Fórmula 1
25 mar
Próximo evento em
26 dias
06 mai
Próximo evento em
68 dias
20 mai
Próximo evento em
82 dias
R
GP do Azerbaijão
03 jun
Próximo evento em
96 dias
10 jun
Próximo evento em
103 dias
24 jun
Próximo evento em
117 dias
R
GP da Áustria
01 jul
Próximo evento em
124 dias
R
GP da Grã-Bretanha
15 jul
Próximo evento em
138 dias
29 jul
Próximo evento em
152 dias
R
GP da Bélgica
26 ago
Próximo evento em
180 dias
02 set
Próximo evento em
187 dias
09 set
Próximo evento em
194 dias
23 set
Próximo evento em
208 dias
R
GP de Singapura
30 set
Próximo evento em
215 dias
07 out
Próximo evento em
222 dias
21 out
Próximo evento em
236 dias
28 out
Próximo evento em
243 dias
R
GP da Arábia Saudita
03 dez
Próximo evento em
279 dias
R
GP de Abu Dhabi
12 dez
Próximo evento em
288 dias

Verstappen pede que Red Bull aprenda com problemas de confiabilidade sofridos em 2020

Entre Verstappen e Albon, a Red Bull somou seis abandonos em 2020, sendo quatro por questões técnicas; em comparação, a Mercedes teve apenas um

compartilhar
comentários
Verstappen pede que Red Bull aprenda com problemas de confiabilidade sofridos em 2020

A Red Bull chega à temporada 2021 da Fórmula 1 com grandes esperanças. Como a maior parte do carro será mantida para este ano, a equipe espera encerrar uma escrita incômoda que vem atrapalhando sua luta pelo título: um começo mais fraco, dependendo dos pacotes de atualização para alcançar as equipes da frente ao longo do ano. E para Max Verstappen, é preciso melhorar uma coisa acima de tudo para 2021: a confiabilidade.

Na temporada 2020, o holandês acumulou cinco abandonos, que lhe custaram o vice-campeonato, já que terminou apenas nove pontos atrás de Valtteri Bottas. Nas duas primeiras, na Áustria e em Monza, o motor foi a fonte do problema, enquanto em Mugello, um problema eletrônico na largada o deixou no meio do pelotão, sem ter como fugir de um incidente que o mandou para o meio da caixa de brita.

Leia também:

Em comparação, os outros três pilotos com motores Honda do grid, Alex Albon, Pierre Gasly e Daniil Kvyat tiveram, somados, cinco abandonos.

Por isso, o holandês pediu à Red Bull e à Honda para que trabalhem para melhorar a confiabilidade do motor e do carro. Segundo o piloto, isso é essencial para uma equipe que mira uma disputa com a Mercedes pelos títulos deste ano.

"Olha, não é legal", disse Verstappen em entrevista ao portal GPFans. "Definitivamente poderíamos ter lutado pelo vice-campeonato mas, no final do dia, não é para isso que estou aqui. Terminar em segundo ou terceiro não faz diferença".

"Mas, obviamente, eu gostaria de ter tido um carro com maior confiabilidade, mas já foi. Não podemos mudar isso agora. O que podemos é aprender com o que aconteceu e tentar ao máximo fazer melhor no próximo ano".

Apesar de terminar em terceiro no Mundial de Pilotos, Verstappen teve a segunda maior média de pontos por corrida terminada. O holandês fez 17,8 pontos de média em 12 provas concluídas contra 13,9 de Bottas, que sofreu um abandono apenas no GP de Eifel. A maior média foi de Lewis Hamilton, com 21,6 pontos por corrida na 16 que concluiu, tirando o GP de Sakhir, quando estava afastado devido à Covid-19.

"Claro, eu gostaria de ter lutado pelo título, mas acho que rapidamente percebemos que isso não era possível. Mas eu gostei das corridas onde eu consegui tirar tudo do carro, seja na classificação ou na corrida. Tive bons momentos no ano".

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

O que Pérez vai causar na RBR? Mais pontos e vitórias que Verstappen ou Tretas?

PODCAST: Vettel, Alonso, Schumacher, eventos e mais: o que esperar da F1 em 2021?

 

F1: Sainz experimenta simulador da Ferrari pela primeira vez

Artigo anterior

F1: Sainz experimenta simulador da Ferrari pela primeira vez

Próximo artigo

Responsável pela volta da Mercedes ao automobilismo nos anos 1980, Jurgen Hubbert morre aos 81 anos

Responsável pela volta da Mercedes ao automobilismo nos anos 1980, Jurgen Hubbert morre aos 81 anos
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Redação Motorsport.com