F1: Pilotos dizem que "preocupações humanas naturais" desencadearam debate sobre boicote

Associação de pilotos (GPDA) emitiu nota oficial sobre reunião que durou mais de quatro horas e com a decisão de não boicotar GP da Arábia Saudita

F1: Pilotos dizem que "preocupações humanas naturais" desencadearam debate sobre boicote
Carregar reprodutor de áudio

Os pilotos da Fórmula 1 disseram que “preocupações humanas naturais” os levaram a questionar se deveriam ou não continuar correndo no GP da Arábia Saudita.

Após um ataque de míssil em uma instalação de petróleo a menos de 16 quilômetros do circuito de Jeddah na tarde de sexta-feira, o destino da segunda etapa da temporada foi colocado em dúvida.

Leia também:

Enquanto os chefes de equipe receberam garantias de que queriam que a segurança no local de Jeddah era boa o suficiente para que eles se sentissem confortáveis ​​com a corrida, a opinião entre os pilotos estava muito mais dividida.

Isso levou a uma longa reunião que durou mais de quatro horas na noite de sexta-feira, enquanto eles debatiam a melhor forma de reagir aos eventos – e se era certo ou não continuar.

Com essas discussões envolvendo chefes de F1, chefes de equipe e autoridades sauditas, no final a Associação de Pilotos de Grande Prêmio (GPDA) concordou em continuar competindo.

Refletindo sobre os eventos na Arábia Saudita, a GPDA explicou que era impossível para os pilotos não sentirem algumas emoções sobre o ataque, especialmente com a fumaça da instalação de petróleo visível no circuito.

“Ontem foi um dia difícil para a Fórmula 1 e um dia estressante para nós, pilotos de Fórmula 1”, dizia um comunicado da GPDA.

“Talvez seja difícil compreender se você nunca correu em um carro de F1 nesta pista rápida e desafiadora de Jeddah, mas, ao ver a fumaça do incidente, foi difícil permanecer um piloto de corrida totalmente focado e apagar as preocupações humanas naturais.”

Drivers practice their start procedures at the end of FP2

Drivers practice their start procedures at the end of FP2

Photo by: Andy Hone / Motorsport Images

A GPDA explicou que essas emoções desencadearam as extensas discussões até depois das 2h da manhã de sábado, onde apenas as promessas das autoridades sauditas sobre a escala de proteção no circuito foram suficientes para finalmente convencê-las.

O corpo de pilotos acrescentou: “Uma grande variedade de opiniões foi compartilhada e debatida e, tendo ouvido não apenas as potências da Fórmula 1, mas também os ministros do governo saudita que explicaram como as medidas de segurança estavam sendo elevadas ao máximo, o resultado foi uma resolução de que treinaríamos e nos qualificaríamos hoje e correríamos amanhã.

“Portanto, esperamos que o GP da Arábia Saudita de 2022 seja lembrado como uma boa corrida, e não pelo incidente que ocorreu ontem.”

Leclerc lidera TLs, mas Max 'celebra' na Arábia

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #169 - TELEMETRIA: Rico Penteado aponta o que GP na Arábia terá de diferente

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

compartilhar
comentários
F1: Ferrari segue cética sobre ter melhor motor e se preocupa com velocidade da Red Bull
Artigo anterior

F1: Ferrari segue cética sobre ter melhor motor e se preocupa com velocidade da Red Bull

Próximo artigo

F1 AO VIVO: Acompanhe o terceiro treino livre para o GP da Arábia Saudita em tempo real

F1 AO VIVO: Acompanhe o terceiro treino livre para o GP da Arábia Saudita em tempo real