Fórmula 1 Fórmula E IndyCar
R
Long Beach
16 abr
Canceled
R
Birmingham
16 abr
Próximo evento em
37 dias
NASCAR Cup
07 mar
Evento encerrado
Stock Car Brasil
26 mar
Próximo evento em
16 dias
23 abr
Próximo evento em
44 dias
MotoGP
25 mar
Próximo evento em
15 dias
R
GP da Argentina
08 abr
Postponed

Irmã de piloto do Brasileiro de Turismo busca medalha no Rio

Vanessa Cozzi, irmã de Marco Cozzi, começa hoje sua jornada na Rio 2016. Ela compete no remo há apenas dois anos

compartilhar
comentários
Irmã de piloto do Brasileiro de Turismo busca medalha no Rio
Gabriel Robe comemora
Cozzi lidera pelotão
Ação corrida
Cozzi no pódio

O espírito competitivo muitas vezes está no sangue. Que o diga a família Cozzi. Vanessa Cozzi faz sua estreia no remo da olimpíada do Rio neste domingo, às 11h, na Double-skiff peso leve feminino. Ela é irmã de Marco Cozzi, piloto do Brasileiro de Turismo, que atualmente ocupa a quarta colocação do campeonato.

Marco esteve em Interlagos neste sábado competindo pela Porsche GT3 Cup Challenge e disse que após a corrida, enfrentaria outra maratona para chegar ao Rio de Janeiro a tempo de ver a irmã. O piloto explicou como o esporte era tratado pela família.

"Nossos pais sempre nos incentivaram a fazer esporte e sempre no âmbito competitivo, dando o máximo e indo em todos os campeonatos de bicicleta, natação, de artes marciais e eu desde cedo comecei no kart, então comecei antes que ela, no kart e na natação."

Cozzi relata que Vanessa tinha outro esporte antes do remo.

"Só que não dava para conciliar as duas, minha irmã acabou entrando na minha vaga na natação e chegou a ser a terceira mais rápida do país, nadando pelo Vasco, São Caetano, entre outros clubes. Desde sempre ela treinou muito, oito horas por dia. Depois ela virou fundista e começou a ganhar provas de travessia, como algumas de 13 km em mar aberto."

E de quando aconteceu a mudança do esporte.

"Daí eu me profissionalizei, ela deu uma parada e casou com meu cunhado, que compete no remo há 20 anos. Ela o viu remando, acompanhou algumas vezes, viu que tinha categoria por peso, e em um ano ela já ganhou o campeonato paulista. Começou a se preparar para a olimpíada e ficou grávida, sem planejar, mas mesmo assim ela treinou no início da gravidez. Quando teve a criança ela treinava e dava de mamar, tudo para conseguir ir à Olimpíada, e deu certo."

"Ela rema há apenas dois anos e já conseguiu esse feito: ganhar o pré-olímpico na competição que acontece aqui no Brasil."

A maratona do fim de semana do piloto do Brasileiro de Marcas é apenas uma das demonstrações de companheirismo entre os irmãos.

"Quando um não passa por uma boa fase o outro sempre manda uma mensagem de força, pra ajudar na autoestima. É sempre legal ter o apoio de alguém que é esportista, que sabe o que falar."

Se o esporte foi incentivado pela família, como relata Marco, o patriarca é o responsável direto pela ascensão dos filhos. Maurício Cozzi, pai de Marco e Vanessa explicou a cultura imposta em casa e do orgulho de ver os dois competindo em alto nível.

"É extremamente gratificante. Eu gosto muito de esporte, mesmo nunca tendo participado de competições e tanto um como o outro estão conseguindo bons resultados."

"Isso molda o caráter das pessoas, necessita que você seja determinado, que tenha muita fé, essa parte religiosa é muito importante, a vida é uma competição o tempo todo. Ao mesmo tempo ensinei que era importante sempre respeitar seu adversário, ter lisura, ser aguerrido, mas naturalmente ter fé de que vai conseguir ganhar dos outros competidores."

"A Vanessa sempre foi determinada, mas ela não tinha um controle emocional quando era nadadora. Ela foi bicampeã carioca, mas na verdade todos chamavam ela de 'leão de treino', muito boa no treino, mas na hora da competição, o controle emocional não permitia que ela desse o máximo."

"Hoje ela é uma mulher madura, casada, tem um marido que foi campeão pan-americano de remo, e chegou aonde chegou em tão pouco tempo."

"Acho que a determinação facilita você chegar ao seu objetivo principal, além de nunca desistir, que é outra coisa importante. Quando sobe a bandeira e toca o hino nacional, puxa vida, é de emocionar."

"Sou italiano, minha mulher e filhos são brasileiros, mas naquele momento, gritei tantos 'vai Brasil', que foi uma coisa fora do comum."

Entrevistados por Gabriel Lima 

Feliz com 3º, Cozzi já pensa em vitória em Interlagos

Artigo anterior

Feliz com 3º, Cozzi já pensa em vitória em Interlagos

Próximo artigo

Rimbano vence prova agitada do Turismo em Interlagos

Rimbano vence prova agitada do Turismo em Interlagos
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Brasileiro de Turismo