Fórmula 1 Lançamento da Alfa Romeo

Análise técnica: Como novo carro da Alfa Romeo funde ideias de Red Bull e Ferrari

C43 foi o primeiro modelo a ser apresentado de maneira ‘real’, enquanto outras equipes apresentaram apenas pinturas

Alfa Romeo C43

Análise técnica de Giorgio Piola

Análise técnica de Giorgio Piola

A Alfa Romeo é a primeira equipe a revelar seu carro de Fórmula 1 de 2023, após os três lançamentos anteriores serem apenas pinturas.

Embora esteja claro que o C43 abriga alguma influência de seu antecessor, também há uma infinidade de novos recursos para se discutir.

Leia também:

Isso não é importante apenas em termos deste carro, mas também estabelece a direção que podemos ver outros times tomando em 2023.

Os recursos principais nos quais precisamos nos concentrar são os sidepods e a borda do assoalho.

Os sidepods em particular parecem se inspirar tanto na Red Bull quanto na Ferrari, com tamanho e formato de entrada muito semelhantes ao que vimos na escuderia italiana em 2022.

Alfa Romeo C43, detail

Alfa Romeo C43, detail

Photo by: Alfa Romeo

Dado o uso da unidade de potência da Ferrari, isso pode não parecer incomum, mas, em vez de se apropriar da solução completa de sidepod estilo banheira vista no F1-75, a Alfa Romeo buscou inspiração na Red Bull.

Isso não vem apenas na forma de solução na rampa de downwash, mas também na abordagem de prateleira adotada com a tampa do motor.

No entanto, é uma decisão que não gira apenas em torno de ganhos aerodinâmicos, com uma compensação feita para acomodar uma solução de resfriamento de linha central mais eficiente para a qual a equipe não pôde mudar durante a temporada passada.

A equipe também combinou essas mudanças com alterações em sua suspensão traseira e caixa de câmbio, que não só renderão frutos do ponto de vista mecânico, mas também funcionarão em harmonia com as outras mudanças de design aerodinâmico, especialmente observando o grande rebaixamento e afunilamento feito para incentivar a passagem dos fluxos de ar para a região da ‘garrafa de Coca-Cola’.

Você também notará que, para complementar a saída de resfriamento traseira menor, a equipe instalou brânquias de resfriamento na superfície superior do sidepod e na área da prateleira da tampa do motor.

É provável que estejamos vendo o carro em uma configuração de resfriamento máximo nessas fotos, já que outras equipes que seguiram essa direção na temporada passada muitas vezes não tinham essas brânquias abertas o tempo todo, usando painéis de carenagem intercambiáveis como um meio de se mudar isso.

Alfa Romeo C43, detail

Alfa Romeo C43, detail

Photo by: Alfa Romeo

A asa da viga também foi tratada com uma nova geometria, pois encontramos uma borda de fuga ondulada da aba superior, semelhante à solução semelhante a um tubérculo que vimos a McLaren usar em sua asa traseira em 2014.

A borda do piso também é diferente do que vimos na temporada passada, que é principalmente uma resposta à mudança no regulamento que exige uma elevação de 15 mm.

Obviamente, as equipes veem essas mudanças no regulamento como uma oportunidade, em vez de lamentar as vantagens que podem ter perdido como consequência.

No caso da Alfa Romeo, optou-se por executar as seções dianteira e traseira do piso na altura mais baixa que ainda é permitida, mas no meio, descobrimos que o piso foi cortado em várias abas. Isso deve trabalhar mais o fluxo de ar e ajudar a preencher a lacuna de desempenho aberta pelas mudanças regulatórias.

No entanto, como vimos no passado, embora pareça uma abordagem interessante, essa parte do carro provavelmente evoluirá rapidamente e pode até ser uma versão inicial do que a equipe trabalhou.

Os espelhos retrovisores maiores exigidos pelos regulamentos também se manifestaram em uma montagem muito mais ampla no C43, com seu corpo claramente afilado de forma semelhante ao sidepod abaixo.

Alfa Romeo C43, detail

Alfa Romeo C43, detail

Photo by: Alfa Romeo

Após o acidente envolvendo Guanyu Zhou em Silverstone no ano passado, foram feitas alterações nos regulamentos relativos ao design do santantônio para 2023, com regulamentos ainda mais rigorosos para 2024.

Enquanto isso, a diferença mais óbvia entre este carro e o do ano passado é a pintura, com a equipe aproveitando a mudança de branco e vermelho para preto e vermelho como forma de economizar peso.

Esta foi uma abordagem adotada por muitos de seus rivais na última temporada, quando eles retiraram segmentos de sua pintura para expor o carbono nu da carroceria. Isso os ajudou a diminuir o peso total do carro e a tentar se aproximar do mínimo especificado nos regulamentos.

O processo provavelmente economizou apenas um punhado de gramas, mas tudo conta em termos de tempo de volta. E, com uma abordagem básica para isso em termos de design da pintura, sem dúvida há mais coisas que podem ser salvas.

Como a Red Bull-Ford impacta Honda, Porsche e toda a F1; veja debate

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast: novo chefe da Ferrari erra ou acerta nos primeiros atos?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

 

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Após mistério, Ferrari finalmente define nome de carro de 2023
Próximo artigo F1: Por que a Alfa Romeo manteve design que causou polêmica em acidente de Zhou?

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil