Vencedor da Indy 500 elogia traçado do GP de Miami de F1, que terá 'resort' como atração especial

Corrida inaugural na Flórida promete boas disputas e quer trazer experiência diferente ao público americano, cada vez mais engajado na categoria

Vencedor da Indy 500 elogia traçado do GP de Miami de F1, que terá 'resort' como atração especial
Carregar reprodutor de áudio

O ex-piloto da Tyrrell na Fórmula 1, vencedor da Indy 500 e comissário rotativo da FIA, Danny Sullivan, acredita que a nova pista do Autódromo Internacional de Miami terá um "ótimo layout" para seu primeiro GP na categoria, em maio. Além do traçado promissor, ainda haverá atrações inovadoras no local, como um 'resort' com cabanas, piscinas e praia artificial.

O campeão da CART de 1988, que marcou seus únicos pontos na F1 na corrida de Mônaco de 1983, planeja visitar a pista em breve, que completou seu marco mais recente de uma 'festa de destaque' para seu paddock na semana passada.

Leia também:

Sullivan conversou com o Motorsport.com em uma recepção em Miami que contou com a estreia do supercarro ARES S1 e uma exposição de arte de seu ex-companheiro de Garvin Brown Racing na Formula Atlantic, Hubert Phipps.

"Estive lá duas vezes, quando estava bem básico, mas vou pilotá-lo na próxima semana quando estiver pronto", disse ele. "O que me disseram é que eles fizeram um bom trabalho na pista. No papel, parece um ótimo layout."

Miami circuit

Miami circuit

Photo by: Liberty Media

Sullivan acredita que o evento também se beneficiará por estar situado perto de um grande complexo de estádios, sem ter as desvantagens de um 'roval' - como é chamado os circuitos que utilizam partes de oval e misto.

"Gosto do que eles têm lá", disse o ex-piloto sobre o design que circunda a casa do time da NFL Miami Dolphins. "Eu nunca gostei de faixas no estilo 'roval', além de Daytona."

"O o que você tem, ao redor dos estádios, é infraestrutura e isso ajuda muito. Colocar as pessoas dentro e fora é um grande fator. Quando você pensa em toda a política, acho que é uma ótima solução, porque eles nunca conseguiriam aprovar uma corrida de rua no centro da cidade."

"Hoje em dia, é muito difícil com o barulho e os moradores reclamando – mesmo que seja em maio, quando está bem quieto em Miami."

Danny Sullivan, Tyrrell 011, 1983 Monaco Grand Prix

Danny Sullivan, Tyrrell 011, 1983 Monaco Grand Prix

Photo by: Sutton Images

Sullivan também acredita que o grande aumento do interesse da F1 nos Estados Unidos, que atraiu 400 mil pessoas para a corrida de Austin no ano passado e levou à venda de ingressos para o primeiro evento de Miami, se deve ao 'efeito Netflix' e a série Drive to Survive.

"Dê crédito onde é devido, o crescimento na América se deve ao DTS, e Sean Bratches foi o cérebro por trás disso", disse ele. "Eles [F1] pagaram por isso, a Netflix não, e influenciou o país por causa do quão bem foi feito."

Além do traçado elogiado por Sullivan, o GP inaugural também terá atrações especiais ao público. A organização anunciou que o espaço entre as curvas 11, 12 e 13 terá o que podemos chamar de um 'resort', com cabanas, piscinas e praia artificial.

 

O GP de Miami está marcado para ser o quinto do calendário de 2022 da Fórmula 1, com o evento principal em 8 de maio e o primeiro treino livre abrindo os trabalhos dois dias antes.

Masi DEMITIDO (e quem substitui), Ferrari REVOLUCIONÁRIA e NOVO CHEFE da Alpine: dia de BOMBAS na F1

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #162: Quais outras rivalidades podem implodir na F1 em 2022?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: Mercedes diz que Hamilton vai para 2022 em "modo de ataque"
Artigo anterior

F1: Mercedes diz que Hamilton vai para 2022 em "modo de ataque"

Próximo artigo

Hamilton diz que demissão de Masi ainda não é suficiente para recuperar confiança na F1

Hamilton diz que demissão de Masi ainda não é suficiente para recuperar confiança na F1