Análise

Análise F1: Mercado de pilotos enfrentará cenário inédito em 2024; confira

Na próxima temporada veremos novamente os mesmos vinte pilotos que estão correndo neste campeonato, tudo o que falta é a confirmação de Sargeant, que está finalizando sua renovação, para encontrar um grid inalterado de um ano para o outro


Lewis Hamilton, Mercedes-AMG

Falta apenas uma confirmação, na Williams, para que o tabuleiro de xadrez das equipes e pilotos seja completado para a temporada 2024 da Fórmula 1. Se Logan Sargeant renovar seu contrato com o time inglês (e as negociações indicam que este será o caminho), um cenário sem precedentes em todas a história da categoria tomará forma: todas as duplas que terminarão 2023 estarão juntas em 2024.

Uma situação sem precedentes nas 74 edições já realizadas, cujas razões estão sendo analisadas no paddock. Estamos diante de uma coincidência ou de uma tendência?

Leia também:

As vintes confirmações são provavelmente resultados de ambas, mas é inegável que nas últimas temporadas as equipes têm optado por uma política mais livre de riscos e apostas possível. Toda decisão sempre envolve uma margem de erro e isso muitas vezes desencoraja os responsáveis pelos esquadrões. 

A abordagem gerencial tende a minimizar as decisões que podem ser contraproducentes, mas também há outros motivos para esse cenário, alguns óbvios, outros mais ocultos e o resultado de políticas que se tornaram cada vez mais extremas ao longo do tempo.

Max Verstappen, Red Bull RB19

Max Verstappen, Red Bull RB19

Foto de: Mark Sutton / Motorsport Images

A combinação vencedora não muda

Em 2024, Lewis Hamilton disputará sua décima segunda temporada na Mercedes e Max Verstappen sua nona na Red Bull. Nesses dois casos, o relacionamento com suas respectivas equipes foi consolidado pela mais poderosa das colas: o sucesso.

Seis títulos mundiais, no caso de Hamilton, e quase três para Max, são bons motivos para não procurar alternativas. Com o contrato assinado nesta temporada, Lewis chegará a pelo menos treze temporadas com a Mercedes, o mesmo número que Max alcançará ao final do acordo assinado com a Red Bull, que expira no fim de 2028.

Um dos efeitos desses contratos estendidos é fechar a porta para novos candidatos. Se duas equipes de ponta se encontrarem fora do mercado (pelo menos no que diz ao âmbito dos pilotos), as oportunidades caem drasticamente, especialmente para aqueles que estão em busca de novos 'ares'.

Na ausência de oportunidades de crescimento, muitos pilotos se veem forçados a permanecer onde estão enquanto esperam por tempos melhores. Esse é o caso de Lando Norris, um piloto que, em um mercado aberto, teria sido muito desejado, mas que, no momento, se vê forçado a esperar pelo crescimento na McLaren para almejar seu primeiro sucesso na Fórmula 1. Isso, pelo menos, até o final da temporada de 2025, quando seu contrato atual expira.

Lando Norris deve sperare nella crescita McLaren per vincere il primo GP

Lando Norris precisa torcer pelo crescimento da McLaren para vencer seu primeiro GP

Foto de: Steven Tee / Motorsport Images

Contratos dos pilotos: relacionamentos longos

Equipe

Piloto Temporadas na equipe (em 2024)

Mercedes

Lewis Hamilton

12

Red Bull

Max Verstappen

9

Haas

Kevin Magnussen

7*

Ferrari

Charles Leclerc

6

McLaren

Lando Norris

6

Aston Martin

Lance Stroll

6

Red Bull

Sergio Perez

4

Ferrari

Carlos Sainz

4

Alpina

Esteban Ocon

4

AlfaTauri

Yuki Tsunoda

4

AlphaTauri

Daniel Ricciardo

4*

Williams

Alexander Albon

3

Mercedes

George Russell

3

Alfa Romeo

Guanyu Zhou

3

Alfa Romeo

Valtteri Bottas

3

McLaren

Oscar Piastri

2

Alpine

Pierre Gasly

2

Aston Martin

Fernando Alonso

2

Williams

Logan Sargeant

2**

Haas

Nico Hulkenberg

2

                                                     * em dois ciclos

                                                     ** a ser confirmado

 

O novo "obrigatório" em tempos de limite orçamentário é a qualidade

"Você só precisa ter o dinheiro". Durante muitos anos, a impressão de que um lugar no grid da Fórmula 1 podia ser obtido com dinheiro foi apoiada por vários casos reais. O primeiro grande passo em direção a uma maior meritocracia foi dado em 2015, com a introdução do sistema de pontos para a concessão da Superlicença necessária para entrar na categoria.

Uma mudança desejada pelo então presidente da FIA, Jean Todt, com o objetivo de frear a chegada de pilotos antiéticos, dispostos a tirar proveito das dificuldades financeiras das equipes. No entanto, outro objetivo permaneceu, alcançado após o período da Covid.

A introdução do limite orçamentário aumentou exponencialmente o valor das equipes na Fórmula 1, e o sucesso comercial alcançado pela Liberty Media aumentou a receita das equipes.

A independência financeira, status também alcançado pelas equipes da segunda metade do grid, permitiu que esses times não dependessem mais do apoio financeiro dos pilotos, podendo escolher quem colocar ao volante de seus carros sem depender exclusivamente de 'dote' financeiro.

Esse é um novo cenário, no qual as candidaturas de pilotos de segunda categoria, que no passado estavam lá por uma ou duas temporadas antes de se dedicarem a outra coisa, desapareceram quase completamente. Hoje, as escolhas são mais voltadas para a qualidade, uma exigência que também levou a relações mais estáveis e a raras críticas das equipes aos seus pilotos.

Oscar Piastri, McLaren

Oscar Piastri, McLaren

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

Juntamente com a Superlicença, a FIA também quis deixar mais claro o caminho que os jovens pilotos precisam seguir para aspirar a entrar na Fórmula 1. Embora em 2018 os três primeiros colocados no campeonato de Fórmula 2 tenham sido George Russell, Lando Norris e Alexander Albon, nos últimos anos os níveis de pilotos oferecidos não foram considerados atraentes pelas equipes. Houve uma exceção, Oscar Piastri.

O nível de exigência foi elevado, hoje não basta vencer, mas é preciso fazê-lo rapidamente. Em uma Fórmula 1 sem testes, a candidatura de um jovem que levou duas temporadas para se impor nas categorias preparatórias já é objeto de reflexão e, diante de carreiras menos empolgantes que a de Piastri, a abordagem dos chefes de equipe é muito cautelosa.

Sem a possibilidade de agendar testes, é improvável que uma equipe atribua um de seus carros a um novato que, pelo menos no papel, não se apresenta com as melhores credenciais. É melhor ter um "carro usado seguro" do que correr o risco e esse aspecto também contribui para a estabilidade geral.

Charles Leclerc, Ferrari SF-23

Charles Leclerc, Ferrari SF-23

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

Pilotos blindados por contratos muito longos

Quando, em 3 de março do ano passado, a Red Bull oficializou a extensão do contrato de Verstappen até o final da temporada de 2028, não faltaram reações de espanto. Não foi, no entanto, o primeiro caso de acordos decididamente longos em comparação até mesmo com o passado recente, já que no final de 2019 a Ferrari ofereceu a Leclerc um contrato de nada menos que cinco temporadas.

Essa tendência não se deve às exigências dos pilotos, mas ao desejo das principais equipes de se protegerem da possibilidade de perder um "ativo" de valor absoluto caso passem por um ciclo técnico difícil, como aconteceu com a própria Ferrari no período 2020/2021.

Mesmo os jovens vindos dos programas "juniores", quando estreiam na fórmula principal, ficam presos por pelo menos três temporadas, o que é o preço a pagar por uma equipe que investiu apoiando suas carreiras nas categorias preparatórias.

Mais uma vez, a exceção é Piastri, que no ano passado conseguiu se desvincular da Alpine de forma sensacional, já que a equipe havia ultrapassado o prazo em que deveria ter garantido a ele um lugar de piloto para a temporada de 2023.

A McLaren, a equipe com a qual Piastri estreou, se protegeu com uma opção a seu favor exercida há duas semanas, garantindo a presença do australiano até o final de 2026.

Há também um último aspecto que não favorece uma mudança de geração como no passado, e está relacionado ao estado de forma de veteranos como Alonso e Hamilton. O espanhol completará 43 anos no ano que vem, mas o desempenho que ele está apresentando para a Aston Martin certamente não é o de um piloto em ascensão.

Hamilton também comemorará seu 40º aniversário como piloto da Mercedes em 2025, e é improvável que ele o faça sem os recursos necessários para deixar sua marca. Daqui a dois anos, Lewis enfrentará sua 19ª temporada na Fórmula 1, e nem todos estão convencidos de que será a última.

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast #250 – Andretti é aprovada pela FIA para F1. E agora?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Verstappen reage à comparação com Schumacher feita por Vettel
Próximo artigo F1: Red Bull já teria nome para substituir Pérez em 2024 caso necessário

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil