós ser o P3 no ano passado”, disse Seidl.

“No início deste ano, esperamos novamente uma batalha muito dura com todos os concorrentes com os quais lutamos no ano passado.”

“Temos o Lando agora entrando no terceiro ano na F1. Temos o Daniel a bordo, que é uma referência fundamental neste esporte.”

“É claro que queremos nos aproximar novamente dos carros à nossa frente, dos carros Mercedes e Red Bull, que administramos também no ano passado.”

"E, ao mesmo tempo, vamos dar tudo até a última volta em Abu Dhabi. Acho que há muito para sermos otimista. E precisamos ser realistas. E é assim que vemos."

O CEO Zak Brown concorda que o foco não está especificamente nas posições do campeonato, mas em fechar a lacuna de desempenho para a Mercedes e Red Bull.

Dado que o plano é voltar à disputa por vitórias e títulos, olhar para a frente em vez de olhar para os lados - ou mesmo para trás - é uma abordagem lógica.

Muitos enxergam a Aston Martin como uma referência óbvia para a McLaren, dada sua proximidade no campeonato do ano passado e no fornecedor de unidade de energia compartilhada.

"Bem, vamos manter nossos olhos em toda a concorrência", disse Brown. “Acho que seria ingênuo subestimar qualquer parte da competição. Foi tão difícil no ano passado.”

"Portanto, nosso objetivo é fechar a lacuna para a frente. Não estamos focados em uma equipe em particular, ou em quem tem qual unidade de força.”

Quando a pandemia atingiu o ano passado, a McLaren foi uma das equipes que mais pressionou por um limite de gastos mais baixo, o que não foi uma grande surpresa, dada a pressão financeira sob a qual estava.

A mudança para 2022 e 23 colocaram a McLaren acima do limite, e a equipe teve que fazer mudanças para se adequar - embora muito menos do que a Mercedes, Red Bull e Ferrari.

“A FIA e as equipes e a F1 têm trabalhado continuamente para defini-lo e regulamentá-lo”, declarou Brown.

McLaren MCL35M

McLaren MCL35M

Photo by: McLaren

"Tenho certeza de que haverá aprendizados a partir do primeiro ano e não será perfeito, acho que eles vão acertar.”

"E acho que alcançará o que esperamos alcançar, que é um campo de jogo mais equitativo. Estávamos gastando além do limite anteriormente. Portanto, tivemos que fazer alguns ajustes para chegar ao limite.”

"Acho que haverá aprendizado este ano, mas acho que as discrepâncias serão bem nominais. Aprenderemos, seguiremos em frente.”

"Então, claramente, gastar no limite, focado no desempenho total, é o objetivo. E estou confiante de que o limite atingirá para o esporte o que esperávamos."

O limite fechará a lacuna financeira, mas a equipe de Woking ainda precisa se recuperar em outras áreas. Seidl ressaltou que a escuderia ainda está em fase de reconstrução, depois de se perder nos primeiros anos da era híbrida.

"Há muita energia positiva dentro da equipe em relação a esta temporada", disse.

“Claro que, em termos de formação de pilotos, teremos, de novo, um dos mais fortes do paddock e teremos a unidade de potência vencedora do campeonato na traseira do nosso carro.”

“Mas você não deve esquecer, como Zak disse antes, a batalha que travamos no ano passado. Temos muito respeito por esses competidores com os quais lutamos no ano passado.”

“Estamos lutando aqui contra equipes de trabalho plenas, que têm uma infraestrutura bem mais atual do que a que temos no momento”, destacou.

"É por isso que podemos ser otimistas ao entrar na temporada. Mas, ao mesmo tempo, precisamos ser realistas. Simplesmente precisamos de mais tempo para ter certeza de que executamos o plano que temos, como voltar para a frente na F1. "

O deslocamento até o túnel de vento da Toyota em Colônia, enquanto as novas instalações internas são construídas, é um dos principais desafios que a McLaren enfrenta atualmente.

“Precisamos de mais tempo para colocar nossa infraestrutura no local para estar em igualdade de condições aqui com os times da frente e também com alguns ao nosso redor”, salientou.

“O maior tópico é obviamente o túnel de vento. Isso ainda levará cerca de dois anos até que possamos realmente ver os primeiros benefícios, que é crucial no lado do desenvolvimento do carro.”

“Ao mesmo tempo, acho que ainda podemos dar alguns passos nas atuais circunstâncias, na situação atual, como uma equipe. É nisso que estamos trabalhando.”

"Queremos nos aproximar novamente da Mercedes e da Red Bull. Essas etapas são fundamentais para voltar à frente novamente em algum momento no futuro."

Este tem sido um inverno extremamente desafiador para todas as equipes de F1. O congelamento dos motores diminuiu um pouco a pressão, mas no caso da McLaren a troca de fornecedores criou muito trabalho extra, e todas as mudanças tiveram que ser feitas dentro dos limites do que era permitido pelo sistema de fichas de desenvolvimento da FIA.

O usual desenvolvimento aerodinâmico ano a ano foi impactado pelos cortes significativos de downforce impostos pela FIA, enquanto a partir de 1º de janeiro as equipes poderiam dar seus primeiros passos com o trabalho aerodinâmico de 2022 - e, portanto, tiveram que decidir como dividir seus recursos limitados.

As novas restrições de teste aerodinâmico oferecem um desafio extra. Tendo terminado em terceiro em 2020, a McLaren ganha um pouco de tempo em túnel de vento e uso de CFD (Computational Fluid Dynamics, normalmente chamado de testes de túnel de vento virtual) em relação à Mercedes e Red Bull, mas perde para Aston, Alpine e especialmente para a Ferrari, pelo menos até a reconfiguração com base nas posições atuais do campeonato a partir de 30 de junho.

Com os programas 2021 e 2022 operando em paralelo, cada corrida no túnel é valiosa e as regras do ATR (Restrições de Testes Aerodinâmicos) serão ainda mais significativas no próximo ano, já que um bom resultado do campeonato em 2021 levará a uma perda de potencial de desenvolvimento em 2022.

"Acho que aceitaremos que, se você terminar em alta, será um pouco penalizado por tempo de túnel de vento no futuro, agora faz parte do jogo", disse Key.

"Suponho que isso poderia ter um efeito menor em como separamos 21 e 22. Mas não vai administrar como faremos isso. Acho que faremos o tipo de programa semelhante e o tempo e o número de semanas em cada carro conforme planejado originalmente.”

"Provavelmente mudará um pouco o que teríamos feito se fossemos sétimo ou oitavo, e se tivéssemos mais corridas, onde talvez pudéssemos fazer essa divisão de forma um pouco diferente.”

"Vai ser um ano desafiador com a norma dos custos em vigor, em todos os aspectos, para tentar rodar esses dois carros juntos. Mas é claro, isso é o mesmo para todas as equipes."

A McLaren vê 2022 como a chance de mudar a ordem estabelecida, e para estar bem preparada para as novas regras deve manter o foco.

Fazer malabarismos com essa ambição de longo prazo sem sacrificar resultados difíceis em 2021 é o desafio.

“Do nosso lado, queremos simplesmente ser competitivos também este ano”, afirmou Seidl. “Então essa é uma decisão que temos que tomar, depois das primeiras corridas, por quanto tempo ainda vamos continuar desenvolvendo o carro deste ano.”

“Acho que para a nossa jornada é importante ter uma boa temporada este ano, para manter esse bom momento. Mas, ao mesmo tempo, é importante não perder de vista o panorama geral.”

“Nos próximos anos, queremos simplesmente diminuir a diferença para as equipes que estão à nossa frente, para lutar por vitórias nas corridas.”

"E para isso é importante usar os novos regulamentos em 2022, que são uma grande mudança, como uma oportunidade também”, concluiu.

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

MCLAREN 2021: Veja o 1º CARRO REVELADO na Fórmula 1 este ano e detalhes da volta da MERCEDES ao time

Podcast #088 - F1 na Band e o 'fico' de Hamilton: o que esperar de 2021?

 

 

compartilhar
comentários
F1: Aston Martin confirma data de lançamento do carro de 2021

Artigo anterior

F1: Aston Martin confirma data de lançamento do carro de 2021

Próximo artigo

F1: McLaren quer se tornar “melhor equipe cliente da Mercedes"

F1: McLaren quer se tornar “melhor equipe cliente da Mercedes"
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes McLaren
Autor Adam Cooper