Análise

ANÁLISE: Por que Alpine achou que valia a pena arriscar com motor 'ousado' em 2022

Equipe alega que riscos foram totalmente calculados uma vez que, com motores congelados, não há maneiras de extrair mais potência

Esteban Ocon, Alpine A522

O início da nova era de congelamento de motores da Fórmula 1 no ano passado marcou o melhor e o pior dos tempos para a parceria de motores entre a Alpine e Renault - do qual vimos muitos acontecimentos ao longo da temporada de 2022.

Leia também:

Do lado positivo, sua renovada unidade de potência Renault E-Tech RE22 garantiu um avanço decente em cavalos de potência, mas também um design compacto que ajudou na 'embalagem' do carro A522 para ajudar a melhorar sua aerodinâmica. Mas a busca por ganhos agressivos teve suas desvantagens. Muitas vezes Fernando Alonso e Esteban Ocon viram as oportunidades de pontos evaporarem devido a falhas de motor.

No final do ano, não foi nenhuma surpresa encontrar Alonso especialmente infeliz com a quantidade de problemas que enfrentou e o preço que pagou pessoalmente por isso.

"Acho que foi em torno de menos 50 [pontos], então agora temos mais oito", disse ele após o desgosto de sua saída do GP do México. “Portanto, são menos 58 pontos ou menos 60 em um ano, o que é realmente inaceitável no meu carro.”

Mas, apesar dos momentos difíceis que às vezes faziam parecer que a Renault havia errado muito, a verdade de sua situação era de riscos calculados. Assim como a Ferrari havia feito, a Renault sabia que, com o congelamento do motor chegando até o final de 2025, não havia espaço para segurar o desempenho com o que estava competindo no ano passado.

Com as mudanças técnicas permitidas apenas para problemas de confiabilidade assim que a temporada começou, qualquer potência deixada de lado com o motor de especificação 2022 seria efetivamente perdida para sempre. A tática, portanto, era jogar tudo para trazer desempenho desde o início: mesmo que isso significasse que as coisas não fossem tão confiáveis inicialmente quanto deveriam ser.

Embora isso corresse o risco de abrir a porta para o tipo de problema que a Alpine enfrentaria, sempre foi um caso de 'dor de curto prazo' para ganhos de longo prazo. A recompensa viria mais tarde, pois, quando as correções de confiabilidade estivessem em vigor, o produto final seria muito melhor em geral do que um projeto de lançamento inicial de especificação inferior super seguro.

O chefe de motores da Renault na F1, Bruno Famin, disse que estava longe de ser uma abordagem conservadora.

“Na verdade, corremos muitos riscos”, disse ele, refletindo sobre a situação no ano passado. “O risco que corremos foi tentar desenvolver o motor o mais leve possível e correr o risco de não fazer todo o processo de validação que faríamos normalmente. Nós realmente queríamos forçar até o último momento e tivemos alguns problemas. Mas realmente queríamos forçar o máximo no lado do desenvolvimento.”

The car of Esteban Ocon, Alpine A522, on fire in Parc Ferme

The car of Esteban Ocon, Alpine A522, on fire in Parc Ferme

Photo by: Andy Hone / Motorsport Images

Famin reconhece que sua abordagem desencadeou alguns momentos difíceis em 2022, mas ele está convencido de que foi a coisa certa a fazer.

“Acho que a estratégia foi boa, mesmo com alguns problemas”, explicou. “Tivemos problemas em Singapura. Dois de fato que foram muito estranhos porque ter dois problemas diferentes em oito voltas foi inacreditável. Mas todos os outros problemas que tivemos foram muito mais do lado dos auxiliares: bomba de água, bomba de combustível e isso é algo que estamos bastante otimistas de que seremos capazes de resolver em 23.”

A Alpine está de fato trabalhando em uma bomba de água renovada para 2023 e ajustando outros auxiliares, para tentar garantir que não haja repetição da escala de dramas de confiabilidade que enfrentou no ano passado. O que isso significa é que os problemas de confiabilidade não desencadearam nenhuma necessidade de sacrificar o desempenho para jogar pelo o que é seguro, o que é exatamente o que se esperava.

“Acho que não vamos retroceder em nada”, acrescenta Famin sobre as etapas previstas para este ano. “Vamos trabalhar e já estamos trabalhando profundamente nos detalhes, principalmente na parte auxiliar. Mas a segunda parte é que estamos forçando nossos processos de validação, tentando melhorá-lo e tentando fazê-lo da melhor maneira possível para um jeito muito melhor do que fizemos para 2022.

“Se não o fizemos totalmente em 2022, não foi porque não quisemos. Em vez disso, é porque preferimos priorizar o lado do desenvolvimento. Então, a meta para 2023 é manter o mesmo nível de desempenho e tornar tudo confiável.”

Fernando Alonso, Alpine F1 Team, climbs out of his car after retiring from the race

Fernando Alonso, Alpine F1 Team, climbs out of his car after retiring from the race

Photo by: Carl Bingham / Motorsport Images

Com o congelamento em vigor, Famin reconhece que será difícil para a Alpine obter mais ganhos de desempenho, mas ele deixa claro que isso não significa que deixará de buscar caminhos para desencadear um ritmo extra.

“Não há margem real para ser honesto, porque você geralmente não pode melhorar o desempenho do motor”, diz ele. “O que podemos fazer é tentar melhorar o desempenho do carro, como por meio da embalagem, por exemplo. Podemos imaginar mudar uma linha de admissão ou mudar a linha de escape, para permitir que nossos colegas de Enstone façam uma melhor aerodinâmica.

“Também estamos trabalhando na gestão de energia. Mas, novamente, seremos muito limitados. Teremos apenas uma versão de software por ano agora, então será muito limitada. A ideia é progredir, mesmo que seja uma margem muito pequena. Não é desempenho puro. É mais dirigibilidade e integração/ganhos aerodinâmicos.”

Os retornos podem estar diminuindo, mas essa foi a razão pela qual a Alpine fez sua aposta no ano passado. Agora, 2023 mostrará adequadamente se sua tática arriscada valeu a pena.

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast #213 – Briga por 11ª equipe escancara crise entre FIA e F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1 - Dois anos, 45 milhões de euros e 'cargo' de embaixador: novo contrato de Hamilton com a Mercedes
Próximo artigo F1: Magnussen vê 2022 como ano importante para 'reinício' da Haas

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil