F1: Wolff diz que batalha contra Ferrari foi mais intensa do que com Red Bull

Em entrevista exclusiva ao Motorsport.com, chefe da Mercedes relata dificuldades com mudanças no regulamento e fala sobre relação com rival de 2021

F1: Wolff diz que batalha contra Ferrari foi mais intensa do que com Red Bull

Depois de sua série de sucessos pelo título da Fórmula 1, você poderia perdoar a Mercedes se ela sentir que a pressão da Red Bull em 2021 foi um pouco desconfortável. No entanto, apesar do equilíbrio entre as duas primeiras equipes da temporada, em uma competição acalorada, a mensagem da atual campeã mundial é completamente o oposto do que você esperaria.

Em vez de se sentir sobrecarregado com a potencialmente maior ameaça que teve ao seu domínio na categoria, o chefe da escuderia, Toto Wolff, disse que tiveram um sentimento de "libertação".

Leia também:

Após anos na ponta, onde a motivação para seguir em frente era alimentada pelo medo de eventualmente ser derrubada do topo, o mandatário disse que ele e equipe foram fortalecidos por estarem em uma luta em que devem dar tudo para vencer.

Falando exclusivamente ao Motorsport.com sobre se a empolgação do início da temporada com o desafio foi substituída pelo aumento dos níveis de estresse causados pelo ritmo da Red Bull, Wolff comentou: "Na verdade, diminuiu, porque todos esses anos tivemos a pressão de que não podíamos perder."

"Agora mudou para: 'se for nossa a vitória, as probabilidades estavam contra nós.' Então, de repente, há uma facilidade na abordagem que começa a tomar conta, o que a torna bastante agradável. Suas expectativas mudam. Não há senso de direito. Isso é o que vimos em outras equipes esportivas, quando o sarrafo é tão alto que se torna até inaceitável perder."

"E eu acho que com a gente, nós nos condicionamos. Definimos as metas de forma realista e acabamos de aproveitar a jornada para nos colocar de volta em uma posição em que seríamos capazes de lutar."

Esta temporada não é a primeira durante seus anos dominantes na era híbrida que a Mercedes enfrentou uma ameaça pelo título. Em 2018/2019, enfrentou o desafio da Ferrari, quando a equipe italiana teve alguns ganhos surpreendentes com sua unidade de força que mais tarde provou ser um assunto polêmico.

Comparando as pressões daquela batalha com a escuderia de Maranello com o que a montadora alemã enfrenta com a Red Bull agora, Wolff deixa claro quando se sentiram mais prejudicados.

"Os anos da Ferrari pareciam mais intensos, porque acho que, naquela fase, estávamos muito interessados ​​em provar que não éramos uma maravilha de um só campeonato", explicou. "Queríamos realmente criar um legado de ser a equipe de ponta por alguns anos e conseguimos isso. Vencemos sete vezes consecutivas, o que não foi feito em nenhum outro esporte a nível mundial."

“Com isso, de repente, essa facilidade entrou em jogo. Ainda somos muito ambiciosos e competitivos, mas a ansiedade de perder diminuiu. Ainda odiamos, mas é menos prejudicial ao seu próprio bem-estar."

Novo regulamento

Mercedes W12 floor detail

Mercedes W12 floor detail

Photo by: Giorgio Piola

Um dos fatores que definem a proximidade da batalha pelo título deste ano foi a mudança nos regulamentos aerodinâmicos.

Em uma tentativa de reduzir o downforce, a FIA fez alterações nas dimensões do assoalho, que são amplamente consideradas por terem prejudicado os carros de baixo rake, como o da Mercedes, mais do que seus rivais de alto.

Olhando para trás, quando a realidade daquela situação atingiu a garagem, Wolff disse que, inicialmente, a escuderia se sentiu otimista com a possibilidade de recuperar as perdas.

"Quando a mudança nas regras foi acordada bem no início da temporada de 2020, pensamos que poderíamos nos beneficiarmos em termos de força aerodinâmica, mas parece que em desempenho relativo não alcançamos tanto quanto pensávamos que poderíamos."

"Então, começamos a temporada esperando recuperar o atraso. Olhando para o GP do Bahrein, provavelmente não deveríamos ter vencido a corrida em ritmo puro, mas ganhamos. Desde o início do campeonato estivemos sempre com um ligeiro déficit, com exceção de talvez Barcelona e Portimão."

O chefe da Mercedes comentou que o impacto das mudanças no assoalho foi grande ao ponto da equipe ter que reaprender o carro como se fosse em regulamentos completamente novos.

"Todos esses anos rodamos com uma determinada configuração e, quando de repente a perda de downforce aconteceu na extremidade traseira do assoalho, precisamos redescobrir e encontrar o desempenho em outro lugar."

"Tivemos fins de semana bons e ruins, mas foi realmente como começar a temporada com novas regras: ao contrário do que alguns dos nossos concorrentes tinham."

Relação com Red Bull

Toto Wolff, Executive Director (Business), Mercedes AMG, and Christian Horner, Team Principal, Red Bull Racing

Toto Wolff, Executive Director (Business), Mercedes AMG, and Christian Horner, Team Principal, Red Bull Racing

Photo by: Zak Mauger / Motorsport Images

A luta entre Red Bull e Mercedes não foi apenas intensa na pista, pois também houve muitas batalhas fora dela.

Além da politicagem sobre as asas traseiras flexíveis, as pressões dos pneus e os pit stops, as tensões entre Wolff e o chefe da equipe austríaca, Christian Horner, explodiram com os comentários feitos após o acidente no GP da Grã-Bretanha entre Lewis Hamilton e Max Verstappen.

O mandatário da escuderia alemã é muito claro em uma coisa: que os pontos de inflamação entre as rivais podem ser mais por causa de desentendimentos pessoais entre os chefes do que aos dois times inteiros em guerra.

"É muito importante não generalizar a Red Bull ou a Mercedes”, explicou. "É muito mais um esporte de equipe, e há indivíduos envolvidos."

"Só porque certas pessoas não se dão bem, não significa que você está desrespeitando a outra entidade e as pessoas que trabalham lá, que estão tentando fazer o melhor trabalho possível para realizar seus próprios sonhos e superar suas próprias preocupações. Portanto, sempre há respeito por essas organizações, e pelas pessoas nelas."

Questionado se ficou surpreso com a forma como as relações se desintegraram, Wolff respondeu: "Nunca foram esplêndidas, e isso vem da competição absoluta que temos, mas eu diria que tentamos manter a calma na guerra de palavras, a cabeça fria e não alimentar ainda mais polêmica e polarização entre nossos fãs.

"O objetivo sempre foi diminuir a escalada. Infelizmente, o oposto acontece do outro lado", completou.

A batalha no topo da Fórmula 1 em 2021 ainda está longe de terminar.

Sergio Perez, Red Bull Racing RB16B, battles with Lewis Hamilton, Mercedes W12

Sergio Perez, Red Bull Racing RB16B, battles with Lewis Hamilton, Mercedes W12

Photo by: Andy Hone / Motorsport Images

F1: Conheça a INCRÍVEL história da PRISÃO de MIKA HAKKINEN horas antes do GP da Grã-Bretanha

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Luciano Burti abre o jogo sobre F1, Globo e ausência na Band

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
Wolff e Lawrence Stroll são investigados por uso de informação privilegiada na compra de ações da Aston Martin
Artigo anterior

Wolff e Lawrence Stroll são investigados por uso de informação privilegiada na compra de ações da Aston Martin

Próximo artigo

F1: Norris reencontrou equilíbrio entre ser "sério" e "piadista"

F1: Norris reencontrou equilíbrio entre ser "sério" e "piadista"
Carregar comentários