Fórmula 1
19 mar
-
22 mar
Próximo evento em
25 dias
02 abr
-
05 abr
Próximo evento em
39 dias
30 abr
-
03 mai
Próximo evento em
67 dias
07 mai
-
10 mai
Próximo evento em
74 dias
21 mai
-
24 mai
Próximo evento em
88 dias
R
GP do Azerbaijão
04 jun
-
07 jun
Próximo evento em
102 dias
11 jun
-
14 jun
Próximo evento em
109 dias
25 jun
-
28 jun
Próximo evento em
123 dias
R
GP da Áustria
02 jul
-
05 jul
Próximo evento em
130 dias
R
GP da Grã-Bretanha
16 jul
-
19 jul
Próximo evento em
144 dias
30 jul
-
02 ago
Próximo evento em
158 dias
R
GP da Bélgica
27 ago
-
30 ago
Próximo evento em
186 dias
03 set
-
06 set
Próximo evento em
193 dias
R
GP de Singapura
17 set
-
20 set
Próximo evento em
207 dias
24 set
-
27 set
Próximo evento em
214 dias
08 out
-
11 out
Próximo evento em
228 dias
R
GP dos Estados Unidos
22 out
-
25 out
Próximo evento em
242 dias
29 out
-
01 nov
Próximo evento em
249 dias
12 nov
-
15 nov
Próximo evento em
263 dias
R
GP de Abu Dhabi
26 nov
-
29 nov
Próximo evento em
277 dias

França-2008, dia em que Massa chegou ao topo na F1

compartilhar
comentários
França-2008, dia em que Massa chegou ao topo na F1
Por:
22 de jun de 2018 21:07

Editor-chefe do Motorsport.com Brasil, Felipe Motta relembra “façanha” de Massa ao ser o primeiro brasileiro a liderar o Mundial desde Senna e detalha bastidores complicados da corrida em Magny-Cours

Kimi Raikkonen, Scuderia Ferrari, leads Felipe Massa, Scuderia Ferrari
Kimi Raikkonen, Scuderia Ferrari, leads Felipe Massa, Scuderia Ferrari
Felipe Massa, Scuderia Ferrari
Felipe Massa, Scuderia Ferrari
Post-race press conference: race winner Felipe Massa, with Kimi Raikkonen and Jarno Trulli
Felipe Massa, Scuderia Ferrari
Kimi Raikkonen, Scuderia Ferrari, leads Felipe Massa, Scuderia Ferrari
Podium: race winner Felipe Massa with Kimi Raikkonen and Jarno Trulli
Felipe Massa, Scuderia Ferrari

E lá se vão 10 anos do último GP da França. Consequentemente, 10 anos do momento em que Felipe Massa assumiu a liderança do campeonato pela primeira vez.

Aquela corrida em Magny-Cours não traz grandes memórias sobre a prova além da vitória do brasileiro, claro, mas os bastidores tiveram muitas curiosidades.

Começando por Massa: aquele momento era, de certa forma, uma afirmação dele. Depois de ver Kimi Raikkonen campeão em 2007, quando houve equilíbrio na disputa, ninguém imaginou que o brasileiro conseguiria superar o finlandês em um segundo ano. A ideia era que a Ferrari teria desde o início do ano uma predileção por Kimi.

Raikkonen foi dominante em Magny-Cours o tempo todo, mas um problema em seu carro fez com que ele tivesse de poupar o ritmo, o que permitiu ao brasileiro a ultrapassagem. Kimi ainda conseguiu chegar em segundo. Com o resultado, Massa assumiu a liderança do Mundial de F1, o primeiro brasileiro a conseguir o feito desde Ayrton Senna. A lacuna era de 15 anos (1993-2008).

O tamanho do jejum em si já deixa claro o peso da façanha. Ali, de fato, foi o momento em que todos (imprensa, pilotos, torcedores) colocaram Massa como um candidato real ao título. Dali em diante, deixou Raikkonen para trás para ser o ferrarista a ser sustentado pela equipe na metade final.

A tendência daquele campeonato é que lembremos da decisão em Interlagos, mas Magny-Cours é um marco, ainda mais vindo de Massa. O piloto sempre foi subestimado, e aquela liderança era algo maior do que muitos previam quando iniciou sua carreira na Sauber.

Curiosamente, como escrevi acima, o GP foi marcado por algumas histórias curiosas. Pra quem não conhece, Magny-Cours fica longe de tudo. Era uma corrida que não tinha grandes coisas para fazer. Mas naquele GP em particular tudo deu errado para boa parte da imprensa brasileira, de falta de roupa a ser parado e multado em blitz da polícia francesa.

Eu e Tatiana Cunha, repórter da Folha de SP, tivemos a mala extraviada. Passamos no Carrefour, compramos uma muda de roupas pra garantir o fim de semana, e a mala, que deveria chegar em 1 dia, nunca chegou ao destino. Ficou presa em Paris, onde recuperamos só depois da prova.

Para piorar, eu tinha despachado a mala de equipamentos da Jovem Pan. Sendo assim, fui obrigado a fazer a transmissão de um telefone fixo. O problema é que a sala de imprensa não tinha isolamento acústico, e quando os carros passavam na reta dos boxes, era impossível ouvir a voz do Téo José, que narrava a prova com Claudio Carsughi do Brasil.

Eu somente conseguia sentir a vibração do fone enquanto alguém falava. Por esse motivo, pedi que jamais me acionassem com alguma pergunta específica. Se isso ocorresse, viraria gincana do Silvio Santos: "Você quer trocar esse carro por uma caixa de fósforos?". "Sim!".

Então, o Téo narrava e simplesmente dizia meu nome, sem nenhum tema direcionado. Quando eu sentia a vibração do fone parar, era porque devia falar alguma coisa, passar uma informação do local. Foi uma das provas mais difíceis em que já trabalhei. 

Dali em diante, criamos uma superstição. Quando nós jornalistas iniciávamos uma cobertura e surgiam problemas (malas que não chegavam, voos que atrasavam, carros alugados bichados, furtos....) era a senha para imaginar que Massa teria uma boa corrida. Em muitos casos, era exatamente o que acontecia...

Próximo artigo
Ericsson culpa vento por acidente “estranho”

Artigo anterior

Ericsson culpa vento por acidente “estranho”

Próximo artigo

Gerenciamento de tráfego para GP da França recebe críticas

Gerenciamento de tráfego para GP da França recebe críticas
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Felipe Motta