Fórmula 1
23 out
Próximo evento em
21 Horas
:
47 Minutos
:
42 Segundos
IndyCar
12 set
Evento encerrado
NASCAR Cup
18 out
Evento encerrado
R
Texas II
25 out
Próximo evento em
2 dias
Stock Car Brasil
03 out
Evento encerrado
R
06 nov
Próximo evento em
14 dias
MotoGP
16 out
Evento encerrado
R
GP da Austrália
23 out
Canceled

Análise: Por que o chamado de Todt para redução de mortes nas estradas devem ser postas em prática?

compartilhar
comentários
Análise: Por que o chamado de Todt para redução de mortes nas estradas devem ser postas em prática?
Por:

Desde que assumiu a direção da FIA em 2009, Jean Todt fez da segurança rodoviária uma alta prioridade para a entidade. E com toda a razão, diz Kate Walker, analista do MOTORSPORT.COM

Jean Todt, presidente da FIA
Jean Todt, FIA President
Jean Todt, FIA President
Jean Todt, FIA President and Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 promote a FIA Road Safety campaign
Jean Todt, FIA President
Jean Todt, FIA president

Enquanto o presidente da FIA, Jean Todt, tem sido criticado pelos esforços daqueles que acreditam que a Fórmula 1 merece toda a sua atenção, poucos daqueles que viajam com o circo da F1 negaria que as normas de seguranças nas estradas pelo mundo são mais importantes do que deveriam ser.

Nos últimos anos, viajando para os GPs, tenho visto cabaças secas no lugar de capacetes nas motos, motoristas que cortam rotatórias e comboios de veículos na contramão à noite e com luzes apagadas. Embora essas práticas sejam ilegais em boa parte do mundo, em muitos países são práticas muito comuns.

Como consequência, não é nenhuma surpresa os números apresentados: 1,3 mi de pessoas morrem nas estradas por ano. São 500 crianças que perdem suas vidas por dia, ou uma a cada três minutos. Os acidentes rodoviários são a oitava causa de morte no mundo e a primeira entre jovens entre 15 e 29 anos.

Uma pandemia curável

A gripe asiática chegou às manchetes em 2003 relatando que 8.098 pessoas morreram em consequência da doença. A gripe aviária matou mais de 200 pessoas desde que o primeiro caso foi retratado em 1997, enquanto que a gripe suína já teve 230 mil mortes desde 2009. Essas epidemias contaram com esforços de médicos em escala mundial para conter a propagação da doença, mas a pandemia de mortes nas estradas foi aceita como uma batalha que somos incapazes de ganhar.

Escrevendo esta semana no site do Huffington Post, Todt expôs sua agenda de segurança rodoviária e os desafios a serem enfrentados atualmente por essas agências que lutam para melhorar os padrões de segurança rodoviária em todo o mundo. De acordo com o presidente da FIA, estamos em sério risco de não atingir as metas estabelecidas pela ONU.

Em seu apelo, Todt destaca a necessidade de uma mobilização das comunidades que cuidam da segurança rodoviária, líderes mundiais e governos para lutar por estradas mais seguras, veículos mais seguros e melhores regras de condução.

Ele acrescenta: "As ferramentas para conseguir tudo isso já estão à mão. Nas últimas décadas, sob os auspícios da UNECE, a ONU desenvolveu 58 convenções e acordos em relação ao transporte internacional. Muitos deles estão em uma enorme variedade de áreas de segurança rodoviária, como as regras de trânsito, a padronização dos sinais de trânsito e sinais, bem como normas de veículos.

"Esses instrumentos legais estão em vigor: sabemos como construir veículos mais seguros; sabemos como construir estradas mais seguras e sabemos dos benefícios das regras de trânsito."

Hora da pressão da opinião pública

A questão não é que o mundo está mal equipado para fazer as mudanças necessárias para melhorar os padrões de segurança rodoviária. O problema é que nós nos ficamos acostumados com as mortes nas estradas, e aceitamos que essas mortes são uma consequência natural da nossa dependência do automóvel.

Mas essa atitude pode - e deve - mudar. Através da pressão do clamor popular sobre os nossos governos, podemos impor uma mudança de atitude que, por sua vez afetam a regulação.

O financiamento para programas de segurança rodoviária em países em desenvolvimento - o lar de 91% de mortes nas estradas do mundo - pode ser obtida através da aplicação de modelos existentes à pandemia atual. Como tal, Todt sugeriu "a criação de um mecanismo de financiamento baseado no modelo de UNITAID na contribuição nas passagens aéreas".

"Isso assumiria uma forma de contribuição marginal sobre as vendas relacionadas ao setor automotivo", disse ele. "Esse mecanismo pode gerar rapidamente amplo financiamento, que poderiam então ser derramado em um Fundo Global das Nações Unidas para a Segurança Rodoviária, para ajudar os países em desenvolvimento a enfrentarem os desafios da segurança rodoviária".

Conclusão

Isso ajudaria no combate de mortes no trânsito das estradas em níveis locais, nacionais e mundiais.
Mas o primeiro passo é obter o público em geral entender isso, fazendo com que as normas de segurança de estrada melhorada como uma grande prioridade para os governos do mundo, lutando como se estivessem lutando contra os casos de gripe aviária, suína, entre outras.

Os esforços de Todt para divulgar a pandemia tem sido um excelente primeiro passo. O próximo é para que as pessoas trabalhem em conjunto para fazer passar a mensagem em um nível global.

Motorsport.com e GPTicketShop.com anunciam parceria global

Artigo anterior

Motorsport.com e GPTicketShop.com anunciam parceria global

Próximo artigo

Chris Evans pode apresentar novo Top Gear sozinho; Stig fica

Chris Evans pode apresentar novo Top Gear sozinho; Stig fica
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Geral
Autor Kate Walker