Wolff refuta crítica de Bottas: “Não acho que estávamos dormindo”

compartilhar
comentários
Wolff refuta crítica de Bottas: “Não acho que estávamos dormindo”
Por:

Chefe de equipe da Mercedes também explicou estratégia da equipe ao deixar Hamilton por mais tempo na pista com os pneus duros

Toto Wolff, chefe de equipe da Mercedes, refutou as críticas de Valtteri Bottas à equipe alemã. O finlandês reclamou da estratégia escolhida pelos engenheiros, dizendo que o time havia "dormido" e que por isso teria perdido a vitória do GP do 70º Aniversário da F1 para a Red Bull.

Por estar à frente na corrida, Bottas teve prioridade nas paradas e, após um stint com os pneus duros, ele fez sua segunda parada na volta 32. No entanto, ao invés de ir para os boxes uma volta depois, como foi o caso na primeira parada, Hamilton seguiu com pneus duros por mais tempo e fez uma estratégia diferente.

Leia também:

No final das contas, a estratégia garantiu que Hamilton ultrapassasse Bottas pelo segundo lugar, embora ambos tenham perdido a vitória para Max Verstappen.

Wolff disse que a equipe foi capaz de examinar os pneus que saíram do carro de Bottas e, tendo decidido que ainda havia um pouco de vida, decidiu deixar Hamilton na pista o máximo possível.

Ao comentar a derrota para a Red Bull e Verstappen após a corrida, Bottas disse que a Mercedes foi pega “dormindo”, uma crítica refutada por Wolff.

“Acabei de falar com Valtteri”, disse o austríaco quando questionado sobre os comentários de seu piloto. “Não acho que estávamos dormindo, mas aceito sua perspectiva. Acho que tivemos o carro mais lento hoje e apenas admitimos isso. O que ele quis dizer era que deveríamos ter feito o contrário com Max”.

“Na verdade, isso não teria mudado nada, porque Max teria saído com um pneu novo, e nós teríamos continuado com um pneu que não estava mais no seu melhor estado, e ele apenas entrou nos boxes na nossa frente. Não tenho certeza do que poderíamos ter feito melhor”.

“Obviamente, ele não está feliz por ser P2 e Lewis P3, mas foi o aprendizado que aconteceu na pista quando tiramos os pneus de Valtteri, vimos que havia muita borracha sobrando e estendemos o período de Lewis, embora houvesse grandes vibrações”.

“Portanto, ele estava ficando cada vez mais rápido, quanto mais a borracha abaixava, e é por isso que pudemos estender o stint e, eventualmente, Lewis ultrapassou Valtteri”.

“Está claro que ele não está feliz e eu respeito totalmente isso. Nenhum de nós está feliz com o resultado de hoje”.

Wolff insistiu que uma combinação de fatores levou a Mercedes a ter problemas com os pneus na corrida.

"Acho que tínhamos indicações no passado de que nossa diferença relativa não era tão grande para nossos concorrentes quando estava quente", disse ele. "É um pouco simplista apenas dizer que é porque está mais calor”.

“Tudo se resume ao fato de que temos um carro com grande pressão aerodinâmica, obviamente, quando as condições mudam, os parâmetros mudam, como temperaturas subindo, compostos ficando mais macios, pressões subindo, temos que reconhecer que a Red Bull tem um carro bem rápido, e é isso que vimos hoje”.

“Tivemos esses dias no passado e saímos mais fortes, e estou realmente ansioso por Barcelona. Temos alguns dias para avaliar, apresentar soluções, testá-las na sexta-feira em Barcelona e, então, espero ter uma corrida melhor no domingo. Estes dias em que perdemos são os que mais aprendemos”.

Show de Verstappen e tudo sobre o GP de 70 anos com Lito Cavalcanti e Rico Penteado

Related video

Hulkenberg explica pit stop ‘forçado’ no final da prova em Silverstone

Artigo anterior

Hulkenberg explica pit stop ‘forçado’ no final da prova em Silverstone

Próximo artigo

Horner está surpreso por rivais não copiarem estratégia de Verstappen

Horner está surpreso por rivais não copiarem estratégia de Verstappen
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Evento GP de 70º aniversário
Equipes Mercedes
Autor Adam Cooper