Fórmula 1
03 jul
-
05 jul
Evento encerrado
10 jul
-
12 jul
Evento encerrado
R
GP da Hungria
17 jul
-
19 jul
Próximo evento em
1 dia
31 jul
-
02 ago
Próximo evento em
15 dias
R
GP de 70º aniversário
07 ago
-
09 ago
Próximo evento em
22 dias
28 ago
-
30 ago
Próximo evento em
43 dias
04 set
-
06 set
Próximo evento em
50 dias
R
GP de Singapura
17 set
-
20 set
Canceled
25 set
-
27 set
Próximo evento em
71 dias
08 out
-
11 out
Canceled
R
GP dos Estados Unidos
23 out
-
25 out
Próximo evento em
99 dias
R
GP do México
30 out
-
01 nov
Próximo evento em
106 dias
13 nov
-
15 nov
Próximo evento em
120 dias
R
GP de Abu Dhabi
27 nov
-
29 nov
Próximo evento em
134 dias

Globo decide exibir GP do Japão de 1988 após sucesso com reprises de jogos clássicos

compartilhar
comentários
Globo decide exibir GP do Japão de 1988 após sucesso com reprises de jogos clássicos
27 de abr de 2020 13:52

Transmissão será realizada no próximo domingo, dia 03, no período da manhã, com narração e comentário originais

Nas últimas semanas, a Rede Globo seguiu um caminho usado por diversas emissoras de televisão do mundo para suprir as lacunas de programação durante a pandemia da Covid-19: a exibição de eventos esportivos clássicos. E, apesar de ter começado apenas com o futebol, na próxima semana a Fórmula 1 também vai entrar nesse regime, com uma das corridas mais conhecidas pelos brasileiros.

No próximo domingo, dia 03, dentro da programação do Esporte Espetacular, o canal vai exibir novamente o GP do Japão de 1988, que deu o primeiro título mundial a Ayrton Senna, após um ano de grandes disputas contra seu companheiro de equipe, Alain Prost.

Leia também:

Em Suzuka, Senna largaria na primeira fila, mas seu motor morreu na largada e o brasileiro acabou caindo para 14º, precisando fazer uma corrida de recuperação. Foram necessárias apenas 28 voltas para que o piloto da McLaren chegasse até Prost e ultrapassasse o francês, partindo para a vitória que garantiu o primeiro de seus três títulos.

A transmissão da Globo contará com a exibição da corrida na íntegra, além da narração e comentário originais de Galvão Bueno e Reginaldo Leme, homenageando Senna na semana em que sua morte completa 26 anos.

Homenagem a Senna na Final da Copa de 1994

Homenagem a Senna na Final da Copa de 1994

Photo by: Reprodução

Senna é relembrado em reprise do tetra

No domingo (26), a Globo reexibiu a final da Copa do Mundo de 1994 entre Brasil e Itália, que terminou com o tetra da seleção canarinho. Na ocasião, os jogadores fizeram uma homenagem a Ayrton Senna, que havia morrido cerca de dois meses antes do evento no acidente em Ímola.

Após o fim da partida, os jogadores levaram a campo uma faixa com os dizeres "Senna... aceleramos juntos, o tetra é nosso!". Na ocasião, Galvão Bueno, responsável pela narração da partida, falou sobre a homenagem.

"Aí a homenagem dos jogadores a você, meu irmão, Ayrton Senna", falou Galvão na transmissão, com o Tema da Vitória, conhecida pelas vitórias de Senna na F1, tocando ao fundo.

Na transmissão deste domingo, a equipe da Globo levou ao estúdio a faixa original, que estava guardada na casa de Américo Faria, supervisor da seleção na Copa de 1994. Galvão, emocionado, falou da relação de Senna com a seleção naquele ano de 1994.

"O Senna tinha feito duas corridas na Williams", disse. "Teve um problema no Brasil, rodou, abandonou. Tinham batido no carro dele no Japão e na semana seguinte tinha um jogo da seleção em Paris. Eu convidei ele. Ele disse 'Imagina, na casa do Prost, vão me vaiar'".

"Ele foi, deu o pontapé inicial, foi aplaudido por todos os franceses e foi ao vestiário. No vestiário houve um acordo dele com os jogadores de dois tetracampeonatos, dele e da seleção. Por isso essa faixa tão especial".

Faixa da Copa de 1994

Faixa da Copa de 1994

Photo by: Reprodução

GALERIA: Relembre os carros de Senna na F1

Galeria
Lista

1984: Toleman TG183B

1984: Toleman TG183B
1/12

Foto de: Camille De Bastiani

Foi seu primeiro carro na Fórmula 1, apesar de Senna ter usado o monoposto apenas nas primeiras quatro corridas daquela temporada 1984, somando dois sextos lugares na África do Sul e na Bélgica.

1984: Toleman TG184

1984: Toleman TG184
2/12

Foto de: Camille De Bastiani

Foi com o novo carro da Toleman que o brasileiro conseguiu o famoso pódio na corrida chuvosa em Mônaco. Além disso, conquistou mais dois terceiros lugares, na Grã-Bretanha e em Portugal.

1985: Lotus 97T

1985: Lotus 97T
3/12

Foto de: Camille De Bastiani

A Lotus carregava um motor Renault. Com o monoposto, ele conseguiu uma vitória já em sua segunda corrida, em Portugal, antes de cair em uma sequência de sete provas consecutivas sem pódios. Voltou ao top-3 na Áustria com o segundo lugar, iniciando uma série de cinco pódios, incluindo uma vitória na Bélgica.

1986: Lotus 98T

1986: Lotus 98T
4/12

Foto de: Camille De Bastiani

Em sua segunda temporada com a Lotus, a equipe usou novamente o motor Renault V6. Os resultados chegaram: seis pódios, incluindo vitórias de Espanha e Detroit, nas oito primeiras corridas. No final, Senna somou 11 pódios para terminar em quarto entre pilotos.

1987: Lotus 99T

1987: Lotus 99T
5/12

Foto de: Camille De Bastiani

Com o Lotus 99T, já com motor Honda, o piloto ficou em terceiro lugar no campeonato de pilotos. Durante o ano, ele somou duas vitórias, quatro segundos lugares e dois terceiros. Essa foi a melhor posição de qualificação até então para o brasileiro.

1988: McLaren MP4/4

1988: McLaren MP4/4
6/12

Foto de: Camille De Bastiani

Em seu primeiro ano com a McLaren, seu carro foi o MP4/4, com motor Honda. Já em sua segunda corrida, Senna venceu o GP de San Marino. Depois de abandonar em Mônaco, obteve um segundo lugar no México, iniciando série de oito pódios consecutivos, incluindo seis vitórias. No GP do Japão, ele subiu novamente ao topo do pódio e conquistou seu primeiro campeonato na F1.

1989: McLaren MP4/5

1989: McLaren MP4/5
7/12

Foto de: Camille De Bastiani

Em sua segunda temporada com a McLaren, Senna guiou o MP4/5, impulsionado pela Honda. Foi o ano da intensificação da rivalidade com Alain Prost. No decorrer da temporada, ele somou seis vitórias e um segundo lugar na Hungria.

1990: McLaren MP4/5B

1990: McLaren MP4/5B
8/12

Foto de: Camille De Bastiani

A terceira temporada de Senna pela McLaren marcou a saída de Alain Prost para a Ferrari, o que fez com que os números dos carros britânicos fossem alterados. O francês levou consigo o projetista Steve Nichols. Por isso, a McLaren fez alterações no seu carro do ano anterior, com novidades no corpo e na asa traseira. Deu certo: ganhou o Mundial de Construtores e Senna reconquistou o título.

1991: McLaren MP4/6

1991: McLaren MP4/6
9/12

Foto de: Camille De Bastiani

O MP4/6 impulsionado por um Honda V12 foi o último carro com o qual Senna brigou frequentemente por vitórias na McLaren. O início da temporada deu-lhe quatro vitórias. Depois, dois terceiros lugares, no México e na França. Os triunfos na Hungria, Bélgica e Austrália, com os segundos lugares de Itália, Portugal e Japão, deram a ele seu terceiro e último título mundial na Fórmula 1.

1992: McLaren MP4/7

1992: McLaren MP4/7
10/12

Foto de: Camille De Bastiani

A McLaren começou a temporada com uma atualização do chassi de 1991 na África do Sul e no México, onde Senna conseguiu o terceiro lugar. No Brasil, veio o novo carro MP4/7, para as restantes 14 datas do campeonato. Senna ainda ganhou três GPs (Mônaco, Hungria e Itália) e três pódios (San Marino, Alemanha e Portugal), terminando em quarto no campeonato vencido por Nigel Mansell.

1993: McLaren MP4/8

1993: McLaren MP4/8
11/12

Foto de: Camille De Bastiani

Com o novo motor Ford, Senna começou sua última temporada com a McLaren ao volante do MP4/8. O início da temporada permitiu-lhe três vitórias e dois pódios nas primeiras seis corridas de 1993. No fim do ano, ainda venceu no Japão e na Austrália.

1994: Williams FW16

1994: Williams FW16
12/12

Foto de: Camille De Bastiani

Em seu desejo de vencer seu quarto campeonato mundial, Ayrton Senna mudou para a Williams em 1994. Entretanto, perdeu a suspensao eletrônica de seu antecessor em virtude das novas regras da F1 e ficou desvantagem. Em seu terceiro GP com o FW16, Senna faleceu após forte batida na curva Tamburello, em Imola.

VÍDEO: 60 fatos e feitos de Ayrton Senna

PODCAST Motorsport.com: Senna realmente foi o melhor piloto da história da F1?

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Próximo artigo
Em entrevista ao filho, Galvão Bueno fala qual a maior "ausência" no currículo de narrador

Artigo anterior

Em entrevista ao filho, Galvão Bueno fala qual a maior "ausência" no currículo de narrador

Próximo artigo

Da perda da visão após acidente a um dos nomes mais influentes da F1: conheça a história de Helmut Marko

Da perda da visão após acidente a um dos nomes mais influentes da F1: conheça a história de Helmut Marko
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1