Hulkenberg explica pit stop ‘forçado’ no final da prova em Silverstone

compartilhar
comentários
Hulkenberg explica pit stop ‘forçado’ no final da prova em Silverstone
Por:
, Editor

Piloto alemão acredita que seus pneus não durariam até o final do GP do Aniversário de 70 anos da F1

Após largar em uma incrível terceira colocação em Silverstone, Nico Hulkenberg duvida que seus pneus durassem até o final do GP de 70 anos da Fórmula 1, devido a uma vibração que o forçou a fazer um pit-stop extra nas últimas voltas da prova. Substituto de Sérgio Pérez na Racing Point, o alemão parecia estar no caminho certo para terminar entre os cinco primeiros depois de completar sua segunda parada para um novo jogo de pneus duros.

Hulkenberg estava fazendo voltas mais rápidas do que os dois pilotos da Mercedes em um ponto e estava alcançando Charles Leclerc, que fez apenas uma parada na corrida, apenas para ser chamado aos boxes pela terceira vez com oito voltas restantes.

Leia também:

A parada fez com que Hulkenberg caísse para a sétima colocação na classificação final da prova, perdendo posições para a Red Bull de Alex Albon e para seu companheiro de equipe na Racing Point, Lance Stroll.

A equipe inglesa disse rapidamente após a prova que Hulkenberg estava lutando contra uma vibração em seus pneus no final do terceiro stint, ficando sem escolha a não ser chama-lo de volta aos boxes mais uma vez.

O alemão, inclusive, duvida que seus pneus chegassem até o final da prova por conta do problema. “Fomos meio que forçados a abandonar o conjunto original”, explicou Hulkenberg na Sky Sports F1 após a corrida.

“Acho que tivemos algumas bolhas grandes em ambos os pneus traseiros. A vibração sai tão rapidamente do controle que em duas ou três voltas disparou”.

“Eu não acho que o pneu duraria até o final. Foi uma pena. A primeira parte da corrida estava sob controle, bem administrada”.

“No segundo em que entrei no segundo conjunto, parecia um conjunto diferente de pneus, um composto diferente, e simplesmente não funcionou no final”.

Isso marcou a primeira corrida de Hulkenberg desde sua última aparição pela Renault em 2019, não tendo largado em Silverstone no final de semana passado em sua primeira corrida como substituto de Pérez.

Hulkenberg admitiu que foi "difícil" completar uma corrida de F1 depois de tanto tempo fora de um carro da categoria.

"Felizmente, esses carros têm o encosto de cabeça bem próximo, então pude descansar bastante a cabeça", disse Hulkenberg. “Todo o corpo, músculos das costas, até mesmo o assento é bastante apertado ao redor dos glúteos. Definitivamente estarei um pouco dolorido amanhã de manhã”.

“Foi uma corrida tranquila, sem grandes combates, sem safety car, mas na verdade estou muito grato. Estou feliz que não tenha sido muito cheia de ação, porque foi o suficiente como foi provavelmente”.

Hulkenberg deve estar de prontidão na Racing Point caso Pérez não possa correr novamente no próximo final de semana, no Grande Prêmio da Espanha, mas a equipe disse que tem “99% de certeza” de que o mexicano poderá retornar.

"Eu não sei o quadro completo, para ser honesto ainda", disse Hulkenberg. "Saberemos mais nos próximos dias e, à medida que nos aproximarmos do final de semana, isso vai se desenvolver”.

"Acho que estarei presente apenas caso ele não possa correr. Acho que estarei lá para substituí-lo novamente. Acho que vai cair novamente para uma decisão tardia na quinta-feira."

Show de Verstappen e tudo sobre o GP de 70 anos com Lito Cavalcanti e Rico Penteado

Chefe da Ferrari rebate crítica de Vettel e diz que alemão iria mal de qualquer jeito

Artigo anterior

Chefe da Ferrari rebate crítica de Vettel e diz que alemão iria mal de qualquer jeito

Próximo artigo

Wolff refuta crítica de Bottas: “Não acho que estávamos dormindo”

Wolff refuta crítica de Bottas: “Não acho que estávamos dormindo”
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Evento GP de 70º aniversário
Pilotos Nico Hulkenberg
Equipes Racing Point
Autor Luke Smith