F1: Hamilton registra pior resultado em 12 anos com 15º lugar em Baku

Com os dois carros fora da zona de pontos, a Mercedes também encerra um longo período de pontuação constante

F1: Hamilton registra pior resultado em 12 anos com 15º lugar em Baku

No GP do Azerbaijão de Fórmula 1, Lewis Hamilton foi do céu ao inferno. E o erro cometido na relargada, que lhe custou pelo menos um segundo lugar em Baku e, possivelmente, a liderança no Mundial de Pilotos, trouxe ainda mais um destaque negativo para o heptacampeão: seu pior resultado final em uma corrida desde 2009.

Apesar da má forma da Mercedes ao longo do final de semana, o ajuste trabalhado por Hamilton com a equipe, visando um carro melhor no terceiro setor da pista, onde fica localizada a longa reta de Baku, acabou sendo uma boa decisão, e o britânico teve um sábado e começo de domingo bem melhores que Valtteri Bottas.

Leia também:

Mesmo assim, não seria suficiente para evitar uma vitória de Verstappen, que aumentaria ainda mais sua liderança no Mundial. Com o abandono do holandês, Hamilton tinha caminho livre para voltar à ponta, mesmo se não ultrapassasse Sergio Pérez na relargada.

Mas foi nesse momento que Hamilton jogou tudo fora, ao apertar um 'botão mágico' que contribuiu para seu erro, algo raro na carreira do heptacampeão. E, por isso, o GP do Azerbaijão trouxe uma marca impressionante.

Com a 16ª posição em Baku, Hamilton registrou seu pior resultado na F1 desde o GP da Alemanha de 2009, disputado em Nurburgring, excluindo abandonos. Naquele ano, o britânico foi atingido diretamente pelos problemas da McLaren, tendo uma sequência de quatro corridas terminando fora da zona de pontos: Mônaco (12º), Turquia (13º), Grã-Bretanha (16º) e Alemanha (18º).

Naquela etapa em Nurburgring, Hamilton saiu da quinta posição, atrás das duplas da Red Bull (Sebastian Vettel e Mark Webber) e da Brawn (Jenson Button e Rubens Barrichello). Enquanto Rubinho, em segundo, assumiu a ponta em cima de Webber, Hamilton teve uma saída rápida e logo estava também na disputa pela liderança.

Mas Hamilton acabou tendo um contato com Webber, ficando com um furo nos pneus. No pit stop ele acabou perdendo uma volta em relação aos líderes, algo que não conseguiu recuperar na corrida, terminando em 18º, o último entre os pilotos que concluíram a prova.

Vale destacar que, apesar de ter se classificado oficialmente em 19º no GP da Europa de 2012, Hamilton abandonou duas voltas antes do fim, após um incidente com Pastor Maldonado, mas por ter completado mais de 90% da prova, seu resultado não é considerado um abandono pelas regras da categoria.

E o final de semana em Baku trouxe também o fim de uma era para a Mercedes como um todo. Com Bottas também fora dos pontos, chegou ao fim a sequência de 55 corridas consecutivas da equipe alemã pontuando.

No geral, essa é a quarta maior sequência da história da F1, empatada com a Ferrari, que detém o recorde, com 81, marcado entre 2010 e 2014.

Mas essa não é a maior sequência da Mercedes, que chegou a 62 provas consecutivas pontuando, do GP do Brasil de 2012 até a fatídica etapa da Espanha em 2016, quando Hamilton e Nico Rosberg tiraram um ao outro da prova na largada.

RETA FINAL: Castroneves revela bastidores da Indy 500 e programa aborda caos da F1 em Baku

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Quais os episódios fora da F1 que mais marcaram nossas vidas?

 

compartilhar
comentários
F1 - Horner rasga elogios a Pérez e crava: “Agora temos dois pilotos que têm algo a dizer”

Artigo anterior

F1 - Horner rasga elogios a Pérez e crava: “Agora temos dois pilotos que têm algo a dizer”

Próximo artigo

F1: Organização do GP da Arábia Saudita revela imagens do complexo do pit lane

F1: Organização do GP da Arábia Saudita revela imagens do complexo do pit lane
Carregar comentários