F1: Entenda por que a FIA não se abala com as críticas de punição na Áustria

Michael Masi disse que que todos os três incidentes no Red Bull Ring foram julgados com base nos mesmos critérios

F1: Entenda por que a FIA não se abala com as críticas de punição na Áustria
Carregar reprodutor de áudio

Os fãs da Fórmula 1 estão divididos sobre se as penalidades aplicadas a Lando Norris e Sergio Pérez no GP da Áustria foram justificadas.

Em uma época em que o esporte tentou encorajar uma mentalidade de "deixe-os correr", a sanção dada a Norris em particular gerou o maior debate de todos.

Com o piloto da McLaren não tendo feito nenhum contato com Pérez, e o duelo não sendo muito diferente de incidentes que escaparam de penalização no passado, não foi surpresa que muitos ficaram descontentes com a decisão da FIA.

Leia também:

Pérez claramente se colocou em uma posição arriscada ao tentar contornar o lado externo da curva 4. Mas o diretor de corridas da F1, Michael Masi, disse que o corpo diretivo não se abalou com as críticas e que todos os três incidentes - com o mexicano posteriormente envolvido em confrontos semelhantes com Charles Leclerc - foram julgados com base nos mesmos critérios.

Para ele, o fator chave é que o piloto por dentro - Norris no primeiro incidente e Pérez depois - não havia deixado uma largura obrigatória por fora na saída da curva.

“No primeiro caso, no do Sergio com o Lando, ele estava totalmente ao lado do Lando”, explicou Masi. “E, portanto, há o ônus de deixar a largura de um carro à margem da pista."

“Depois foi o mesmo ao contrário com o Checo e na saída da curva 4, e depois com Checo e Charles novamente na saída da curva 6."

“Obviamente, não me sento na sala dos comissários para deliberar, mas a visão deles era em todas as três circunstâncias, a largura de um carro deveria ter sido deixada para a margem da pista porque os dois carros estavam lado a lado."

Outro fator que provavelmente entrou em jogo aqui também foi que a parte externa da curva 4 e da curva 6 apresenta cascalho em vez de escoamento de asfalto.

Portanto, quaisquer incidentes em que os pilotos sejam forçados a se afastar têm consequências muito maiores do que se houvesse asfalto, onde eles escaparem e forem capazes de retomar a luta logo em seguida.

Questionado se incidentes envolvendo cascalho são tratados de forma diferente, Masi disse: "Obviamente, o cascalho tem um impacto nesses lugares. Então, você sabe, sim, você diria olhando para ele de forma lógica."

“Cada um deles você tem que olhar pelos seus méritos, características do circuito, etc.”

Não é a primeira vez nesta temporada que os carros do lado de fora foram empurrados para longe - com Lewis Hamilton sendo derrotado na primeira curva do GP da Emilia Romagna por Max Verstappen em uma jogada que foi considerada aceitável.

No entanto, Masi disse que é muito difícil comparar diferentes incidentes, pois muitas vezes não há circunstâncias idênticas.

Refletindo sobre o motivo pelo qual o cenário de Ímola não era comparável, ele disse que a primeira volta da corrida muitas vezes não é tratada tão duramente.

"Primeira curva, primeira volta, e você tem que lembrar disso da perspectiva de uma equipe também, que todos os incidentes da primeira volta são tratados de maneira mais branda", disse.

“Mas é muito difícil tentar comparar todos e cada um. Sei que todo mundo gosta de agrupar tudo, mas é muito difícil comparar duas curvas completamente diferentes à la Ímola e fazer quatro ou seis anos aqui. "

Comparações de Leclerc/Verstappen

As punições no Red Bull Ring também trouxeram lembranças da forma como Verstappen triunfou em 2019, apesar de forçar Leclerc para longe na saída da curva 3 na penúltima volta da corrida.

Naquela época, o movimento deu tudo certo pela FIA e aclamado como parte de uma nova filosofia para fazer os pilotos batalharem duramente.

Questionado se o tratamento do incidente de 2019 e a aplicação das penalidades desta vez mostraram falta de consistência, Leclerc não teve tanta certeza.

“Acho que este provavelmente é um pouco diferente, porque você pode argumentar que, há dois anos, eu não estava na frente no ápice, ou estávamos muito perto, pelo menos”, disse Leclerc. 

“Mas este ano eu estava definitivamente na frente no ápice, então ele [Perez] teve que deixar uma espaço na saída. Mas acho que ele sabe que exagerou um pouco. Falamos com o Checo, ele se desculpou logo depois da corrida e tudo bem, eu sou o tipo de cara que não fica levando isso muito tempo. Então, o ar está limpo e seguirei em frente."

“Mas eu sinto que este era obviamente um pouco diferente. As consequências foram maiores para mim, havia cascalho e não asfalto, e eu também estava na frente no vértice do lado de fora, então você precisa deixar espaço.”

F1 2021: PASSEIO de Verstappen, SOFRIMENTO de Lewis, POLÊMICA com Norris e ZICA de Pérez | PÓDIO

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #116 - TELEMETRIA: Quais as esperanças de Hamilton na Áustria? Rico Penteado responde

 

compartilhar
comentários
F1: Pérez crava três voltas seguidas com mesmo tempo na Áustria; feito não é inédito
Artigo anterior

F1: Pérez crava três voltas seguidas com mesmo tempo na Áustria; feito não é inédito

Próximo artigo

F1 - Wolff dá pistas sobre motores de 2025: Combustíveis sustentáveis e componente elétrico "massivamente aumentado"

F1 - Wolff dá pistas sobre motores de 2025: Combustíveis sustentáveis e componente elétrico "massivamente aumentado"
Carregar comentários