F1: Aston Martin considera produzir o próprio motor a partir de 2026

Possibilidade foi mencionada pelo diretor técnico Andrew Green; atualmente, equipe britânica usa unidades de potência da Mercedes

F1: Aston Martin considera produzir o próprio motor a partir de 2026
Carregar reprodutor de áudio

Durante o lançamento do AMR22, carro da temporada 2022, no mês passado, a direção da Aston Martin abriu uma importante possibilidade para o futuro da equipe na Fórmula 1: deixar de ser um time cliente para passar a produzir seu próprio motor a partir de 2026, quando entrará em vigor a nova geração de unidades de potência.

Desde que assumiu as operações da então Force India, o bilionário Lawrence Stroll vem intensificando seus investimentos na equipe de Silverstone, especialmente após anunciar em 2020 que o time passaria a adotar o nome de Aston Martin, já que Stroll assumiu a presidência-executiva da marca britânica com essa contrapartida.

Leia também:

Com o objetivo de colocar a Aston Martin na luta por vitórias e títulos a partir de 2024, Stroll introduziu uma série de novidades na equipe, como a contratação de nomes importantes como Martin Whitmarsh, ex-chefe da McLaren, além da construção de uma fábrica nova com previsão de lançamento para o próximo ano.

Mas a Aston Martin segue na F1 como equipe cliente, pelo menos até o fim do ciclo atual de regulamento, em 2025. Mas segundo o diretor técnico Andrew Green, a próxima era pode trazer novidades importantes para a equipe.

"Acho que para darmos sequência às nossas ambições, definitivamente vamos investigar fazermos nossa própria unidade de potência a longo prazo. Em 2026 teremos o novo regulamento de motores e acho que, como equipe, gostaríamos de nos envolvermos".

"Temos agora a Aramco envolvida como patrocinadora e acho que as conversas seguirão nos próximos anos... veremos. Certamente estaremos olhando para isso com detalhes, compreendendo se teremos um benefício ao seguir por esse caminho".

O novo regulamento de motores promete resolver alguns problemas da geração atual, que são muito caros e tecnologicamente complexos, com o objetivo de trazer novas montadoras ao grid. No momento, são quatro as fornecedoras no esporte: Mercedes, Renault, Ferrari e Honda / Red Bull Powertrains. Até aqui, o Grupo Volkswagen já demonstrou interesse em se juntar em 2026, seja com a Audi ou a Porsche.

F1 DEBATE: Quais as CERTEZAS e DÚVIDAS sobre a pré-temporada da Espanha

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #163 - Rico Penteado destrincha carros de 2022 da F1

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: Russell propõe solução banida em 1994 como opção para resolver 'quicadas' na reta
Artigo anterior

F1: Russell propõe solução banida em 1994 como opção para resolver 'quicadas' na reta

Próximo artigo

F1: Ferrari usada por Schumacher no GP do Japão de 1998 está à venda; veja preço

F1: Ferrari usada por Schumacher no GP do Japão de 1998 está à venda; veja preço