No Dia Mundial da Diabetes, pilotos provam que doença não é empecilho para desempenho em alto nível

Estrela norte-americana, multicampeão brasileiro e promessa do kart mostram que tratamento não impede glórias no esporte

No Dia Mundial da Diabetes, pilotos provam que doença não é empecilho para desempenho em alto nível

No Brasil, cerca de 11% da população convive diariamente com a diabetes, segundo levantamento da Federação Internacional de Diabetes. Apesar dos cuidados que o tratamento impõe, pilotos ao redor do mundo provam que a doença não é empecilho para um desempenho de alto nível no esporte a motor.

O editor recomenda:

O exemplo mais notório no cenário internacional é o do piloto Charlie Kimball, da IndyCar, diagnosticado com a diabetes tipo 1 - que é do tipo autoimune, ou seja, não tem cura - em 2007, quando tinha 33 anos de idade. Desde então, ele se tornou o primeiro piloto diabético a vencer uma corrida na categoria, em 2013, seu único triunfo.

Charlie Kimball

Charlie Kimball

Photo by: Michael L. Levitt / Motorsport Images

Kimball, que se tornou defensor dos movimentos de conscientização sobre a doença, convive normalmente com a diabetes. Os únicos ajustes que teve de fazer no carro foram um indicador do nível de sua glicemia no volante e um recipiente com suco de laranja, que ele toma quando seu índice glicêmico apresenta queda.

“Espero que consiga inspirar as pessoas para que, seja o que for que queiram fazer na vida, saibam que nada está fora de alcance”, disse ele ao Detroit News. “Atleta profissional, CEO de uma grande empresa, o que quiserem... Existe uma maneira de fazer com que a diabetes funcione para eles. É o meu objetivo quando converso com crianças, jovens e especialmente com famílias – incentivar os pais. É difícil e há pessoas que entendem o quanto é difícil”.

O exemplo do norte-americano não é isolado. No Brasil, Miguel Paludo, hexacampeão da Porsche Cup, convive com a diabetes tipo 1 desde os 21 anos. Hoje, com 37, não se sente prejudicado em relação aos rivais por ter de lidar com a doença.

Miguel Paludo, hexacampeão da Porsche Cup

Miguel Paludo, hexacampeão da Porsche Cup

Photo by: Luca Bassani

“O tratamento evoluiu e facilitou muito a monitorar a doença. Hoje usamos um aparelho que lê o nível glicêmico do sangue a cada cinco minutos”, afirmou o piloto ao Motorsport.com. “Fora competições de longa duração, como o Iron Man, em que a glicemia cai muito e você teria que repor, não tenho nenhuma limitação para a prática esportiva”.

Há alguns anos, o piloto passou a ter um companheiro no convívio com a diabetes de tipo 1. Seu filho, diagnosticado com oito meses de idade, também vive uma vida “completamente normal”, nas palavras do pai.

“Monitoramos ele o tempo todo, inclusive quando está na escola ou em casa de amigo. Se o nível de açúcar no sangue dele cai, uma notificação já aparece no nosso celular, então o risco é bem menor”.

A história de Miguel Paludo teve papel essencial na vida de Christian Mosimann, de 10 anos, que decidiu não parar de perseguir o sonho de competir profissionalmente no automobilismo. Há quatro anos com a doença, o garoto chegou a abandonar o kart quando descobriu que também tinha a diabetes tipo 1, mas mudou de ideia quando percebeu que, tomando os cuidados necessários, poderia voltar às pistas normalmente.

Flavia Mosimann, mãe de Christian, disse que a notícia de que o filho teria diabetes por toda a vida, no primeiro momento, assustou. Mas, hoje, o tratamento já virou uma rotina. A partir do momento em que o filho decidiu competir profissionalmente, passou a ter consultas periódicas com nutricionistas e endocrinologistas para montar um plano especial para treinos e corridas.

Christian Mosimann ao lado da mãe
Christian Mosimann ao lado da mãe
1/3

Foto de: Juliano Maesano

Christian Mosimann nas 500 Milhas de Kart
Christian Mosimann nas 500 Milhas de Kart
2/3

Foto de: Juliano Maesano

Christian Mosimann nas 500 Milhas de Kart
Christian Mosimann nas 500 Milhas de Kart
3/3

Foto de: Juliano Maesano

“As dosagens de insulina são diferentes quando há esforço físico ou adrenalina. O regulamento aponta que ele pode competir com diabetes, desde que monitorado”, contou ao Motorsport.com.

Ela afirma que as vitórias nas competições deram uma nova motivação para Christian. “O esporte tirou o foco do 'menino que tem diabetes' para o 'menino que anda de kart' e deu a possibilidade de ele se sentir igual aos outros, porque não há limitação”.

“Independente de ele se profissionalizar, o esporte já cumpre o seu papel”, completou.

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1, MotoGP e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

Entusiasta do Kart, Barrichello relembra dia em que Senna socou Irvine na Fórmula 1

PODCAST: O calendário 'pós-pandemia' da F1 2021 é o mais correto? Ouça o debate

 

.

compartilhar
comentários
Michele Mouton: Porque em breve as pilotos vão ganhar, como eu
Artigo anterior

Michele Mouton: Porque em breve as pilotos vão ganhar, como eu

Próximo artigo

Primeira etapa do Ultimate Drift na capital paulista inaugura um novo espaço para eventos no Sambódromo do Anhembi

Primeira etapa do Ultimate Drift na capital paulista inaugura um novo espaço para eventos no Sambódromo do Anhembi
Carregar comentários