Kanaan: “foi a corrida da minha vida”

Para piloto baiano, desempenho na pista foi superior ao da vitória no oval em 2013

Kanaan: “foi a corrida da minha vida”
Tony Kanaan, Chip Ganassi Racing Chevrolet
Tony Kanaan, Chip Ganassi Racing Chevrolet
Tony Kanaan, Chip Ganassi Racing Chevrolet, Juan Pablo Montoya, Team Penske Chevrolet
Tony Kanaan, Chip Ganassi Racing Chevrolet
Felix Serralles, Carlin, Tony Kanaan, Chip Ganassi Racing Chevrolet
Tony Kanaan, Chip Ganassi Racing Chevrolet

Não é exagero afirmar que o “fan favourite” em Indianápolis é o baiano Tony Kanaan. Vencedor em 2013 e protagonista de diversas jornadas memoráveis no oval mais famoso do mundo, o piloto da Ganassi desfruta de extrema popularidade entre os fãs da mais tradicional corrida dos Estados Unidos.

Neste domingo, com as 19 voltas que liderou com o carro #10, ele se isolou como o segundo colocado na lista dos pilotos que assumiram a dianteira em toda a centenária história da prova. Em 12 das 15 participações na Indy500, Tony liderou ao menos uma volta. Apenas o tetracampeão AJ Foyt tem mais corridas lideradas, com 13.

Depois de encerrar a edição número 100 em quarto lugar, o brasileiro disse que sua performance em 2016 foi mais expressiva que a de 2013, quando saiu com o título.

"Eu já corri muitas vezes aqui, e não sou de me gabar, mas essa foi a corrida da minha vida. Realmente foi uma das melhores corridas que eu já fiz aqui e, provavelmente, ainda melhor do que a que ganhei em 2013."

"Mas é por isso que essa prova é o que é. Nunca foi fácil e nunca será, mas vou lutar sempre. Eu só estou orgulhoso de participar dessa corrida especial, e ser capaz de experimentar essa atmosfera com tanta gente hoje. Essa é uma lição que eu vou levar pelo lado positivo, e usa-lá para me fazer melhor", afirmou Tony Kanaan.

compartilhar
comentários
Hildebrand se desculpa por incidente com Castroneves

Artigo anterior

Hildebrand se desculpa por incidente com Castroneves

Próximo artigo

Castroneves não perdoa erro de Hildebrand: "ridículo"

Castroneves não perdoa erro de Hildebrand: "ridículo"
Carregar comentários