Análise

FIA e F1 em "clima de guerra"? Entenda

Após a eleição de Ben Sulayem para a presidência da FIA, as relações entre o detentor dos direitos comerciais da F1 e aqueles que legislam a categoria estão tensas. A discordância mais recente diz respeito à publicação do calendário de 2023: geralmente era divulgado conjuntamente pelas duas instituições, enquanto ontem a FIA quis antecipar, sabendo muito bem que a construção das datas é tarefa da FOM e a promulgação do FIA

Toto Wolff, Team Principal and CEO, Mercedes AMG, with Mohammed bin Sulayem, President, FIA

Na história da Fórmula 1, as disputas entre a Federação Internacional e o detentor dos direitos comerciais são comuns. A convivência entre dois centros de poder nunca foi fácil. Embora, em alguns períodos essa convivência foi mais tranquila.

Desde o dia 17 de dezembro a presidência da FIA passou para Mohammed Ben Sulayem, a Fórmula 1 teve que enfrentar algumas questões espinhosas, começando pelo caso "Michael Masi", arquivado sem controvérsias, mas desde a primavera passada entre a Federação Internacional e a Liberty Media começou a sentir alguma tensão.

Leia também:

Em alguns casos as posições assumidas pelo presidente da FIA foram evidentes, em outras ocasiões houve algum tipo de rancor que, embora não de grande substância, reafirma um aspecto básico.

A atitude de Ben Sulayem mostra um desejo de traçar um limite preciso entre questões que são da competência da FIA e aquelas que pertencem ao titular dos direitos comerciais, uma intenção que transparece mesmo em situações de importância secundária.

Um exemplo foi ontem, quando a FIA divulgou um comunicado de imprensa sobre o calendário do Campeonato Mundial de Fórmula 1 2023.

A tradição sempre viu a Liberty Media e a FIA enviarem um comunicado de imprensa conjunto, porque se é formalmente correto considerar a aprovação do calendário como área de competência da FIA, também é verdade que a elaboração do mesmo é resultado de um longo trabalho realizado e concluído pela Liberty Media, que trata de negociar e concluir as negociações com os promotores de cada Grande Prêmio.

Stefano Domenicali, CEO, Formula 1, com George Russell, Mercedes-AMG

Stefano Domenicali, CEO, Formula 1, com George Russell, Mercedes-AMG

Photo by: Steve Etherington / Motorsport Images

Nesta ocasião, a FIA não informou a Liberty Media do envio do calendário, e nos escritórios de Londres a equipe sob a direção de Stefano Domenicali soube da oficialização sem aviso prévio.

Ben Sulayem também quis marcar o território com uma declaração muito enigmática, ("A adição de novas corridas e a manutenção de eventos tradicionais destaca a sólida gestão do esporte pela FIA") atribuindo o mérito de um trabalho realmente realizado pela Liberty .

A Federação Internacional (através do Conselho Mundial) tem a última palavra sobre a aprovação (ou não) do calendário, mas de fato nos últimos anos o Conselho Mundial tem parecido mais um escritório de carimbos do que um órgão capaz de realmente entrar no mérito das matérias, exercendo o direito de veto que possui.

FIA logo

FIA logo

Photo by: Rainier Ehrhardt

Algo está mudando, e não é necessariamente um aspecto negativo se o poder institucional da FIA atuar como garantia de quais são os valores básicos do esporte.

Até agora, porém, posições curiosas foram tomadas, desde a polêmica sobre as joias usadas pelos pilotos, à entrada em vigor da diretiva TD39 sem passar pela Comissão de Fórmula 1, ao descaso diante do alerta dado em Miami por Sainz e Ocon pelas barreiras na curva 14, até a rejeição do aumento da Sprint Race, uma decisão motivada com potencial aumento de custos suportados pela própria FIA.

A Federação Internacional quer demarcar o território mas, sobretudo, exige uma fatia maior das receitas financeiras que a Liberty Media obtém com a venda de direitos comerciais. A FIA na frente econômica não está navegando em águas calmas, os balanços estão em déficit, e esse aspecto provavelmente não é bom para Ben Sulayem.

No entanto, também é verdade que sem as contribuições que a Fórmula 1 garante todos os anos, no Pacto de Concórdia, eles correriam o risco de não ter os fundos necessários para a própria sobrevivência da Federação, por isso é um jogo delicado.

O que a Fórmula 1 reclama (neste caso não só a Liberty Media, mas grande parte do paddock), porém, é a falta de eficiência em alguns contextos por parte dos membros da FIA. Além da gestão do Grande Prêmio de Abu Dhabi no ano passado, o caso mais recente é a conclusão da corrida de Monza, formalmente correta (é certo destacar isso), mas em qualquer caso condicionada por uma gestão não impecável dos funcionários da FIA.

O desejo de ignorar a Comissão de Fórmula 1 no caso 'TD39' não foi bem aceito pela maioria das equipes, assim como o 'tie rod' introduzido no Canadá, ignorando o Conselho Mundial neste caso.

Além disso, há também um aspecto crucial, e que está ligado ao sistema de controle de teto orçamentário, que segundo alguns insiders que trabalham em equipes diferentes no momento parece ser deficiente.

A impressão é que o jogo vai continuar, talvez sem sabre, mas com tiros de florete. Para ser inatacável, a Federação Internacional deve, no entanto, ser capaz de garantir uma gestão impecável em seu papel.

É certo que a FIA se torne a FIA, é essencial que um esporte não fique exclusivamente nas mãos dos envolvidos no negócio, mas também exija uma equipe competente e experiente para se proteger das críticas e descontentamento. A história conta que a FIA teve um bom desempenho em tempos em que os homens da Federação Internacional pareciam quase transparentes ao sistema. Quando fica no centro das atenções, geralmente não é um bom sinal.

De Vries na AlphaTauri? Nova REVIRAVOLTA agita MERCADO da F1 e pode 'desbloquear' dança das cadeiras

Podcast #196 - Após recorde, qual Alonso ficará para a história da F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Artigo anterior Como F1 terminou com exaustivo calendário de 24 corridas em 2023?
Próximo artigo Domenicali afirma que entrada de nova equipe na F1 não é prioridade: "Não é realmente necessário"
Assinar