Fórmula 1 GP da França

F1 - Mercedes sem respostas para fraco desempenho em Paul Ricard: "Tapa na cara"

Toto Wolff, chefe da equipe, acreditava que tanto Hamilton quanto Russell conseguiriam marcar tempos mais próximos do pole position, Leclerc

George Russell, Mercedes W13

A Mercedes ainda não tem respostas sobre o que deu errado com seu desempenho no GP da França de Fórmula 1, lamentando por ter ficado "sem ritmo" com o W13. Tendo rumado para o fim de semana de Paul Ricard com o objetivo de lutar pela vitória, Lewis Hamilton e George Russell ficaram mais longe da ponta do grid do que nas últimas corridas.

O heptacampeão, que largará de quarto no grid, ficou quase a nove décimos atrás do pole position, Charles Leclerc, enquanto o jovem britânico sairá de sexto, a mais de 1s2. O chefe da equipe, Toto Wolff, disse que seu time não entendeu por que não conseguiu atender às altas expectativas e o motivo pelo qual uma série de experimentos durante o fim de semana não trouxe respostas.

Leia também:

"Estávamos lenta, mas seguramente, voltando aos primeiros lugares", disse ele sobre o recente progresso da Mercedes. "Havia bons sinais em Silverstone e na Áustria, em uma pista onde normalmente não éramos competitivos, e pudemos ver claramente os sinais do porquê disso. No entanto, estávamos perto. É um circuito de um minuto e estávamos a três décimos, o que era aceitável."

"Então, trouxemos um bom pacote de atualização para Paul Ricard, e ficamos sem desempenho. Não conseguimos entender."

George Russell, Mercedes W13

George Russell, Mercedes W13

Photo by: Steven Tee / Motorsport Images

"Não conseguimos descobrir o que deu errado. Experimentamos as asas traseiras, desde as maiores que temos, que Lewis descreveu como arrastar um paraquedas atrás dele esta manhã, para uma versão menor, que nos fez perder muita velocidade nas curvas."

"Então, seguimos analisando com a temperatura dos pneus. E podemos ver a diferença para [Max] Verstappen. Se você me dissesse que terminaríamos atrás com uma margem entre sétimos décimos e 1s2, seria um tapa na cara."

A Mercedes foi especialmente lenta no setor final sinuoso em Paul Ricard, mas também não ganhou muito sobre seus rivais nas retas, o que talvez sugira que o W13 possa ter uma fraqueza na eficiência aerodinâmica.

Questionado sobre isso ser uma possível explicação para o resultado, Wolff disse: "Eu não saberia se é o mapa aerodinâmico em si, mas o que estamos vendo é que em uma sessão, passamos de totalmente não competitivos no primeiro setor, para a segunda tentativa no Q3, onde fomos os melhores no setor um."

"Claramente há algo acontecendo, seja por causa do vento ou do pneu, que simplesmente não está funcionando em nosso carro. A máquina está no limite. E entre cem e zero, há apenas uma margem super fina que parece não entendermos", concluiu.

F1 AO VIVO: Leclerc SUPERA Verstappen e é pole na França; veja DEBATE do quali em Paul Ricard | Q4

 

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #187 – Marko está certo ao colocar Verstappen como “a maior história de sucesso da Red Bull”?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1 - Verstappen: vantagem da Red Bull na reta ajudará contra Leclerc
Próximo artigo PÓDIO: Leclerc erra, Verstappen segue líder e fim de corrida agita o GP da França; veja debate

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil