Ex-fisioterapeuta revela abordagem pioneira que tornou Senna tão especial

No aniversário da morte de Ayrton Senna, o que tornou brasileiro tão especial com o homem que o conheceu de perto?

Ex-fisioterapeuta revela abordagem pioneira que tornou Senna tão especial
Carregar reprodutor de áudio

Em uma época em que a Fórmula 1, como um todo, se tornou mais profissional, Ayrton Senna é frequentemente creditado por mudar a abordagem dos pilotos em um fim de semana de corrida, levando a preparação física e mental a um nível mais alto.

A rivalidade na McLaren entre Senna e Alain Prost foi uma grande força motriz nessa mudança de atitude. Enfrentando um piloto que provou estar no mesmo nível, Senna entendeu que era necessário fazer de tudo para ter vantagem sobre o francês.

O editor recomenda:

Para Senna, uma dessas arestas era desenvolver um relacionamento próximo com o novo fisioterapeuta da McLaren, Josef Leberer.

Leberer chegou à F1 no início da temporada de 1988, substituindo seu colega professor austríaco, Willi Dungl. Aos 29 anos, o fisioterapeuta acabou imediatamente na poderosa McLaren-Honda de Ron Dennis. Naquela temporada, Senna e Prost venceram quase todas as corridas no auge do domínio da equipe, com o espetacular McLaren MP4/4.

Ayrton Senna receives a hand massage from physio Josef Leberer ahead of the 1988 Mexican Grand Prix

Ayrton Senna receives a hand massage from physio Josef Leberer ahead of the 1988 Mexican Grand Prix

Photo by: Sutton Images

Para um jovem profissional como Leberer, a equipe perfeccionista da McLaren da era Dennis era um ambiente intimidador.

"Eu era mais ou menos experiente, mas ainda assim foi um grande passo para mim, porque não sabia o que eles esperavam", disse Leberer ao Motorsport.com.

“Eu apenas tentei fazer o que aprendi da minha intuição e fazer o meu melhor. O doutor Dungl disse: 'Você não pode se preparar para isso, apenas faça. Você é bom em terapia e bom em comunicação’. "

Leberer então enfrentou a difícil tarefa de conquistar a confiança de dois dos personagens mais difíceis e competitivos do esporte, mas um incidente em particular durante seu primeiro evento com a McLaren, o GP do Brasil de 1988 no Rio, lhe deu uma chance de encontrar uma maneira de entrar.

"Na sexta-feira, Prost sofreu um acidente e teve dor de cabeça", contou Leberer. "Houve uma enorme pressão sobre mim após o acidente, porque eu estava sozinho.”

"Fiquei um pouco assustado se seria a minha primeira e a minha última corrida, mas tentei fazer o meu melhor e funcionou bem. Ele estava muito bem logo. Isso foi fantástico para mim."

"Os carros da época eram fisicamente difíceis de guiar. Isso significava que os pilotos precisavam de mim. Me pediam à noite uma terapia ou uma massagem. Ron Dennis me deixou fazer o que queria, porque sabia o que eu podia fazer."

"Tanto Ayrton quanto Prost eram personagens muito fortes. Tentei dedicar um tempo a ambos. Prost era um pouco mais velho, mas Senna tinha a minha idade. Pude ver que ele era muito disciplinado consigo mesmo e com suas expectativas em relação às pessoas ao seu redor."

Alain Prost, Ayrton Senna, McLaren

Alain Prost, Ayrton Senna, McLaren

Photo by: Sutton Images

Apesar de começar bem com Prost, foi Senna quem Leberer naturalmente se aproximou. Aconteceu que não foi inteiramente por acidente.

"No domingo à noite [depois da corrida no Rio], ele me ligou, de repente. Eu estava morto, queria dormir. Achei que ele queria outra fisioterapia ou massagem, mas ele me convidou para jantar. Achava que todo mundo queria jantar com ele: o prefeito, o presidente... e ele estava me convidando!

"Um amigo me disse muitos anos depois que era porque ele viu o que eu tinha feito com Prost e ele pensou 'esse cara não é tão estúpido, é bom colocá-lo do meu lado...'"

"Eu provavelmente fui um pouco ingênuo quando pensei que era apenas porque ele era uma pessoa muito legal. Ayrton era uma pessoa muito sensível, mas a química estava certa. Ele tinha um bom pressentimento das pessoas."

"Foi uma semana de muito sucesso. Até Dennis me procurou no domingo para me agradecer. Gordon Murray também se tornou um amigo. Eu não poderia ter sonhado com um começo melhor."

Em 1988 a preparação mental e física na F1 ainda estava em sua infância. Leberer e Senna tiveram um papel pioneiro.

"Não acho que tenha havido alguém como Ayrton. Foi incrível a maneira como todos os detalhes foram importantes para ele. Foi um prazer trabalhar com ele, porque ele apreciava o que você fazia.”

"Do lado médico, ele pegou tudo como uma esponja. Até alimentos e ingredientes diferentes eram muito importantes para ele.”

"Eu estava preparando comida, cozinhando, tudo. Em alguns desses países, foi muito difícil, não havia serviço de catering como o que temos agora. Eu tive que cozinhar em algum lugar e fazer tudo com dois pratos. Era muito importante ter os produtos mais frescos.”

“Uma vez, quando fiz uma salada, houve um problema e tive que pedir a outras pessoas que fizessem o molho para ele. E imediatamente ele soube: 'Esse não era o seu molho para salada, estava um pouco diferente...’”

Josef Leberer, McLaren Physio keeps an eye on Ayrton Senna, McLaren as he sits in the cockpit of his car

Josef Leberer, McLaren Physio keeps an eye on Ayrton Senna, McLaren as he sits in the cockpit of his car

Photo by: Sutton Images

Após o trágico acidente de Ímola, Leberer permaneceu no esporte e foi para a Sauber em 1997. Na equipe suíça, ele guiou futuras estrelas como Kimi Raikkonen, Felipe Massa, Sebastian Vettel e Charles Leclerc.

Senna foi idolatrado por várias gerações de pilotos e vários deles pedem que Leberer conte histórias sobre o grande brasileiro.

"Claro", ele disse. "Alguns jovens pilotos perguntam: 'Ah, você trabalhou com Senna. O que ele fazia?' Sempre existem pequenas coisas para ajudá-los em um programa de treinamento."

Atualmente, todos os pilotos de F1 são atletas extremamente aptos. A preparação física está em um nível tão alto que não é mais uma área em que os pilotos podem fazer a diferença.

O lado mental, no entanto, ainda é um divisor de águas, porque é inerentemente à pessoa e mais difícil de medir. Até hoje, Leberer ainda aplica lições que aprendeu enquanto trabalhava com Senna.

"Antes de Ayrton ir para a cama, era o momento perfeito para fazer alguma terapia. Aos sábados, a tensão aumenta. O que quer que passasse pela cabeça dele, eu podia sentir a tensão nas vibrações do corpo dele. Então, tentei chamar sua atenção para se concentrar na [terapia]. É importante desligar e recuperar.”

"Você nem sempre pode ir a 180 batimentos por minuto. Para o coração e o corpo, é importante se acalmar. Você só cresce enquanto dorme.”

"Se você ainda está pensando em Prost, Mansell ou Piquet, isso interfere nesse processo. Ele aprendeu a fazer isso e acho que essa foi uma das coisas mais importantes que ele pôde aprender."

"Foi muito emocionante e realmente gratificante para alguém como eu. Lembro-me uma vez que Senna disse 'sempre que troco de equipe, gostaria que você fosse comigo'. Isso é legal, né? Isso significa que eu não era tão estúpido!”

"Vir à McLaren e ter dois dos melhores esportistas do mundo para trabalhar, foi incrível, fantástico. Eu poderia dizer que todo mundo poderia ter feito isso com Senna e Prost".

Christian Fittipaldi revela detalhes do dia da morte de Senna

Podcast #175 - Como explicar desempenho constrangedor de Hamilton em Ímola?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

 

 

compartilhar
comentários
F1 - Aston Martin conta com Vettel para renovação: "Seria tolice não mantê-lo"
Artigo anterior

F1 - Aston Martin conta com Vettel para renovação: "Seria tolice não mantê-lo"

Próximo artigo

F1: Luis Roberto faz relato emocionante sobre morte de Senna e revela momentos difíceis no 1º de maio

F1: Luis Roberto faz relato emocionante sobre morte de Senna e revela momentos difíceis no 1º de maio