Vergne diz que sonha com fusão entre Fórmula 1 e Fórmula E no futuro

Francês acredita que uma combinação de Fórmula 1 e Fórmula E pode ser o futuro do automobilismo

Vergne diz que sonha com fusão entre Fórmula 1 e Fórmula E no futuro
Carregar reprodutor de áudio

Com todo o esporte a motor em espera durante a pandemia de coronavírus, cada categoria tem planejado a melhor forma de retomar as corridas, quando receberem a luz verde das autoridades de saúde.

Enquanto a Fórmula E está no meio da temporada 2019-2020, a F1 quase iniciou a temporada com o GP da Austrália, cancelado horas antes do início dos treinos de sexta-feira, depois que um membro da McLaren testou positivo para a Covid-19.

Leia também:

A paralisação global levou a F1 a adiar a revisão de seus regulamentos para 2022, enquanto o limite de custo da equipe deve ser reduzido para US$ 145 milhões em 2021, à medida que as equipes e os organizadores se ajustam a um calendário abalado e receitas reduzidas.

A Fórmula E enfrentou problemas semelhantes, com a introdução do carro Gen2 Evo adiada para a temporada 2021-2022, enquanto a temporada atual pode ser cancelada se não houver mais corridas possíveis antes de outubro, a fim de evitar o impacto na próxima temporada.

Antes e durante esse período de paralisação, os futuros de cada campeonato foram examinados, enquanto a sustentabilidade está no topo das prioridades para a maioria das equipes e fabricantes envolvidos em cada uma.

Como parte de nossa série #ThinkingForward, James Allen e Jess McFadyen conversaram com o bicampeão de Fórmula E, Jean-Eric Vergne, que diz como piloto que "adoraria ver" os dois campeonatos unindo forças no futuro.

"Como piloto, o que eu adoraria dizer no futuro próximo não é a Fórmula E substituindo a Fórmula 1, mas como temos muitos fabricantes na Fórmula E e também importantes fabricantes na Fórmula 1, um dia esses dois campeonatos se tornarem um só", disse Vergne, um dos pilotos do grid que competiram na F1 e na Fórmula E.

"Então, a Fórmula 1 elétrica, como você quiser chamar, nas ruas que conhecemos, talvez um pouco maiores, e na outra metade da temporada em pistas de F1 como Brasil, Abu Dhabi e Singapura.”

"Faça 10 corridas de um tipo e outras 10 corridas de outro, e isso seria incrível. Isso é algo que eu adoraria ver. Não sei se isso vai acontecer. Mas isso é meu sonho como piloto."

Massa detalha dia em que Raikkonen 'zoou' Schumacher

GALERIA: Os campeões das primeiras temporadas da Fórmula E

2014-2015: Nelson Piquet Jr., China Racing
2014-2015: Nelson Piquet Jr., China Racing
1/10

Foto de: Renault Sport

Depois de anos passando por Nascar, Rallycross e Fórmula 1, o filho mais velho do tricampeão Nelson Piquet 'recarregou' as energias na F-E
2014-2015: Nelson Piquet Jr., China Racing
2014-2015: Nelson Piquet Jr., China Racing
2/10

Foto de: FIA Formula E

Nelsinho foi campeão com apenas um ponto de vantagem sobre Buemi e dez sobre Lucas. Foi o primeiro sinal de que a categoria seria sempre muito competitiva.
2015-2016: Sébastien Buemi, Renault e.Dams
2015-2016: Sébastien Buemi, Renault e.Dams
3/10

Foto de: FIA Formula E

Em seguida, Buemi, que foi colocado de lado pelo programa de talentos da Red Bull na F1, mostrou que era um gigante das pistas, vencendo na categoria elétrica e se consolidando ainda com vitórias em Le Mans e no WEC.
2015-2016: Sébastien Buemi, Renault e.Dams
2015-2016: Sébastien Buemi, Renault e.Dams
4/10

Foto de: Michelin Sport

O suíço levou o título após uma intensa disputa com Lucas di Grassi ao longo do campeonato. O campeonato foi vencido por apenas 2 pontos de diferença entre eles.
2016-2017: Lucas di Grassi, ABT Schaeffler Audi Sport
2016-2017: Lucas di Grassi, ABT Schaeffler Audi Sport
5/10

Foto de: Malcolm Griffiths / Motorsport Images

O brasileiro, que foi piloto de desenvolvimento da Fórmula E antes mesmo da competição ser criada, encontrou na categoria o espaço de destaque que não conseguiu na F1. Com as dez vitórias na categoria, já é o segundo maior vencedor da F-E.
2016-2017: Lucas di Grassi, ABT Schaeffler Audi Sport
2016-2017: Lucas di Grassi, ABT Schaeffler Audi Sport
6/10

Foto de: Malcolm Griffiths / Motorsport Images

Di Grassi foi o primeiro a vencer com margem de pontos superior a dois pontos, mas os 24 pontos à frente de Buemi significam que a disputa durou até a última corrida do ano.
2017-2018: Jean-Eric Vergne, Techeetah
2017-2018: Jean-Eric Vergne, Techeetah
7/10

Foto de: Andrew Ferraro / Motorsport Images

Outro esnobado pelo programa de talentos da Red Bull na Fórmula 1, Vergne teve resultados modestos nas três primeiras temporadas da F-E, até fazer uma temporada esmagadora em 2017-2018 e vencer seu primeiro mundial.
2017-2018: Jean-Eric Vergne, Techeetah
2017-2018: Jean-Eric Vergne, Techeetah
8/10

Foto de: Alastair Staley / Motorsport Images

O francês chegou à última etapa disputando o título com Sam Bird, mas a atuação no fim de semana, terminou o campeonato com 54 pontos de vantagem para o vice-campeão di Grassi, que superou Bird por um ponto na última prova.
2018-2019: Jean-Eric Vergne, Techeetah
2018-2019: Jean-Eric Vergne, Techeetah
9/10

Foto de: Steven Tee / Motorsport Images

Vergne foi ainda o primeiro bicampeão da categoria, ao conquistar o segundo título em 2019.
2018-2019: Jean-Eric Vergne, Techeetah
2018-2019: Jean-Eric Vergne, Techeetah
10/10

Foto de: Alastair Staley / Motorsport Images

O francês abriu boa vantagem no campeonato e chegou à etapa de Nova Iorque precisando apenas administrar. E foi precisamente o que ele fez. Vergne faturou o bi com 17 pontos de vantagem sobre Buemi.

PODCAST: Os cinco maiores mitos e verdades da F1

 

 

compartilhar
comentários
F1 pode ter em 2020 provas que não estavam no calendário original
Artigo anterior

F1 pode ter em 2020 provas que não estavam no calendário original

Próximo artigo

Análise técnica: o que as asas dianteiras dizem sobre as equipes da F1 em 2020 (Parte 2)

Análise técnica: o que as asas dianteiras dizem sobre as equipes da F1 em 2020 (Parte 2)
Carregar comentários