Presidente da FIA revela que F1 não voltará para formato antigo com apenas um diretor de prova

Mohammed Ben Sulayem ainda destacou que saída de Michael Masi da entidade também partiu de um desejo do australiano

Mohammed bin Sulayem, President, FIA

O presidente da FIA, Mohammed Ben Sulayem, revelou que a Fórmula 1 vai continuar seguindo a linhagem de ter vários diretores de prova no futuro, após uma mudança de abordagem em 2022.

Leia também:

Após a controvérsia sobre a forma como o ex-diretor de corridas Michael Masi lidou com o GP de Abu Dhabi de 2021, a entidade reformulou a maneira como os eventos durante os fins de semana de corrida foram realizados na última temporada.

Em vez de ter um único diretor de corrida, a FIA dividiu a função no ano passado – com Niels Wittich e Eduardo Freitas dividindo a temporada de F1 entre eles. No entanto, a partir do GP do Japão, após uma investigação sobre o motivo pelo qual um guindaste foi lançado na pista ao vivo, a entidade optou por ficar apenas com Wittich até o final da temporada.

A ideia de dividir responsabilidades não se mostrou universalmente popular, com pilotos e equipes sugerindo às vezes que ter pessoas diferentes como diretor de provas significava falta de consistência nos processos e decisões. O diretor da GPDA, George Russell, falou pelos outros pilotos quando disse que eles: “acreditam que ter o rodízio não é a melhor coisa para um esporte, para aquela consistência."

“Nunca tivemos um comissário de um evento anterior na corrida seguinte para falar sobre certas decisões, acredito.”

Mas, em vez de voltar a um sistema de instalação de um único diretor, Ben Sulayem acha essencial que o corpo diretivo tenha várias pessoas envolvidas - para garantir que haja uma transição suave caso ocorra um problema com o titular.

Questionado sobre uma possível mudança nos diretores de corrida da F1 para 2023 durante uma coletiva de imprensa no Rally Dakar, Sulayem disse: “Existe um processo agora e eu tenho uma equipe que está passando por um processo e treinamento adequados para comissários e diretores de corrida."

“Você não pode ter apenas um diretor de prova e confiar nele. Vejo que devemos preparar o segundo papel. Não podemos confiar na maior disciplina que temos, ou em qualquer outra disciplina. E se algo acontecesse? Se quisermos sustentar o automobilismo, temos que estar prontos com o treinamento”.

Ben Sulayem reiterou sua crença de que existem muitos oficiais talentosos operando em nível de base que poderiam ajudar a gerenciar as corridas de F1. 

“Acredito muito que existe algum lugar no mundo onde pode haver melhores diretores de corrida, melhores comissários”, disse ele. “Estamos entrando em contato com as ASNs e pedimos que nos enviassem pessoas para o treinamento e agora temos uma equipe adequada para o treinamento. Vamos conseguir bons [funcionários]. Eu prometo isso."

Michael Masi, Race Director

Michael Masi, Race Director

Photo by: Motorsport Images

Masi não queria ficar

Ben Sulayem assumiu como presidente da FIA em dezembro de 2021, poucos dias após o controverso final do campeonato mundial daquele ano em Abu Dhabi. Como parte de uma revisão dos eventos, a entidade se separou de Masi, embora alguns tenham questionado se o australiano foi ou não um bode expiatório para as fraquezas em outras partes da infraestrutura do órgão regulador.

Questionado sobre por que Masi não permaneceu na FIA, Ben Sulayem sugeriu que sua partida não era exclusivamente dele.

“Também foi escolha dele”, disse ele. “Eu estava conversando com ele no começo. Houve erros humanos ali, e eu senti que ele também queria simplesmente não ir mais longe, por causa do que aconteceu nas redes sociais, nas redes sociais tóxicas. Eu falei com ele, a FIA sempre o apoiou."

“É a mesma coisa que está acontecendo com Silvia [Bellot, comissária da FIA], novamente com alguns de nossos membros: ameaças. Recebi algumas ameaças também, para reverter os resultados, mas não levei a sério. Mas agora nos posicionamos contra a mídia social tóxica que afetará nosso esporte. Acredito muito que, se não tomarmos uma posição, podemos descobrir que o dano será irreparável para o nosso esporte no futuro."

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast #212 – Polêmica: as verdades inconvenientes sobre a F1

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior Podcast #212 – Polêmica: as verdades inconvenientes sobre a F1
Próximo artigo F1: Giovinazzi e Shwartzman devem dividir posto de reserva da Ferrari em 2023

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil