F1: Ex-diretor de Galvão relata genialidade, 'causos' e 'tretas' do narrador da Globo

Alfredo Bokel trabalhou com o narrador por mais de 20 anos e foi o homem-forte dos bastidores do esporte a motor no Grupo Globo

F1: Ex-diretor de Galvão relata genialidade, 'causos' e 'tretas' do narrador da Globo

Galvão Bueno, também conhecido como a voz da Fórmula 1 no País, voltou a narrar um evento esportivo depois de 14 meses no último domingo, transmitindo o jogo entre Flamengo e Palmeiras, pela Supercopa do Brasil, na Globo. Entretanto, o principal nome das narrações brasileiras de esporte a motor não poderá transmitir corridas da F1 neste ano, após a ida da categoria para a Band, na qual a atração ficará pelo menos até o fim de 2022.

De todo modo, Bueno ainda é muito associado à F1. Polêmico, controverso e sempre original, seu nome não é unanimidade entre fãs. Porém, muitos ainda lamentam a 'separação' entre ele e a elite do automobilismo mundial. Mas como eram os bastidores das transmissões com Galvão? É isso que o jornalista Alfredo Bokel, que trabalhou com o narrador por mais de 20 anos, revelou em entrevista exclusiva ao Motorsport.com. Veja no vídeo abaixo:

O editor recomenda:

"Eu brinco que o Galvão é meu pai profissional e, desde o primeiro momento, em agosto de 2000, quando eu comecei a trabalhar com ele no site (do narrador), rolou uma relação muito boa, porque ele via em mim um moleque esperto, que conhecia e gostava de esporte", afirmou Bokel, que trabalhou como prestador de serviços para Bueno e para o Grupo Globo entre 2000 e 2006, além de ter assessorado os filhos do narrador, Cacá e Popó, na Stock Car.

"Aprendi (a pensar como o Galvão). A partir do momento em que você faz assessoria de imprensa para um cara como o Galvão e um cara como o Cacá, você precisa entender a cabeça deles. E eu tinha um banquinho de respostas já prontas. O Galvão 'cansou' de falar para mim: 'Pô, parece até que fui eu que escrevi esse texto'. Porque, realmente, você vai pegando detalhes e insights que te ajudam a construir, a pensar como aquelas pessoas", seguiu.

O trabalho com Galvão na F1 como editor-executivo e gerente de esporte a motor

"O editor-executivo, ou o gerente que depois fui, é uma espécie de coordenador editorial, uma espécie de chefe mesmo. Muitas vezes, eu falava o que ele tinha que fazer. Muitas vezes, ele não concordava", disse Bokel, que foi contratado do Grupo Globo entre 2006 e 2021.

"Muitas vezes, ele 'retrucava'. Muitas vezes, a gente trocava ideias... E assim a gente ia: eu colocava para ele, muitas vezes, alguns detalhes. Logicamente, eu não fico narrando no ouvido dele. Ele narra a corrida normalmente, mas tem alguns pontos que a gente quer abordar na transmissão, então eu jogava isso para ele e falava: 'Olha, vamos falar disso, vamos falar daquilo e tal...'."

"Foi muito engraçado porque virei editor-executivo de esporte a motor exatamente pela relação que sempre tive com o Galvão. É um cara que é muito especial na minha vida. Fico até emocionado de falar do Galvão. É um cara que tem uma visão muito macro de uma transmissão de televisão. Domina aquela parada", destacou Bokel, que atuou como produtor de internet e de TV, editor de web e de texto, editor-executivo e gerente no Grupo Globo.

A 'ordem' do narrador

"Ele me pediu, num primeiro momento, quando a gente começou a fazer as transmissões, para eu ser breve, objetivo no que eu falasse com ele no fone, e sempre falar quando ele estivesse falando", explicou o jornalista, antes de justificar a 'ordem' do narrador.

"Nunca quando um comentarista estivesse falando: 'Porque eu não vou ouvir o que o comentarista está falando, se você falar junto com o comentarista você vai cobrir a voz do comentarista no meu ouvido, então prefiro que você fale quando eu estiver falando'."

"Então, toda orientação que eu dei para ele durante esses cinco anos (2012 a 2017) em que eu fui o editor-executivo, foi sempre quando ele estava falando. Aí você vê todo o preparo do cara para ficar ouvindo vozes e narrando o que está acontecendo."

'Causos' com Galvão

"Já aconteceu, por exemplo, de (eu) estar na coordenação, falando com o diretor de TV, com o produtor-executivo, com um produtor, dando orientação para um repórter, e ele estar lá narrando... Naquele exato momento, você não está ouvindo o que ele está falando. Aí a transmissão corre, eu dou uma orientação para ele e ele manda o recado no ar: 'Como eu já falei antes'... Isso acontece também", riu-se Bokel.

"Na transmissão em si, não tem muitos arranca-rabos porque você está no ar. Mas, fora da transmissão, a gente já 'cansou' de brigar, de divergir e tal... Mas a gente sempre se acertava, porque a gente estava ali por um bem comum: fazer a melhor transmissão possível."

"A gente sempre 'se atritava' um pouquinho, mas sempre com muito carinho, respeito... A gente 'trocava' muito, o Galvão sempre me ouviu. Apesar de ser uma pessoa de personalidade extremamente forte e de opiniões extremamente firmes, ele sempre escutou muito."

Chico Anysio

"Em 2012, era uma corrida de madrugada, e pediram que ele (Galvão) gravasse alguma coisa para o 'Esporte Espetacular' sobre (a morte do) Chico Anysio. De repente, 'gravando': ele sai falando... Ele pediu três ou quatro informações para você, você passou, e de repente ele constrói, na cabeça dele um texto que 'vai embora'. Não tem teleprompter (uma espécie de 'cola' do texto jornalístico) para o Galvão."

"Ele faz tudo 'da cabeça' dele, do improviso dele. Eram assim os textos que ele fazia nos GPs para o 'Jornal Nacional' de sábado, quando ele fazia aquela gravação de um minuto. Era tudo ali 'na hora'. A questão da palavra, do lidar com a câmera, para ele é muito natural."

O 'amigo Galvão' nos restaurantes, bares e afins

"O Galvão bebe tudo. Ele me ensinou a beber grappa, eu nunca tinha ouvido falar em grappa na vida. Foi ele que me apresentou. Não podia beber com as mãos, você tinha que pegar o copo com a boca direto na mesa e virar."

"Os jantares com o Galvão sempre foram muito ótimos no sentido de você ouvir muitas histórias e conhecer um pouco da história do esporte na televisão brasileira. Isso sempre foi muito enriquecedor."

"Aproveitei bastante essa parte... De fechar os restaurantes e os garçons ficarem em volta da mesa assim: 'Não vai embora, não?'. Até alguém se tocar e falar: 'Pô, Galvão, está na hora de ir embora...'. Isso várias vezes aconteceu: a gente sair, depois de uma transmissão, para almoçar, emendar o jantar no mesmo lugar, na mesma mesa, e fechava o restaurante", completou o bem-humorado Bokel.

Fla-Flu: Tricolor, Cacá Bueno brinca com torcida de Galvão pelo Flamengo

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Um sorriso mesmo sem vitória? Quais são os pilotos mais carismáticos da F1, mesmo sem grandes resultados?

 

.

compartilhar
comentários
F1 muda horários de Ímola em função de funeral de Príncipe Philip

Artigo anterior

F1 muda horários de Ímola em função de funeral de Príncipe Philip

Próximo artigo

F1 - Ex-engenheiro de Massa: “pior coisa” para Sainz seria agir como Felipe na chegada à Ferrari

F1 - Ex-engenheiro de Massa: “pior coisa” para Sainz seria agir como Felipe na chegada à Ferrari
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Carlos Costa