F1 segue recuperando receita com retorno do público aos GPs

Balanço divulgado faz comparação com o segundo trimestre de 2020, quando não foram realizadas corridas devido à pandemia

F1 segue recuperando receita com retorno do público aos GPs

A Fórmula 1 continua recuperando sua receita após a divulgação do balanço do segundo trimestre de 2021, após a primeira parte da temporada passada ter sido eliminada por conta da pandemia da Covid-19.

Porém, a receita segue significativamente mais baixa que o mesmo período da última temporada "normal", 2019, já que boa parte das corridas do primeiro semestre foram realizadas sem público.

Leia também:

No ano passado, não foram realizadas corridas entre abril e junho, e a F1 divulgou uma renda de apenas 24 milhões de dólares (R$125 milhões). Neste ano, o mesmo período de três meses viu sete GPs serem realizados, permitindo uma recuperação da renda para 501 milhões de dólares (R$2,62 bilhões).

Porém, este valor segue bem abaixo dos 620 milhões de dólares (R$3,25 bilhões) registrado no mesmo período de 2019, quando também foram realizadas sete etapas.

Em 2020, a F1 registrou uma perda de 122 milhões de dólares (R$640 milhões) no mesmo período, o que foi reduzido a 36 milhões (R$188 milhões) neste ano.

No ano passado, as dez equipes não receberam receita da F1 no segundo trimestre, e, por boa parte deste período, as fábricas estavam fechadas. Já em 2021, elas dividem um rendimento de 308 milhões entre elas (R$1,61 bilhão), levemente menor que os 335 milhões de 2019.

A receita da F1 deve aumentar consideravelmente no terceiro trimestre, de julho a setembro, devido ao aumento da presença de fãs e hospitalidades nas corridas.

Daniel Ricciardo, McLaren MCL35M, takes his grid position for the start

Daniel Ricciardo, McLaren MCL35M, takes his grid position for the start

Photo by: Andy Hone / Motorsport Images

"Foram realizadas sete corridas no segundo trimestre de 2021, comparado a nenhuma no mesmo período de 2020 devido à pandemia da Covid-19", disse a Liberty Media. "A presença de público continua sendo avaliada pelas autoridades governamentais corrida a corrida".

"Um número bem limitado de fãs estiveram presentes e não tivemos áreas de hospitalidades nas corridas do segundo trimestre. Enquanto as decisões finais para os próximos eventos seguem em aberto, a presença de público começa a aumentar no terceiro trimestre e as operações de hospitalidade voltaram com o GP da Áustria".

"As rendas primárias da F1 aumentaram no segundo trimestre com o crescimento de divulgação das corridas, direitos de mídia e taxas de patrocínio".

"Isso ocorreu devido a uma relação de renda específica por corrida e temporada, com as sete provas feitas no trimestre em comparação a nenhuma do ano anterior. Direitos de transmissão também se beneficiaram com o crescimento nas assinaturas da F1TV".

Greg Maffei, CEO da Liberty Media, deixou claro que a empresa está feliz com o progresso da F1.

"A Fórmula 1 está entregando em todos os lados. Na pista, para nossos fãs, equipes, parceiras e investidores, e faz um trabalho impressionante com o calendário de 2021".

F1: RUSSELL na Mercedes? PÉREZ fica na RBR? E Bottas? O que esperar do MERCADO de PILOTOS para 2022!

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast – A primeira metade do campeonato da F1 foi a mais incrível dos últimos anos?

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: Masi defende que Spa é seguro, mesmo com acidente grave na GT3
Artigo anterior

F1: Masi defende que Spa é seguro, mesmo com acidente grave na GT3

Próximo artigo

F1 - Hamilton espera que Red Bull reflita sobre rivalidade: "Devemos espalhar positividade"

F1 - Hamilton espera que Red Bull reflita sobre rivalidade: "Devemos espalhar positividade"
Carregar comentários