F1: Novo regulamento, teto orçamentário e túnel de vento: como a McLaren projeta 2022

Diretor técnico da equipe de Woking, James Key, comenta principais desafios com novas diretrizes e expectativas da equipe no próximo campeonato

F1: Novo regulamento, teto orçamentário e túnel de vento: como a McLaren projeta 2022

As próximas férias de verão representarão uma breve parada não apenas na luta pelo título da Fórmula 1, mas também para uma batalha que está acontecendo nos bastidores. Todas as dez equipes estão atualmente trabalhando em seus programas de 2022 e projetando carros totalmente novos para atender às demandas do maior pacote de mudanças de regras em anos.

E estão fazendo isso tendo como pano de fundo um teto orçamentário e uma escala móvel de restrições de testes aerodinâmicos que funcionam contra os melhores desempenhos. Esses dois fatores fornecem um novo contexto para o padrão comum de desenvolvimento.

Leia também:

A McLaren não está na mesma divisão que os de ponta em gastos, mas a escuderia teve que fazer alguns ajustes para garantir que fique abaixo do limite de US$ 145 milhões (cerca de R$ 752 milhões). Como terminou em terceiro nos construtores de 2020, teve também o terceiro menor tempo de túnel de vento e uso de CFD (Computational Fluid Dynamics, normalmente chamado de testes de túnel de vento virtual) até o final de junho.

Como terminou na mesma posição no início da segunda metade da temporada daquele ano, terá de continuar a fazer menos trabalho aerodinâmico do que todos, exceto Red Bull e Mercedes, até o fim de 2021. Supondo que repita o desempenho na temporada atual, essa restrição continuará em 2022.

É um desafio extra segundo o diretor técnico da McLaren, James Key, e o resto de sua equipe, enquanto avançam com o projeto do novo carro. É tudo uma questão de aproveitar ao máximo os recursos disponíveis.

"Houve alguns contras de chegar ao P3 no ano passado a esse respeito, porque dificulta um pouco o que você pode fazer com as novas regulamentações", disse ele. "E para ser honesto, isso foi definitivamente influenciado pela Covid-19 e o impacto que teve no esporte com o adiamento das regras de 2022.

"Muito do que deveria estar acontecendo dentro do limite de custo, e este ano, foi realmente pensado para coincidir com as regulamentações técnicas que estão complementando um pouco melhor o teto."

“É uma situação lamentável que tenhamos visto essa escala em um momento em que você tem esses dois carros para desenvolver em paralelo e, obviamente, muita ênfase no próximo ano com a papelada nova que temos."

"Então isso nos deixa um pouco para trás, mas você se adapta. Houve uma reconfiguração este mês, por isso eu teria jogado fora o grande trabalho que Lando [Norris] e Daniel [Ricciardo] fizeram na última corrida e os pódios? Claro que não, porque ainda estamos aqui para correr. Eu acho que devemos adaptar o pensamento um pouco sobre como dividir os carros."

The 2022 Formula 1 car launch event on the Silverstone grid. Rear wing and diffuser detail

The 2022 Formula 1 car launch event on the Silverstone grid. Rear wing and diffuser detail

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

A boa notícia é que a margem entre o trabalho de aerodinâmica que a McLaren pode fazer em relação a outras equipes é menor do que poderia ter sido.

"Este ano está um pouco mais suave do que o planejado originalmente", comentou Key. “O intervalo entre o primeiro e o décimo seria ainda mais acentuado, e isso vai aumentar em 2022. Se é a coisa certa a se fazer ou não, não sei. Quer dizer, nunca estivemos muito entusiasmados com essa ideia quando ela foi apresentada."

"No entanto, vimos sentido nisso. Na época, havia uma disparidade enorme entre o primeiro e o último e ter a capacidade de recuperar o atraso dentro de um limite de custo e um ATR (Restrições de Testes Aerodinâmicos) mais restrito de qualquer maneira faz sentido. Caso contrário, você corre o risco de ficar preso."

"Veremos como as coisas caminham no próximo ano. Se causar uma gangorra, uma após a outra, claramente não é o ideal. Talvez precisemos suavizar um pouco. A curto prazo está um pouco trabalhando contra nós, suponho."

Key insiste que ainda é cedo para o projeto de 2022. A curva de aprendizado é íngreme e ainda há muito a ser descoberto sobre as novas regras, mesmo que sejam bastante restritivas em muitas áreas.

"O número de dispositivos e as liberdades que temos agora ainda produzem taxas de desenvolvimento bastante prolíficas nos carros atuais. Com essas grandes superfícies volumosas que você tem nos novos carros, é uma maneira diferente de desenvolver."

"Então, olhamos mais para os princípios fundamentais, especialmente neste estágio e tentando fazer com que essas superfícies volumosas funcionem da maneira certa. Tudo se resume aos detalhes. Normalmente, o que você vê é que um ano como este é de muitas ramificações. Ainda estamos aprendendo muito, definindo nossas principais geometrias e arquitetura."

"Passaremos por esse longo processo que leva até o natal, de quase seis meses de trabalho aerodinâmico puro, uma vez que essas medidas tenham sido definidas."

The 2022 Formula 1 car launch event on the Silverstone grid. Nose and front wing detail

The 2022 Formula 1 car launch event on the Silverstone grid. Nose and front wing detail

Photo by: Andy Hone / Motorsport Images

O diretor acredita que grandes passos serão dados depois que os carros irem à pista, em fevereiro do 2022, e que os números estão apertados. As equipes não só receberão feedback sobre seus próprios bólidos, mas também verão o que as rivais fizeram.

"Você consegue algumas coisas. Uma é ver seu carro trabalhando e começar a perceber se há um conjunto a ser melhorado, ou reconhecer os pontos fortes ou fracos. Talvez haja algo inesperado. Isso fará com que prioridades sejam definidas no desenvolvimento."

"Todos podem ver o feedback uns dos outros também. Dá para se basear em conceitos e ver se eles se aplicam a nós. Portanto, suspeito que, entre agora e o próximo ano, veremos uma taxa de desenvolvimento forte em andamento."

"Talvez em 2022 comece a se achatar, mas isso significa que haverá muitas corridas acirradas. Então pode ser bom, pois levará a carros que são mecanicamente acelerados ao limite muito mais. Você terá que encontrar vantagens em outros lugares, sejam elas aerodinâmicas ou mecânicas."

Key acredita ser inevitável as equipes estarem atualmente buscando rotas diferentes, o que tornará ainda mais interessante ver o que todos fizeram nos testes de inverno: "Acho que todo mundo vai aparecer com interpretações únicas. A última vez que tivemos uma mudança dessa magnitude foi provavelmente em 2009. E vimos abordagens variadas."

"Duplos difusores à parte, que acabaram virando peça comum no meio da temporada, tínhamos várias ideias na carroceria, no chassi e no bico. Eventualmente se fundiram em algo semelhante. No entanto, com menos ferramentas à disposição, acho que provavelmente veremos diferenças maiores entre os carros conforme os lançarmos."

Wind tunnel

Wind tunnel

Photo by: Vodafone McLaren Mercedes

O programa de desenvolvimento de 2022 da McLaren foi complicado pelo fato de que a equipe ainda está usando o túnel de vento da Toyota em Colônia, enquanto aguarda a construção do seu próprio.

Usar a tecnologia como cliente em outro país não é uma situação ideal, mas a boa notícia é que os recursos de CFD de Woking agora são de última geração - e o momento da última atualização estava certo.

"Estamos cientes de que não podemos ter acesso às novas instalações em que estamos investindo agora", reforçou Key. "Apesar disso, uma das novas instalações que investimos e deu resultado foi a atualização de nosso hardware CFD."

"Eu acho que quando você está tomando grandes decisões de arquitetura em um carro, muitas delas podem ser modeladas a partir de um ambiente de túnel de vento, por exemplo. O recurso ainda desempenha seu papel em geral com muitos dados de verificação."

"Temos registros mais rígidos agora sobre a quantidade que podemos utilizar. É preciso escolher os momentos com esse tipo de trabalho. Em seguida, selecionar os dados com os quais estamos satisfeitos e os que aproveitamos ao máximo."

"De modo geral, o kit que temos é capaz de tomar as grandes decisões de arquitetura, quando você tem grandes superfícies volumosas que você precisa desenvolver. Poderemos ter desvantagem é nos detalhes."

Um aspecto importante que só ficará aparente quando os testes começarem a chegar ao ponto crucial do pacote de regras de 2022: será que os carros conseguirão realmente seguir um ao outro mais de perto?

"Acho que é o começo, porque ainda há muita pesquisa a ser feita", opinou Key. "Há muito esforço que foi colocado no regulamento para mantê-lo fiel ao seu objetivo. Então, quando havia algum tipo de lacuna potencial ou áreas de sensibilidade que poderiam funcionar contra a capacidade de seguir mais de perto do que fazemos agora, ele foi discutido e normalmente fechado ou modificado de alguma forma."

"Provavelmente, se você lançasse carros em meados de 2021, conseguiria algo muito perto. No começo do ano, eu acho que eles ainda serão certamente muito mais fáceis de correr do que os carros atuais, mas conforme as equipes começam a explorar seus detalhes mais sutis, isso vai mudar um pouco, eu suspeito."

The 2022 Formula 1 car launch event on the Silverstone grid. Diffuser detail

The 2022 Formula 1 car launch event on the Silverstone grid. Diffuser detail

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

O chefe da F1, Ross Brawn, deixou claro que a porta foi deixada aberta para fazer os ajustes necessários para 2023 e além, especialmente se as equipes encontraram coisas que vão contra esses princípios de tomar os carros mais fáceis de seguir.

"Acho que normalmente isso é discutido de maneira muito amigável", reiterou Key. "Haverá discussão e decisões sensatas serão tomadas. As equipes têm regulamentos, eles foram desenvolvidos ao longo de um longo período de tempo e, obviamente, procuraremos explorar o máximo que pudermos com eles. Portanto, acho que deve ser um processo justo."

Mudanças para 2023 são um desafio para outro dia, e podem não acontecer. Enquanto isso, a McLaren tenta interpretar as regras da forma como estão escritas atualmente e procurando qualquer vantagem que possa ser reivindicada.

"Eu gostei do fato de que todos nós compramos o que estamos tentando fazer como uma equipe", comentou o diretor. "E o fato de termos olhado para isso, suponho, de um jeito muito conceitual desde o início, que a equipe aceitou e fez muito bem também."

"Acho que se pudermos começar a atingir esses marcos iniciais em breve e da maneira certa, e tendo dado o nosso melhor, pode ser apenas o caso de continuar com nosso plano no próximo ano e esperar que alcancemos todas as metas."

The 2022 Formula 1 car launch event on the Silverstone grid

The 2022 Formula 1 car launch event on the Silverstone grid

Photo by: Charles Coates / Motorsport Images

F1 2021: MAIS BATIDAS de Verstappen e Hamilton, mudanças no CALENDÁRIO DESTE ANO e GP da Hungria

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Como fica o campeonato após guerra declarada entre Verstappen e Hamilton?

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: FIA convoca chefes de Mercedes e Red Bull para revisar acidente entre Hamilton e Verstappen; entenda
Artigo anterior

F1: FIA convoca chefes de Mercedes e Red Bull para revisar acidente entre Hamilton e Verstappen; entenda

Próximo artigo

F1: Hamilton e Mercedes lançam, em conjunto, instituição de caridade para diversidade no esporte

F1: Hamilton e Mercedes lançam, em conjunto, instituição de caridade para diversidade no esporte
Carregar comentários