F1: Brawn revela que há "solução chegando" para aperto das equipes com teto orçamentário

Várias escuderias têm pressionado fortemente por um aumento no limite ou outra forma de ajuste

F1: Brawn revela que há "solução chegando" para aperto das equipes com teto orçamentário
Carregar reprodutor de áudio

O diretor esportivo da Fórmula 1, Ross Brawn, disse que uma solução está chegando para o aperto das equipes causado pela inflação com o teto orçamentário.

O limite anual que a equipe pode gastar caiu de US$ 145 milhões (aproximadamente 718 milhões de reais) em 2021 para US$ 140 milhões (aproximadamente 693 milhões de dólares) nesta temporada.

Leia também:

No entanto, os custos crescentes de muitos itens que dentro do limite tornaram ainda mais difícil do que o previsto para as maiores equipes permanecerem abaixo dele sem comprometer o desenvolvimento do carro.

Várias escuderias têm pressionado fortemente por um aumento no limite ou outra forma de ajuste, embora alguns tenham indicado que estão felizes por não mudar nesta temporada.

Brawn reconheceu que a questão terá que ser abordada e estará entre os assuntos discutidos na reunião de terça-feira da Comissão da F1 em Londres.

"Acho que o aumento inflacionário precisa ser revisto", disse. "Porque quando essas regras foram desenvolvidas, a inflação era relativamente baixa e previsível, e agora é alta e imprevisível."

“E se você olhar para as taxas de inflação que se aplicam a industrias, como uma equipe de F1, você tem energia, matérias-primas, todas as coisas que estão se mostrando bastante caras no momento. Acho que há uma solução para isso."

A McLaren tem sido uma forte defensora do limite, mas o chefe da equipe, Andreas Seidl, reconheceu que, dada a taxa de inflação, o problema deve ser resolvido.

Questionado pelo Motorsport.com para esclarecer a posição da McLaren, ele disse: “Apesar de ser claramente uma equipe que está muito interessada em garantir que protejamos o teto orçamentário, acho que em circunstâncias especiais como as que temos no momento, você precisa estar aberto para o diálogo com bom senso e fazer os ajustes necessários."

"E é aí que entramos nesta discussão específica no momento. Especialmente quando coisas inesperadas acontecem quando a temporada já está em andamento. Acho que é mais do que apenas senso comum, você precisa encontrar uma solução, como lidar com isso."

Em contraste, o chefe da Alfa Romeo, Fred Vasseur, disse que quaisquer mudanças na forma como a inflação é tratada devem esperar até 2023.

"Você não pode mudar os regulamentos todo fim de semana porque uma equipe quer gastar mais em desenvolvimento", disse ele.

"Existe uma regra, o mais importante é seguir a regra. Se o conceito de inflação e o cálculo da inflação não for o melhor, podemos pensar nisso para o futuro. Por que não?"

"Mas temos algo pronto e todos concordaram quando assinamos o acordo. Agora temos que seguir as regras", concluiu.

VÍDEO: Rosberg critica Hamilton após resultado em Ímola

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #175 - Como explicar desempenho constrangedor de Hamilton em Ímola?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1- Alonso lamenta má sorte em 2022: "É doloroso"
Artigo anterior

F1- Alonso lamenta má sorte em 2022: "É doloroso"

Próximo artigo

McLaren desastrosa, Rosberg e tensões com o pai: relembre outros momentos difíceis de Hamilton na F1

McLaren desastrosa, Rosberg e tensões com o pai: relembre outros momentos difíceis de Hamilton na F1