Fórmula 1
R
GP de Portugal
30 abr
Próximo evento em
17 dias
06 mai
Próximo evento em
23 dias
20 mai
Próximo evento em
37 dias
R
GP do Azerbaijão
03 jun
Próximo evento em
51 dias
10 jun
Próximo evento em
58 dias
24 jun
Próximo evento em
72 dias
R
GP da Áustria
01 jul
Próximo evento em
79 dias
29 jul
Próximo evento em
107 dias
R
GP da Bélgica
26 ago
Próximo evento em
135 dias
02 set
Próximo evento em
142 dias
09 set
Próximo evento em
149 dias
23 set
Próximo evento em
163 dias
R
GP de Singapura
30 set
Próximo evento em
170 dias
07 out
Próximo evento em
177 dias
21 out
Próximo evento em
191 dias
28 out
Próximo evento em
198 dias
R
GP de Abu Dhabi
12 dez
Próximo evento em
243 dias

ANÁLISE: Equipes de F1 enfrentam dramas nas viagens devido Covid-19

Aumento das restrições de entrada na Inglaterra impactam planejamento das escuderias

ANÁLISE: Equipes de F1 enfrentam dramas nas viagens devido Covid-19

Com o início da temporada de 2021 da Fórmula 1 se aproximando, a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) e as equipes estão se preparando para mais um ano com os impactos da Covid-19.

Todos os envolvidos fizeram um trabalho brilhante de produzir uma temporada de 17 corridas em 2020. No entanto, as restrições de viagens aumentaram em muitos países e, portanto, as questões logísticas podem ser ainda mais desafiadoras do que antes.

Leia também:

As coisas são ainda mais complicadas pelo fato de que o Reino Unido, a casa de sete equipes de F1, é agora amplamente considerado um campo forte do coronavírus.

A notícia de que o GP de Portugal está marcado para 2 de maio é um sinal positivo. Porém, parece inevitável que o cronograma planejado de 23 etapas mude mais de uma vez nos próximos meses.

Na verdade, as medidas de restrições de viagens tiveram um impacto sobre as equipes e fornecedores de unidades de energia antes mesmo do início da temporada, já que é o momento em que todos trabalham para preparar seus novos carros.

É uma questão de mão dupla. As isenções de quarentena que foram concedidas aos funcionários da F1 que viajaram para as corridas em 2020 não se aplicam às chegadas no Reino Unido, já que essas viagens não estão diretamente relacionadas aos eventos.

Ao mesmo tempo, a maioria das pessoas que viaja para a Inglaterra enfrenta fortes restrições de quarentena ao retornar aos seus países de origem.

Atletas de elite continuam qualificados para entrar no país, sob certas restrições, e é por isso que vimos fotos de Sebastian Vettel, Daniel Ricciardo e Sergio Perez visitando as fábricas.

No entanto, mesmo um chefe de equipe como Toto Wolff não está atualmente isento da quarentena e, portanto, o austríaco permaneceu em seu país desde o Natal.

Toto Wolff, Diretor Executivo, Mercedes AMG

Toto Wolff, Diretor Executivo, Mercedes AMG

Photo by: Steve Etherington / Motorsport Images

Algumas equipes são relativamente autossuficientes, pois suas operações de chassi e unidade de potência estão no mesmo país - isso obviamente vale para Ferrari e Mercedes, bem como para as equipes clientes da fabricante alemã, Aston Martin e Williams.

Enquanto outras equipes dividem suas operações em dois países. O departamento de motores da Renault fica na França, o que significa que normalmente há muitas viagens de ida e volta para a base da Alpine em Enstone, enquanto a McLaren usa o túnel de vento da Toyota em Colônia.

Ambas as equipes tiveram que se planejar enfrentaram desafios de logística extras que as restrições da Covid-19 trouxeram.

No entanto, a equipe com a maior dor de cabeça é provavelmente Haas. Sua instalação fica no Reino Unido, enquanto o departamento de design, maior parte da produção, incluindo motores e caixa de câmbio Ferrari estão todos na Itália.

Também há o chefe da equipe Gunther Steiner, que passa as férias em sua casa nos Estados Unidos, e este ano optou por ficar lá em vez de retornar à fábrica de Banbury.

“Normalmente volto entre janeiro e fevereiro, entre os dois meses, mas este ano não fui”, disse Steiner.

"Vou direto para os testes no Bahrein, para evitar qualquer dificuldade ou algo assim."

A operação de divisão da Haas significa que normalmente nesta época do ano haveria muita movimentação entre a Itália e a Inglaterra, mas isso simplesmente não está acontecendo em 2021.

Isso levou a algumas mudanças, principalmente ao fato de que os carros estão sendo construídos em Banbury, e não na Itália, como geralmente é o caso. Assim, os mecânicos baseados na Grã-Bretanha não tiveram que viajar.

Guenther Steiner, Haas F1

Guenther Steiner, Haas F1

Photo by: Andy Hone / Motorsport Images

 

Essa decisão também foi impulsionada pelo congelamento do desenvolvimento - a fábrica do Reino Unido tem um bom estoque de peças com especificações de 2020 que vão direto para a construção para os carros deste ano.

“Não é fácil, porque se as pessoas vierem para o Reino Unido, elas terão que entrar em quarentena”, declarou o chefe da Haas.

"E isso não é algo produtivo. Portanto, é impactante. Você precisa se ajustar para encontrar maneiras de contornar isso. E os caras encontraram maneiras de contornar isso.”

"Estamos construindo o carro no Reino Unido este ano. Há muitas peças transportadas do ano passado, então é a melhor maneira de unir tudo. Há menos peças novas no carro, mas ainda há novas partes.”

"Eu não diria que tudo é feito na Itália. A grande questão é que é projetado lá. Então você quer seu pessoal técnico por perto, seus designers, porque, se houver problemas, pelo menos eles estão perto das pessoas, é o que fazemos normalmente”, explicou.

“Nós não decidimos construir o carro no Reino Unido apenas por causa da pandemia, porque são peças transportadas, e nós as conhecemos. Há mais peças no momento no Reino Unido do que na Itália. teria que levar tudo para a Itália para construí-lo. Isso não fazia sentido. "

As maiores mudanças em cada carro de 2021 são na aerodinâmica, então novas peças da carroceria agora terão que ser enviadas para Banbury.

“As peças que mudaram estão em produção agora”, disse Steiner. "Parcialmente construídas na Itália, parcialmente construídas no Reino Unido, elas são construídas em todos os lugares. E todas elas vão este ano para o Reino Unido, em vez de ir para a Itália, como nos anos anteriores."

Como as outras equipes de F1, a Haas mudou sua maneira de trabalhar, com as pessoas ficando em casa se puderem.

“A equipe de design está na Itália e parte dela trabalha em casa”, declarou. "Eles têm um sistema de turnos funcionando e às vezes vão ao escritório por alguns dias.”

"No Reino Unido é a mesma coisa. Os engenheiros de corrida e todos os engenheiros de desempenho trabalham principalmente em casa, eles vão quando precisam.”

"E a mecânica funciona em turnos. São basicamente duas bolhas, então se uma bolha for afetada, você ainda pode continuar a trabalhar.”

"Se você tem todo mundo lá, e alguém pega coronavírus, você tem que colocar todos em quarentena, e então você não pode construir o carro.”

“Portanto, temos um turno da manhã e um turno da tarde. Você apenas divide as pessoas, o que também não é o ideal, e não é a maneira mais eficiente de fazer as coisas. Mas, no momento, é isso que tem que ser feito.”

"E sempre testamos as pessoas continuamente também, para garantir que ninguém tenha pegado”, explicou. “Não tivemos nenhum caso”.

Outro grande problema para Haas é que os engenheiros da Ferrari não podem viajar para a Inglaterra sem enfrentar quarentena, isso significa que eles não estarão no local para ligar o motor quando o novo carro estiver pronto, e não pode ser iniciado sem eles.

A primeira partida de qualquer carro novo é mais do que um golpe de relações públicas - é uma verificação crucial do sistema que as equipes estão acostumadas a fazer. É menos crítico com um carro que não mudou muito entre as temporadas, mas ainda vale a pena fazer.

“A partida será no Bahrein”, disse o chefe da equipe americana. “Os motores voltam para Maranello, e então voltam para a pista de corrida e vão direto para o carro. Portanto, não é nada novo.”

"Mas não é o ideal, porque ainda há, como eu disse, algumas peças novas. Você quer fazer o máximo que puder em casa.”

"Se você não pode, então você precisa encontrar maneiras, mas acho que ficaremos bem. Contanto que soe bem quando ligarmos pela primeira vez, não é um problema!"

Trabalho italiano da Honda

Restrições rígidas na entrada do Japão dificultaram a vida do pessoal da Honda durante todo o ano passado, mas a empresa mantém um grupo central em tempo integral em sua base da F1 em Milton Keynes - incluindo alguns funcionários britânicos - e eles podem cuidar dos requisitos da Red Bull.

No entanto, a vida tem sido um pouco mais complicada para a Honda atribuído à AlphaTauri.

Masashi Yamamoto, com membro da equipe AlphaTauri.

Masashi Yamamoto, com membro da equipe AlphaTauri.

Photo by: Andy Hone / Motorsport Images

 

Uma dúzia de membros da equipe foram obrigados a permanecer na Itália por várias semanas para supervisionar o programa de testes do carro de 2018 do piloto Yuki Tsunoda, junto com o shakedown do modelo 2021 da equipe.

"Os rapazes vieram aqui por volta de 11 de janeiro", disse o dirigente da AlphaTauri, Graham Watson. "E eles estão fora desde então, e vão ficar aqui até depois de um teste em 23-25 de fevereiro em Ímola. Então, para eles, isso teve um grande impacto.”

“Para os japoneses, não acho que seja um grande problema, porque a maioria deles vive por conta própria em Milton Keynes. Mas para os caras do Reino Unido que têm família, é um pouco mais difícil.”

"E, além disso, alguns deles irão diretamente daqui para o Bahrein, embora a maioria esteja voltando para a Inglaterra.”

"Então, quando você começar a viajar para os testes no Bahrein, você desliza para a isenção do governo, porque faz parte da equipe de apoio ao esporte profissional."

A escuderia secundária da Red Bull tem outra dor de cabeça, porque, como a McLaren, o túnel de vento que usa fica em outro país.

Muitos dos aerodinamicistas associados da equipe à operação do túnel em Bicester são residentes britânicos, mas alguns funcionários italianos costumam se deslocar de Faenza.

A equipe também costuma enviar engenheiros para Milton Keynes quando seus pilotos estão no simulador da Red Bull; por exemplo, o simulador de Bahrain foi agendado para mais tarde do que o normal.

“Nossa equipe foi mais afetada do que esperávamos”, disse Watson. "Nos anos anteriores, houve muitos cruzamentos entre Faenza e Bicester, para fazer as pessoas irem e virem.”

"E este ano, até agora, não temos ninguém indo a lugar nenhum, por causa da quarentena do Reino Unido. Então você perde a pessoa dessa forma.”

“Quando eles voltam para a Itália, tem uma quarentena obrigatória de 14 dias.”

"Isso teve um efeito indireto e definitivamente nos impediu de mover as pessoas.”

"Nos últimos dias, foi anunciado um pouco mais de liberdade na Itália, voltada para esportistas de elite e sua equipe de apoio. Acho que como a temporada está se aproximando, talvez eles só quisessem relaxar um pouco”, explicou.

Yuki Tsunoda, AlphaTauri AT01

Yuki Tsunoda, AlphaTauri AT01

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

Não é apenas a movimentação das pessoas que as equipes precisam manter sob controle.

Motores e caixas de engrenagens estão se movendo regularmente através das fronteiras de fornecedores para equipes, enquanto a AlphaTauri envia itens de teste de túnel de vento para Bicester, geralmente por estrada, e recebe peças de tamanho real da Red Bull.

A pandemia do coronavírus diminuiu o transporte nos portos da Inglaterra, enquanto o Brexit também teve um impacto, e as equipes agora têm muito mais papelada para preencher e custos para pagar.

“Fazemos peças aqui que vão para o túnel”, disse o chefe da AlphaTauri. “São predominantemente rodoviários, pois são carregamentos bem grandes.”

“O Brexit teve um efeito muito grande nisso, mais do que a Covid-19, eu diria. E tivemos que incluir um pouco de contingência no planejamento.”

“Os portos também se tornaram um problema. Dá para perder um ou dois dias no porto, dependendo do que está acontecendo no momento.”

"Mas do lado do coronavírus, o Reino Unido é bastante tranquilo com relação ao transporte vindo em ambas as direções, de volta à França também, desde que você mostre o teste. Não tem sido tão ruim desse lado."

O início da temporada e a transição para isenções de viagens relacionadas a eventos em paralelo com os protocolos estritos da FIA sobre os testes de Covid-19 tornarão a vida mais fácil.

Até então, as equipes querem obedecer aos regulamentos relevantes, sabendo que eles existem por um motivo.

"Isso simplesmente não está acontecendo este ano, porque é muito difícil", disse Steiner sobre o trajeto habitual de sua equipe entre a Inglaterra e a Itália.

“E acho que devemos respeitar também todas as regras e o que está acontecendo.”

"Quero dizer, se você não pode fazer isso, você não faz. Você só precisa encontrar maneiras de contornar, como fazem outras indústrias", concluiu. 

 

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

 

BAND terá F1 com transmissão MAIOR e divisão entre TV ABERTA e FECHADA; entenda como será COBERTURA

 

Podcast #088 - F1 na Band e o 'fico' de Hamilton: o que esperar de 2021?

 

 

compartilhar
comentários
F1: Mercedes se vê entre lealdade a Hamilton e necessidade de se preparar para futuro

Artigo anterior

F1: Mercedes se vê entre lealdade a Hamilton e necessidade de se preparar para futuro

Próximo artigo

Poderosos, emocionantes e sustentáveis: entenda como F1 mira nova geração de motores

Poderosos, emocionantes e sustentáveis: entenda como F1 mira nova geração de motores
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Adam Cooper