F1 - Em meio a polêmicas, Todt critica gestão de Sulayem na FIA: "Tudo que fiz foi virado de cabeça para baixo"

Ex-presidente da FIA respondeu às críticas do atual mandatário

(L to R): Mohammed Bin Sulayem (UAE) with Jean Todt (FRA) FIA President.
Formula One World Championship, Rd 17, Abu Dhabi Grand Prix, Qualifying Day, Yas Marina Circuit, Abu Dhabi, UAE, Saturday 31 October 2009.

(L to R): Mohammed Bin Sulayem (UAE) with Jean Todt (FRA) FIA President. Formula One World Championship, Rd 17, Abu Dhabi Grand Prix, Qualifying Day, Yas Marina Circuit, Abu Dhabi, UAE, Saturday 31 October 2009.

Andre Vor / Sutton Images

O ex-presidente da FIA, Jean Todt, falou sobre as críticas de Mohammed Ben Sulayem à maneira como ele administrava as coisas, chamando-as de infundadas, mas sem surpresa por causa do “caráter” de seu sucessor.

Leia também:

Ben Sulayem substituiu Todt no final de 2021 e apontou várias vezes que uma das maiores dores de cabeça com que teve de lidar foi um déficit que herdou no orçamento da FIA.

Falando sobre o assunto pela primeira vez no ano passado, Ben Sulayem disse: “Havia uma questão financeira da qual não sabíamos. Tínhamos um déficit, mesmo antes da pandemia, mas estou satisfeito por ter superado isso.”

Ben Sulayem sugeriu que os números em discussão eram “mais de 20 milhões de dólares”, pois também disse que os seus primeiros dias como presidente foram dominados por um processo judicial inesperado envolvendo uma disputa de patente relativa ao Halo.

Até agora, Todt manteve-se calado sobre o assunto, mas em uma longa entrevista publicada no L’Equipe, ele respondeu ao que foi dito – e está longe de ficar impressionado com a forma como as coisas foram retratadas.

Todt disse que o déficit que a FIA enfrentou em 2021 foi uma consequência da crise da Covid, em que ele teve que trabalhar duro para suportar a sobrevivência tanto do órgão dirigente quanto da F1.

E é claro para ele que as finanças globais da FIA estavam numa posição muito mais forte no final da sua presidência do que no início.

“Quando saí, devia haver mais de 250 milhões de euros em reservas”, disse Todt ao L'Equipe quando questionado se ficou surpreendido com os comentários de Ben Sulayem.

“Quando cheguei em 2009, havia apenas 40 milhões [de euros], embora a FIA tivesse acabado de ceder os direitos comerciais da F1 por 100 anos, alguns anos antes.

“Eu não chamo isso de déficit. Quando saí, o orçamento tinha sido multiplicado por quase três, com muitas novas competições e fontes de receitas, como a Fórmula E, o Campeonato Mundial de Endurance ou o Campeonato Rally Raid.”

Mohammed ben Sulayem, FIA President talks with Red Bull Racing Team Principal Christian Horner and Max Verstappen of Red Bull Racing

Photo by: Red Bull Content Pool

Mohammed ben Sulayem, FIA President talks with Red Bull Racing Team Principal Christian Horner and Max Verstappen of Red Bull Racing

Ele acrescentou: “É verdade que deixamos uma disputa inacabada quando saí, o julgamento do Halo. Mas não foi varrido para debaixo do tapete. Foi bem documentado e monitorado pelos nossos serviços; nós o apresentamos ao Senado e ao Conselho Mundial antes de eu partir, e o atual presidente assistiu a esta apresentação.

“Essa foi uma ação movida no Texas por um engenheiro que possuía uma patente válida apenas nos Estados Unidos e por pouco tempo. Então, quando saí, não havia nada secreto. E apenas um caso em andamento, esse.

“Mas não fiquei surpreso, eu sabia quem era meu sucessor.”

Questionado se estava irritado por Ben Sulayem ter se manifestado contra sua gestão, Todt disse: “Não, isso não importa para mim. É fumaça.

“Parto do princípio de que quando um capítulo se fecha, outro se abre e não nos permitimos atacar o seu antecessor. Seja saindo da Peugeot, da Ferrari ou da FIA, nunca disse palavrão. Não faz sentido lançar-se em alegações, especialmente quando são falsas.

“A realidade é o que acabei de lhe dizer. E acrescentarei algo em relação às receitas da FIA: foi sob a minha presidência que o Acordo dos Cem Anos e os Pactos de Concórdia entre a FIA e a F1 foram renegociados antes que a Liberty Media se tornasse proprietária da FOM (Formula One Management).

“Sem entrar em detalhes, posso dizer que as receitas recebidas pela Federação aumentaram muito claramente em comparação com antes. E a sua posição na governança da F1 também foi restaurada. Tem agora um terço dos votos, juntamente com a FOM e as equipes. É noite e dia com acordos anteriores.

“Você não pode impedir alguém de criticar ou discordar. Mas tudo o que fiz durante a minha presidência sempre foi aprovado pelo Senado e pelos conselhos mundiais.”

Todt sente que o atual regime da FIA embarcou em uma direção totalmente diferente sob o comando de Ben Sulayem, que enfrentou críticas de várias partes na F1 pela forma como lidou com os problemas.

“Tudo o que foi posto em prática durante o meu mandato foi virado de cabeça para baixo”, continuou.

Motorsport Business #8 – THIAGO MARQUES: A INCRÍVEL jornada da Sprint e chegada AVASSALADORA da NASCAR

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast #260 – Quem só deu bola fora na F1 em 2023?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Be part of Motorsport community

Join the conversation
Artigo anterior Podcast #260 – Quem só deu bola fora na F1 em 2023?
Próximo artigo CEO da Audi rompe silêncio e encerra especulações sobre entrada na F1

Top Comments

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Sign up for free

  • Get quick access to your favorite articles

  • Manage alerts on breaking news and favorite drivers

  • Make your voice heard with article commenting.

Motorsport prime

Discover premium content
Assinar

Edição

Brasil